Connect with us

Destaque

Fazedora de Vídeos: um canal que ensina tudo sobre como fazer conteúdo para o YouTube

Published

on

Fazedora de Vídeos: um canal que ensina tudo sobre como fazer conteúdo para o YouTube

A jornalista Carolina Barros, 34 anos, transformou sua paixão em profissão – e em empreendimento. Quando criança, a paulista de Mogi das Cruzes gostava de brincar de rádio com a irmã. Depois passou a trabalhar com rádio e televisão e, hoje, orienta profissionais de vídeo com seu canal no YouTube, Fazedora de Vídeos. O canal da jornalista tem vídeos explicando o passo a passo para começar a gravar para o YouTube, para estruturar roteiros, para transmitir mais emoção através da voz, para fazer vendas pelo Instagram, além de outros tópicos.

Carol, que também dá workshops e mentorias ao vivo (“o canal foi criado para oferecer esses serviços”, conta, dando uma dica de monetização), ensina truques básicos para perder a timidez, para fazer roteiros, para editar (ou até se virar sem edição) e dá toques para quem não tem mais do que um celular para fazer as imagens.

Bati um papo com Carol (inicialmente para uma reportagem publicada no jornal O Dia) e ela me falou um pouco sobre como começou a trabalhar no Fazedora de Vídeos e sobre os primeiros passos para começar a se dar bem no YouTube. Entre uma resposta e outra, você acompanha alguns dos mais úteis vídeos dela.

POP FANTASMA: Como começou sua história com vídeos? Você chegou a trabalhar com TV na sua cidade, Mogi das Cruzes, não? Tinha estudado jornalismo antes?
CAROLINA BARROS (FAZEDORA DE VÍDEOS): Eu desde os nove anos queria ser comunicadora. Eu, minha mãe e minha irmã tínhamos comprado um rádio gravador de presente pro meu pai, e nesse rádio por acaso tinha um microfone. Quando descobri aquilo, fiquei maravilhada. Eu tinha nove anos, adorava tudo da Disney e inventei com minha irmã de fazer uma rádio – e a rádio se chamava Rádio Disney. Gravava tudo em fita cassete. A gente entrevistava meus pais, minhas tias, minhas primas, bolava quadros nos programas. Desde essa época percebi que queria trabalhar falando, me comunicando. Anos depois quando comecei a ganhar dinheiro como vendedora. Eu descobri que gostava de ser vendedora, adorava servir gente, servir pessoas, e isso vende. Então eu era sempre a primeira vendedora da loja. Trabalhei em loja de celular lá por 2001, 2002, eu tinha 18 anos.

Advertisement

Um dia, a loja em que eu trabalhava contratou um programa de TV regional. Era um daqueles programas de varejo, que vendem produtos de TV. Eu era a representante da loja que falava as ofertas dos celulares. A apresentadora me perguntava das vantagens. Aquilo foi fácil para mim, porque era só vender na TV o que eu já vendia para os meus clientes. Todo mundo vinha na loja falar comigo. Eu acabei fazendo sucesso e o dono do quadro em que eu aparecia quis montar um programa só para varejo, e queria dois apresentadores, um homem e uma mulher. E me convidou.

Nessa época eu trabalhava para a Renault e já queria muito trabalhar em TV. Era o meu grande objetivo, mas meu grande obstáculo eram minhas cicatrizes no rosto, que tive após um acidente (aos 13 anos, Carolina foi atropelada por uma kombi e o espelho do utilitário bateu em seu rosto, perto do olho direito). Eu achava que eu jamais seria capaz de trabalhar numa grande mídia por causa disso. Eu tinha 18 anos e ainda não tinha feito jornalismo. Achava que era impossível, porque eu nunca tinha visto ninguém com cicatrizes na TV, todas as mulheres que eu tinha ouvido falar fizeram plástica, tinham maquiagem de última geração. Era um bloqueio para mim. Eu achava que tinha que fazer plástica antes de ir para a faculdade. Mas fiz o programa e já tinha feito curso de locução no Senac, mais voltado para radialismo. Depois uma rádio AM de Mogi estava precisando de uma voz feminina e jovem e me chamou. O dono do programa não gostou muito dessa história e acabei nem ficando com rádio nem com TV. Fiquei desempregada, mas as coisas foram mudando. Eu mudei para São Paulo, casei, tive filho, me separei. E optei por nunca operar as cicatrizes.

Por sinal, você postou um vídeo mostrando essas cicatrizes e como passou a lidar com elas. Qual foi o efeito que o vídeo provocou em outros fazedores de vídeos? Eu estou até para fazer outro vídeo O resultado foi bastante impactante, mas não tanto para quem produz vídeo. Foi mais para as pessoas que têm questões pessoais. Muitas psicólogas disseram que põem nos grupos de pacientes, muitas alunas deram em workshops. O canal Diva Depressão comentou do vídeo, fiquei muito feliz. Foi impactante para a comunidade em geral.

Advertisement

E como surgiu especificamente o canal? Como você foi estudando e aprendendo os conteúdos que explica lá? Muitos conteúdos que eu postava lá, no começo, eu nem estudava muito. Tinha tudo aquilo nas minhas vivências como apresentadora, e eu ainda por cima treinava equipes de apresentadores, treinava pessoas para performar bem no vídeo. E eu sempre fui a entrevistadora das pessoas das lojas. Geralmente, essas pessoas morriam de vergonha e eu tinha que conduzir para que se sentissem confortáveis, ignorassem a câmera, pensassem que ela era o cliente. Eu conseguia fazer isso muito bem sempre, e todo mundo elogiava. Isso me deu um grande know how. Hoje, além de gravar e editar, eu ajudo as pessoas a performarem bem a a fazerem roteiro, que é um grande diferencial do meu público.

Para quem vê o Fazedora de Vídeos, fica claro o amor com que você faz os conteúdos. Na sua opinião, o que seus vídeos têm de mais especial para quem os assiste? Qual ingrediente você coloca a mais na receita? Bom, as pessoas veem isso porque eu não queria estar fazendo outra coisa que não fosse isso. Posso ser que eu quero ser, posso compartilhar todo o conhecimento que eu sempre quis, e com isso eu adquiro mais conhecimento ainda… Eu não sei qual é a receita, mas talvez seja muita leitura, muita pesquisa, muita empatia, ouvir das pessoas que me seguem, o que estão precisando. Um ingrediente da receita é me conectar com as pessoas, me relacionar com elas, ficar feliz com a transformação que eu causo na vida delas. E, claro, a grana que vem no fim do mês, porque eu ganho com isso (risos).

Advertisement

Um dos vídeos que você fez ensina as pessoas a perderem a timidez. Ela ainda atrapalha muitos futuros fazedores de vídeos? A timidez atrapalha muito os fazedores de vídeo. É um dos temas que eu mais abordo em sala de aula. Eu não sou psicóloga, não tenho aprofundamento psicológico para falar do assunto. Tento trabalhar essa vergonha, essa timidez porque a pessoa precisa definir qual o recado dela, com quem ela quer falar, e a sua motivação para se colocar em frente ao vídeo. Faço isso tudo com as pessoas na prática.

O excesso de autocrítica pode ser um obstáculo, então… Ele atrapalha muito, até atrapalha mais que o excesso de crítica alheia. As pessoas são muito perfeccionistas. Muitas pessoas demoram para se colocar em movimento, pensam que têm que ser mais conhecidas, ter mais equipamento. Se você é especialista em alguma coisa, se tem conteúdo para compartilhar, já pode ir para o vídeo.

Uma das dicas que você costuma dar no Fazedora de Vídeos é que não é preciso um equipamento fantástico para fazer um vídeo. Você pode usar uma câmera de celular, um pequeno tripé, a luz vinda de uma janela… No YouTube, mesmo com esse excesso de canais novos, essa onda de “influencers”, de gente que faz vídeos com uma baita produção, ainda é o conteúdo que manda? Sim, é que ele que manda. Apesar de muitos youtubers terem equipamentos incríveis, tem muitos vídeos que viralizam e não têm uma qualidade legal de câmera. Aliás, essa é a grande tendência: vídeos serem cada vez mais captador pelo celular, num formato mais caseiro, menos profissional. Isso até aproxima as pessoas, quem está do outro lado da tela. Sim, o conteúdo ainda é o rei.

Advertisement

Se um canal de vídeos tem baixa audiência, e o responsável pelo canal procura a Fazedora de Vídeos, qual a primeira recomendação? Eu falo sempre que é preciso persistir. O YouTube está mais competitivo do que nunca. Por outro lado, tem muita gente entrando para consumir o YouTube. A partir de agora é que a gente vai começar a ter mais espaço. É uma plataforma muito democrática. Eu vendo muito pelo Instagram. Se eu tivesse acesso a isso tudo há dez anos, eu estaria felicíssima, e agora que eu tenho, faço meu trabalho.

Foto: Divulgação

Advertisement

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

Advertisement

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.
Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.
Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.
Continue Reading
Advertisement

Trending