É possível que, em algum momento, os fãs do Clash sejam obrigados a reavaliar o último disco da banda, Cut the crap (1985). Certo?

Não, errado: Cut the crap é uma bosta mesmo. Se você acha exagerado que alguém espume de ódio e tenha vontade de dar socos na parede de raiva ao ouvir uma música, faça o seguinte: pesquise toda a obra do Clash, deixe Cut the crap para ouvir por último e dê uma escutada em Dictator, a primeira faixa.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Uma porrada de coisas que você já sabia sobre London calling, do Clash

As intenções de Joe Strummer (então único líder do grupo) podem ter sido as melhores possíveis ao criticar a política armamentista dos Estados Unidos nessa letra. Mas musicalmente, Dictator é uma gozolândia de confusão. E mostra bem o que viria nas próximas músicas. Isso porque Cut the crap tem mixagem medonha, guitarras horrorosas, melodias sem pé nem cabeça, batidas eletrônicas “modernas”, backing vocals no estilo “grito de torcida” (viraram moda no hardcore, mas ficou horrível no Clash). Claro, havia a originalidade das primeiras incursões de hip hop no punk, presentes no disco. Mas o disco é musicalmente troncho.

Cut the crap foi feito após a saída do co-líder Mick Jones, a entrada de novos músicos e a transformação do Clash em quinteto. Bernie Rhodes, produtor do Clash, fez todo o material ao lado de Strummer. Mas de fato, não era a melhor safra do músico. E o relacionamento com o produtor foi uma guerra de nervos.

Rhodes, que sequer sabia como se comunicar direito com os músicos, meteu vários sintetizadores no disco. Aliás, em quase todas as faixas, sequer há contribuições dos integrantes do Clash. O baixista Paul Simonon, que ainda era integrante da banda por aqueles tempos, aparece apenas em Do it now e mais poucas outras. O disco foi um fiasco e o projeto original de Strummer, de trazer de volta um Clash mais voltado às raízes punk, deu chabu.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Aquela vez em que os baixistas dos Stranglers e do Clash saíram na porrada

E a novidade é que um músico alemão chamado Gerald Manns, baixista e cantor da banda Mutant Proof, decidiu fazer um trabalho de total recriação de Cut the crap e recolocá-lo no YouTube. Como o disco foi todo gravado em Munique, Gerald ficava esperando que algum amigo técnico de som conseguisse gravações piratas do disco, com os músicos da banda tocando as canções. Mas nunca conseguiu nada.

Só que, no ano passado, ele encontrou dois softwares que separavam os vocais de arquivos de som. Decidiu suprimir os vocais de Strummer e dar uma bela limpeza no som de Cut the crap. Ouviu vários bootlegs da banda feitos na época, e copiou a bateria batida por batida. Em seguida, reproduziu tudo num software que conseguia fazer sons de bateria como se fossem originais.

O músico comprou também uma guitarra Les Paul para soar mais parecido com o Clash. Aliás, ele ainda precisou regravar vários backing vocais. Isso porque o tal software que Gerald arrumou fez com que os tais “cânticos de torcida” gravados originalmente por Strummer ficaram com som totalmente zoado após a limpeza digital.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Aquela vez que Bob Dylan gravou com músicos do Sex Pistols e do Clash

“Especialmente em vários grupos do Facebook há muito ódio em relação à última formação do Clash”, escreveu Gerald. “Para mim, esse é o Cut the crap que eu esperava quando foi lançado em 1985. Sinta-se à vontade para espalhar essas gravações onde quiser, talvez dê uma luz melhor na última formação. Divirta-se!”.

Tá ai a playlist do disco.

Via Pedro Serra

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here