Pete Shelley deixa uma baita saudade em todo mundo que gosta de música. O cantor dos Buzzcocks morreu em dezembro de 2018 de ataque cardíaco. E foi um nome importante do punk, do power pop, da música rápida e energética. E da boa composição pop.

Agora, não adianta só lembrá-lo pelos hits de sua ex-banda, como Ever fallen in love, What do I get?, Orgasm addict e vários outros. Com carreira solo iniciada nos anos 1980, ele abriu o leque para o tecnopop e para os sons eletrônicos em geral, e para a new wave. Eu disse “carreira” porque só a partir de 1981 Shelley gravaria com certa regularidade. Mas seus voos solo vem até antes de ele ter uma banda de verdade, com direito a uma gravação que demoraria para sair. Confira aí.

SKY YEN. O primeiro disco solo de Shelley foi feito em 1974, três anos antes dos Buzzcocks estrearem com o EP Spiral scratch, e só saiu em 1980. Sky yen foi gravado quando o músico tinha enormes interesses em krautrock e experimentações eletrônicas. Shelley gravou o disco em sua sala de estar numa manhã de sábado, usando um oscilador caseiro e um gravador de dois canais. Não é para qualquer ouvido: o disco tem duas longas faixas, Sky yen parte 1 e 2, ambas de 19 minutos.

TANGERINE DREAM. O disco Phaedra (1974), da banda alemã, é citado por Shelley como influência de Sky yen. O músico costumava dizer que seu próprio álbum solo era “bom para esvaziar festas”.

GROOVY RECORDS. O selo pelo qual Sky yen saiu era a gravadora de Pete Shelley, mantida por ele em sociedade com o músico e produtor Francis Cookson. O selo lançou discos de bandas como Free Agents e Sally Smmit And Her Musicians. A banda liderada pela cantora e compositora inglesa tinha Shelley e Cookson como colaboradores em seu disco de estreia, o experimental Hangahar (1980). Em 2012 saiu a coletânea The total Groovy, box de 4 CDs com todo o material do selo.

EU VENHO DE LONGE. Homosapien, primeiro hit de Shelley solo, foi gravado em 1981. Mas tinha sido feito por ele em 1974. A música passou por diversos estágios até estar pronta, o que era comum em se tratando de Shelley. “Acho difícil escrever letras, simplificá-las ao ponto de parecer que não há escrita lá. Então, emprego muito tempo e esforço rejeitando coisas”, disse ao The Quietus certa vez.

TEVE CLIPE. É o vídeo aí de cima, exibido nos primeiros anos da MTV. A música, no entanto, foi banida da BBC. As referências ao sexo gay e à fluidez de gênero (“não quero classificar você como um animal no zoo/mas parece bom para mim que você também é um homosapiens”) assustaram o canal.

TELEPHONE OPERATOR. O que mais se aproxima de um “segundo hit” de Shelley foi essa música. Saiu em seu terceiro LP solo, XL1 (1983). O clipe tá aí em cima. A última faixa do disco trazia, impressos em vinil, vários códigos de computador para usar a máquina ZX Spectrum, da Sinclair. Você dava um jeito de acoplar o toca-discos no computador (menor ideia de como essa operação era realizada) e saía esse vídeo aí.

POP. Olha Pete Shelley aí, todo pimpão, divulgando Waiting for love. Era um dos singles de seu quarto disco solo, Heaven and the sea, lançado pela Mercury em 1986. Stephen Hague, um dos reis das produções de new wave e tecnpoop, cuidou dos trabalhos. Por isso é que você provavelmente vai achar esse som parecido com Human League, New Order, Pet Shop Boys, OMD, etc.

REMIX. Teve versão techno de Homosapien (intitulada Homosapien II) lançada em 1989. A remixagem foi feita pelo coletivo Power, Wonder & Love.

DEVOTO DO PUNK. Shelley tocou com as Invisible Girls (banda do bardo punk John Cooper Clarke) e com vários outros músicos. Uma surpresa para os fãs foi a criação do grupo ShelleyDevoto, que unia os ex-colegas de Buzzcocks Pete Shelley e Howard Devoto. Buzzkunst, disco único dessa formação, saiu em 2002 pelo selo Cooking Vinyl. O disco resolvia as obsessões de ambos por experimentações eletrônicas e sonoridades esquisitas.

CHAMA A TURMA TODA. O último disco solo de Shelley foi Cinema music And wallpaper sounds, gravado em 1976 e perdido por vários anos. Era um disco experimental e eletrônico à maneira de Sky yen. Saiu em 2016. Onze anos antes, ele regravou o maior hit dos Buzzcocks, Ever fallen in love, acompanhado de Roger Daltrey, David Gilmour, Peter Hook, Elton John, Robert Plant e de bandas novas como The Datsuns. Era uma homenagem ao DJ John Peel, com renda revertida para a Anistia Internacional.