Vou confessar um lance pra vocês: até domingo passado, eu andava bem desanimado com o futuro do pensamento progressista na internet. As redes sociais parecem ter sido feitas de encomenda para disseminar ideias reacionárias e retrógradas. O discurso do grupo político que venceu as últimas eleições presidenciais se amoldou perfeitamente à lógica (ou à falta de lógica) dos bate-bocas virtuais. A imprensa, uma das últimas retaguardas na defesa da democracia e do bom senso, está aturdida com as mudanças de paradigma. Não se vislumbra um meio de vencer a barragem de desinformação despejada na web e nos apps sociais — uma lição bem aprendida com a extrema-direita dos EUA.

Eu andava bem desanimado. Até domingo passado, dia 17 de maio de 2020. Foi quando eu li esta reportagem sobre como os sites de contra-informação e fake news da alt-right definharam com a perda de anunciantes, por obra de um perfil no Twitter. A tática é simples: em postagens públicas, o Sleeping Giants (https://twitter.com/slpng_giants) coloca grandes empresas em belas saias-justas, mostrando seus anúncios publicados em sites como o Breitbart, o The Daily Caller e o The Daily Stormer. Mais do que simplesmente publicar notícias inverídicas, esses sites fomentam o dissenso, a intolerância e o radicalismo entre seus leitores por meio de conteúdos inflamatórios, enviesados e partidarizados.

Como descrito na matéria do El Pais, alguns dos maiores anunciantes do mercado americano não gostaram nadinha de ver seus banners e pop-ups associados a esse tipo de conteúdo. Após o ler o texto, eu indaguei no Twitter:

Pois nem demorou muito. No dia seguinte, entrou no ar o perfil Sleeping Giants Brasil, com a seguinte descrição de propósito: “Visamos impedir que sites preconceituosos ou de Fake News monetizem através da publicidade. Muitas empresas não sabem que isso acontece, é hora de informá-las”. Em menos de uma semana, conquistou cerca de 130 mil seguidores.

O primeiro alvo da campanha nacional não poderia ser outro além do Jornal da Cidade Online, uma verdadeira cornucópia de material pró-bolsonarista e desinformação. O JCO teve destacado papel na difusão de notícias falsas durante a campanha eleitoral de 2018inventou colunistas de fachada para ofender e difamar figuras públicas que se opõem ao governo atual; seu criador, José Tolentino, foi um dos convocados a depor na CPMI das Fake News. Mais recentemente, a agência Aos Fatos revelou que o veículo compartilha a monetização de anúncios do Google AdSense com o site Verdade Sufocada, quartel-general dos apologistas da ditadura militar.

Além das fake news explícitas, o JCO mistura informação e opinião de forma indiscriminada, sempre em tom agressivo e pró-governista, com manchetes cuidadosamente pensadas para gerar indignação e viralização rápida. O Sleeping Giants Brasil metralhou forte, inquirindo via Twitter marcas como a Phillips, Americanas, Samsung, a rede Telecine, a Dell e a Folha de S.Paulo a respeito da veiculação de seus anúncios nas páginas do JCO. Publicidade estatal também entrou na roda: o Banco do Brasil e o Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso do Sul foram imprensados. Várias empresas responderam de bate-pronto, comunicando a suspensão imediata da monetização. Outras, no momento em que este texto está sendo digitado, ainda não haviam se manifestado.

Sleeping Giants Brasil: o gigante acordou (e pisou nas fake news)

E os caras acusaram o golpe. Carlos Bolsonaro, óbvio, foi o primeiro a se manifestar, com um tuíte reclamando da reação do Banco do Brasil à campanha do Sleeping Giants Brasil. (Ele postou um print que o mostra logado no perfil do pai na rede social. O tuíte já foi apagado). Fábio Wajngarten, titular da Secom, chamou o SGB de “veículo internacional de extrema-esquerda” e distribuiu afagos ao Jornal da Cidade (“faz um trabalho seríissimo”). Diversos outros luminares do reacismo online também acudiram, conclamando seus seguidores a boicotarem as marcas que retiraram seus anúncios. Alguns mais afoitos chegaram a dizer que a atitude das empresas era uma “censura” —mas creio tratar-se de gente que não possui um dicionário em casa para consultar o verdadeiro significado da palavra.

Mas irada mesmo foi a reação do próprio Jornal da Cidade. A home do site na quinta (21) trazia manchetes pateticamente falsas (“Empresas que apoiam censura perdem clientes de forma avassaladora”), editoriais com ofensas às marcas que pularam fora e incoerentes defesas da liberdade (não dá pra apoiar Bolsonaro e ser a favor da imprensa livre ao mesmo tempo, né). GALVÃÃÃÃÃO!

Enfim, em meio à pandemia, à incerteza, à tristeza com os rumos do país e com tudo o mais que está rolando, o Sleeping Giants Brasil afinal me deu um motivo para sorrir. E também para ter fé de que, um dia, a internet possa ser usada de modo eficaz para propagar ideias progressistas, e não apenas o ódio. Qualquer iniciativa que consiga tirar Steve Bannon do sério merece minha atenção e meu apoio.

Vamos acompanhar.

(publicado originalmente no Telhado de Vidro)