Vinda do cenário alternativo mineiro dos anos 1990, a banda Verbase, de Ubá, tinha lançado um single no Spotify, Eu direi apenas coisas que que você quiser ouvir, há alguns meses. E estava se preparando para lançar um compacto, em formato físico. Só que a pandemia veio e deixou tudo parado. O plano mudou para lançar outras três músicas e se preparar para completar um disco até dezembro, que deverá sair em vinil. O primeiro single dessa leva de três músicas já saiu, Angélica.

Com dois álbuns, um EP e um DVD gravados, e somando influências que vão de Teenage Fanclub a Ride, o Verbase, pelo menos para o novo single, virou um projeto individual do cantor, compositor e guitarrista Anderson Badaró. A música recém-gravada tinha sido composta em 1999 e ganhou uma sonoridade “mais escura, com mellotron e arranjos simples, bem lo-fi, mas com uma capacidade de emocionar”, conta ele.

“Na música, gravei todos os instrumentos e enviei para o Jorge Guerreiro (do Tambor Estúdio, no Rio) mixar. A ideia é fazer tudo aqui no meu estúdio e mixar com o Jorge, que é um cara incrível. Ele tem muito conhecimento e sensibilidade. Ajuda muito a resolver as ideias. O Fábio Brasil (baterista dos Detonautas) também foi essencial para eu voltar a produzir. Ele que me puxou do mofo do sofá e me colocou no estúdio novamente, sempre incentivando e buscando as melhores possibilidades sonoras”, conta.

Fábio também colabora nas baterias do novo disco, e seu selo Mobília Music também pôs nas plataformas os discos anteriores do Verbase. A formação da banda mudou muito com o passar dos tempos e vem bastante alterada para o próximo álbum: Anderson na voz e na guitarra, Thiago Muzitano no baixo e Pedrão na bateria. “Estou muito animado com essa nova fase. Acredito que poderemos fazer muita música boa”, conta.

Pega Angélica aí.