O cantor britânico Dave Walker, 76 anos, está desde 2020 integrando uma versão renovada do Humble Pie, aquela banda que revelou talentos como o de Peter Frampton. Também já esteve à frente de bandas como Fleetwood Mac, Savoy Brown e Idle Race. Mas até o fim da vida, ele vai ser perguntado o tempo todo por seu período extremamente breve à frente do… Black Sabbath.

Dave chegou a ser cantor da banda pelo período econômico de cinco meses (!), numa época em que as doideiras internas e o estilo avacalhado de gestão do grupo tiraram Ozzy Osbourne – cada vez mais alucinado – do vocal do Sabbath. Antes, Walker havia tido passagens curtas por diversas bandas. No caso do Fleetwood, foi tirado antes do disco Mystery to me (1973) porque os integrantes havia chegado à conclusão tardia de que Walker, apesar de ter mandado bem no disco Penguin (1973, uma das vendagens mais expressivas do grupo nessa fase), não combinava com o estilo do Fleetwood. Pouco antes de entrar pro Sabbath, esteve nos vocais do pouco conhecido Mistress, que não foi para a frente.

No Sabbath, Walker não teve tempo de fazer muita coisa. Ele começou a trabalhar nas letras do que seria Never say die, oitavo disco do grupo, lançado em 1978. Chegou a se apresentar com a banda no programa da BBC Midlands Look! Hear!, cantando a letra que havia escrito para Junior’s eyes,  uma das faixas que sairiam no disco. Quem viu a tal apresentação, viu – as imagens de Walker à frente do Sabbath nunca foram parar no YouTube. Tem um áudio lá. Eles também tocaram uma versão de War pigs nessa data.

A passagem de Dave Walker pela banda foi tão breve que o músico não deixou muita coisa para trás. Ozzy, ao voltar, recusou-se a cantar qualquer material feito durante sua ausência, e mudou a letra de Junior’s eyes – que passou a falar da morte do seu pai. Tony Iommi, guitarrista do Sabbath, confirmou em algumas entrevistas que o material de Never say die foi todo escrito para Walker, mas que tudo mudou quando Ozzy retornou à banda.

“Dois dias antes de finalmente estarmos prontos para gravar novamente, Ozzy decidiu voltar. E ele não cantaria nenhuma música que fizemos sem ele! Bill (Ward, baterista) teve que cantar em uma música (Swinging the chain) porque Ozzy se recusava”, afirmou à Guitar Player em 1992. À Ultimate Classic Rock, Iommi disse que “Ozzy não estava em condições e acho que ele perdeu o interesse. Havia mais drogas e mais bebidas – para todos, não era só Ozzy, mas Ozzy foi o mais impactado”, afirmou. Também disse que nunca pensou em resgatar o material da BBC porque “não seria justo com Ozzy”, e que não há mais nada gravado com Walker. “Fizemos uma apresentação em um programa e apenas alguns ensaios. Foi apenas isso. Então, Ozzy retornou”, contou.

Já Dave Walker falou sobre o assunto em algumas entrevistas. Em 2008 chegou a afirmar que já conhecia Iommi de Birmingham, terra natal da banda, e que conseguiu a vaga de cantor no Savoy Brown por causa de uma ajuda do guitarrista. Diz que não sabia nem que Geezer Butler, o baixista, era o principal letrista da banda, e que ele estava sendo o único a fazer as letras. Sua saída da banda, segundo Walker, deu-se de maneira bem pouco respeitosa: foi ensaiar, pegou a banda indo a um pub para uma reunião, esperou pela volta deles e… “Quando voltaram, Bill Ward falou pela banda e disse: ‘Ainda estamos aqui e você não’. Foi isso”, contou. “Nem sei se usaram linhas vocais minhas, nunca ouvi o disco”, contou.

Se você nunca ouviu, Never say die é esse disco aí, tido como “confuso” por muita gente.

Mais Black Sabbath no POP FANTASMA aqui.