Capas de discos sempre foram um calcanhar de aquiles na vida dos Scorpions. A banda alemã detestou o monstrengo com pés de makita do segundo disco, Fly to the rainbow (1974), mas já não podia fazer nada. Já no quarto disco, Virgin killer (1975), o grupo resolveu mandar pro lay out um projeto (da gravadora, diga-se de passagem) que até hoje rende algumas dores de cabeça.

Steffan Böhle, gerente de produto da filial da RCA Records na Alemanha Ocidental, decidiu que seria uma excelente ideia colocar uma imagem de uma menina de 12 anos, nua, como a tal “virgem” do título. Uma imagem de vidro rachado, acrescentada depois, surgia bem no lugar onde apareceria a genitália da menina (que não foi exposta na imagem)

O disco saiu assim na Alemanha, nos Estados Unidos e em vários países do mundo (Brasil inclusive). Os Scorpions estavam saindo de vez do gueto krautrock (o primeiro disco da banda, Lonesome crow, de 1970, era nessa base e tinha produção de Conny Plank), estavam prestes a estourar nos Estados Unidos e a RCA queria usar a capa do álbum de qualquer jeito para fazer a banda virar assunto. Rudolf Schenker, guitarrista, chegou a lembrar de alguém da gravadora dizendo que a chefia da RCA poderia ir até para a cadeia, mas o grupo  iria estourar.

A capa de Virgin killer, por sinal, está um tanto quanto banida da internet. Você encontra o lay out original no Google e até no diretório de discos Discogs, mas já apareceu até na lista negra da Internet Watch Foundation. Um monte de sites e revistas já colocaram a imagem como uma das piores ou mais bizarras capas de discos de todos os tempos. A Wikipedia chegou a ser proibida de divulgar a imagem original. Naquela mesma época, já causou problemas: o disco acabou saindo coberto por um plástico preto. Com o tempo, a capa foi sendo substituída por uma foto em que apareciam os integrantes da banda naquela época (é a que aparece, em parte, na foto lá de cima).

A polêmica em torno da capa de Virgin killer acabou desviando a atenção para o fato de que, sim, se tratava do melhor disco da banda até então, e que as portas do mercado americano estariam abertas para os Scorpions – e, enfim, o disco vendeu bem, até por causa desse fala-fala. De qualquer jeito, volta e meia a banda é vista em algumas entrevistas manifestando certo arrependimento por não ter prestado muita atenção de que isso poderia dar merda. O vocalista Klaus Meine disse que “não é algo que realmente nos orgulhe, de jeito nenhum, mas era a nossa gravadora RCA. Eles colocaram a história na mesa, queriam ir para a controvérsia e tornar a banda famosa”.

Uli John Roth, que foi guitarrista do grupo naquela época, lembrou que a ideia do Virgin killer do título foi a de falar de um “demônio de nosso tempo, o lado menos compassivo das sociedades em que vivemos hoje – pisoteando brutalmente o coração e a alma da inocência”. Mas que, enfim, a gravadora levou a história a sério demais.

“Olhar para essa foto hoje me faz estremecer. Foi feito com o pior gosto possível. Naquela época, eu era muito imaturo para ver isso. Que vergonha para mim – eu deveria ter feito tudo ao meu alcance para detê-la”, conta Roth. O músico, por sinal, foi até para o extremo oposto e deu uma defendidinha em Tipper Gore, criadora do polêmico Parents Music Resource Center (PMRC). “Não posso culpar Tipper Gore por exibir a capa da TV como ofensiva. Ela estava completamente certa em fazê-lo e é uma boa pessoa de qualquer maneira, embora provavelmente não tenha se esforçado para conferir a letra, o que coloca uma inclinação diferente em tudo”.

Warning: A non-numeric value encountered in /home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/includes/wp_booster/td_block.php on line 326 Call Stack: 0.0001 397392 1. {main}() /home/popfantasma.com.br/public/index.php:0 0.0001 397680 2. require('/home/popfantasma.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/popfantasma.com.br/public/index.php:17 0.3347 10728824 3. require_once('/home/popfantasma.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/popfantasma.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3553 10820280 4. include('/home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/single_template_3.php') /home/popfantasma.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:78 0.5031 11376520 5. locate_template() /home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/single_template_3.php:52 0.5031 11376632 6. load_template() /home/popfantasma.com.br/public/wp-includes/template.php:671 0.5032 11377080 7. require_once('/home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/loop-single-3.php') /home/popfantasma.com.br/public/wp-includes/template.php:722 0.5286 11394432 8. td_module_single->related_posts() /home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/loop-single-3.php:35 0.5288 11396688 9. td_block_related_posts->render() /home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/includes/wp_booster/td_module_single_base.php:906 0.5986 11810264 10. td_block_related_posts->get_block_pagination() /home/popfantasma.com.br/public/wp-content/themes/Newspaper/includes/shortcodes/td_block_related_posts.php:45