Em 1966, quando a EMI estava fabricando Revolver, disco absolutamente revolucionário dos Beatles, deu merda: George Martin ligou para os estúdios da gravadora pedindo para a empresa parar as máquinas e interromper a prensagem do disco. A empresa obedeceu imediatamente.

Claro que para conseguir um intento desses, o produtor tem que ser alguém MUITO poderoso. Mas era o caso de George, que havia levantado o selo Parlophone e ainda era o produtor da menina dos olhos da gravadora. O problema todo estava numa mixagem “alternativa” de Tomorrow never knows que os técnicos haviam feito. A banda havia feito vários mixes monofônicos da faixa (a primeira a ser gravada para o disco) e considerou por uns instantes o remix 8 como o melhor.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando a BBC proibiu “A day in the life”, dos Beatles

Só que no dia seguinte, fizeram mais três mixagens mono e se decidiram pela versão 11 – que virou o “novo melhor” mix da faixa e foi marcada para inclusão no disco. Isso possivelmente provocou confusão na cabeça do técnico de som, que fez o primeiro corte mono do disco e mandou para a fábrica.

Quem comprou Revolver mono no dia em que chegou nas lojas da Inglaterra (com a inscrição XEX 606-1 pertinho do selo do vinil), tem uma grande chance de ter esse remix “diferente” em casa, com alguns segundos a mais de música, e os vocais de John Lennon sem efeitos de caixa Leslie nos dois primeiros versos.

O disco com esse mix é raro, saiu em outros países (Venezuela entre eles, comentam alguns compradores) e custa mais de três mil reais em alguns lugares (é o preço que dois vendedores do Discogs estão pedindo).

>>> Veja também no POP FANTASMA: Vai um latão aí? E fitinha dos Beatles?

O canal Parlogram Auctions, que trabalha basicamente com raridades e informações sobre discos dos Beatles, explica um pouco (em inglês, com legendas) qual é a dessa edição rara do Revolver, como ela foi feita, como ela apareceu na história da banda e ainda faz uma comparação entre os dois mixes. Bom, quase faz a tal comparação, já que não dá para mostrar o áudio das duas músicas. E, ainda por cima, os arquivos com o tal mix alternativo que havia no YouTube foi derrubado. Divirta-se até onde for possível (até porque o canal é ótimo).

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here