O Hot Tuna, um dos projetos paralelos mais duradouros da história do rock, vai completar – entre idas e vindas – 50 anos em 2019. E já anunciou turnê para 2018. Os ex-Jefferson Airplane Jorma Kaukonen e Jack Casady vão fazer um giro acústico por lugares como Tenessee e Connecticut de março a junho. Com direito a uma parada “elétrica”, com banda, no sábado (24), em Pomeroy, Ohio. E a um show tamanho-família – e ligado na tomada – em novembro.

Se eu estivesse nos shows, com certeza ia querer ouvir duas músicas. Uma delas é Water song, um dos mais bonitos temas instrumentais acústicos já feitos na história do rock – presente no terceiro disco da banda, Burgers, de 1972. A outra é a estridente Easy now, do disco The phosphorecent rat, o quarto do Hot Tuna, de 1974. As duas seguem abaixo.

A guitarra da abertura de Easy now já foi definida pelo próprio Jorma (autor do solo) como “um maçarico”. Já Water song é outra história: um dos mais belos e delicados temas acústicos da história do rock, levado adiante por dois músicos que são mestres em levar o idioma desplugado para o estilo. Li certa vez um comentário no YouTube, num vídeo com essa música, de um sujeito que tinha 15 anos quando comprou Burgers e ouvia a música sonhando “com o fim da Guerra do Vietnã”. O clima é esse mesmo.

O Hot Tuna começou como um projeto paralelo do Jefferson Airplane, numa época em que a banda ficou inativa – Grace Slick, a vocalista-sensação do grupo, tinha operado nódulos na garganta e ficara fora de combate. Era para ser só um set acústico, voltado para o folk e para o blues, do guitarrista Kaukonen e do baixista Casady. Mas acabou agregando outros integrantes do Airplane, como Paul Kantner, Spencer Dryden, Papa John Creech e Marty Balin.

A dupla Kaukonen e Casady inicialmente abria os shows do próprio Airplane, mas acabou conseguindo fazer turnês sozinha, e os dois deixaram o grupo original em 1972. Papa John Creech, violinista que tocava com o JA, seguiu com eles, e Sammy Piazza entrou na bateria.

O grupo teve enorme popularidade após 1974, mas nunca chegou a ser uma ameaça ao Airplane. Tanto que boa parte de sua discografia foi lançada pelo selo que o próprio JA comandava, o Grunt. Na época, mesmo com as novidades do rock, o Airplane continuava a ser uma tradição no mercado do rock norte-americano, e havia demanda para toda a “família” do grupo – incluindo discos de Creech e do baterista Joey Covington. A partir de 1974, o próprio Jorma passou a alternar discos solo com os do Hot Tuna. Em 1978, brigas entre ele e Casady determinaram uma pausa nas atividades do Hot Tuna, que durou até o fim da década seguinte. Felizmente, a amizade e o profissionalismo prevaleceram.

Abaixo, você confere a maravilha que é o HT ao vivo, num show do retorno de 1988, com o então septuagenário Creech na voz e no violino. Creech morreria em 1994.

Olha eles aí em 2015, num belíssimo show de duas horas.

E esse texto inicialmente era só para avisar que alguém subiu, tirado de um DVD solo de Kaukonen, um vídeo com o músico ensinando como se toca a bela Water song. Uma música que o próprio autor não hesita em dizer que se trata de um dos mais delicados temas instrumentais já feitos no mundo.