Em 2009, durante a primeira leva de listas de “Melhores da Década” da nova era das redes sociais, discussões acaloradas pipocaram no Orkut (RIP) sobre a época certa para a publicação dessas listas — a década, afinal, acabaria em 2009 ou em 2010? As principais revistas e sites de cultura pop do planeta publicaram suas listas considerando a década de 2000 a 2009; outros blogs isolados consideraram de 2001 a 2010; já a Folha de S. Paulo optou por inovar no assunto “décadas”, decretando que a década teria durado 11 anos, de 2000 a 2010.

Dez anos depois voltamos à mesma pauta: a década de 10 acaba agora em dezembro de 2019, ou só daqui a um ano, em dezembro de 2020? Faz sentido publicar agora as listas de Melhores da Década, ou devemos esperar mais um ano?

2010–2019?

Os que defendem que a década acaba agora em 2019 se baseiam na convenção cultural de que a década inclui os anos que levam a própria década no nome — os anos 60 vão de 1960 a 1969, os anos 80 de 1980 a 1989 etc. É a lógica que os principais veículos culturais pelo mundo adotam, os quais inclusive já estão publicando suas listas de Melhores da Década. Essas listas consideram os discos, filmes e séries lançados de janeiro de 2010 a dezembro (na verdade novembro, bando de fominhas) de 2019.

Ou 2011–2020?

Já os que defendem que a década só acaba em dezembro de 2020 se baseiam no fato de não ter existido o ano 0, puxando pela memória a regrinha que aprendemos na escola para calcular séculos — pega-se o ano (ex: 1985), tiram-se os dois últimos dígitos (19xx ) e soma-se +1 (19+1 = século XX). A não ser que o ano acabe em 00 — o ano de 2000 por exemplo não se soma 1, ainda é século XX. Essa exceção do 00 é o ajuste necessário por conta da inexistência do ano 0 e a contagem de anos se iniciar no ano 1. Ou seja, para os anos 00 precisamos sempre acochambrar a conta. Daí que, ora, se o século começou em 2001, logicamente a década também começou em 2001, portanto a década de 20 só começa em 2021.

Sim, só que não

De fato, não existiu ano 0. De fato o cálculo de séculos parte do princípio de não ter existido ano 0 para se calcular o atual. Essa regra vale perfeitamente para séculos porque contamos séculos de forma sequencial — estamos no século XXI porque este é literalmente o vigésimo-primeiro século desde o ano 1.

Mas essa regra não vale para décadas. Por uma questão simples — não se conta décadas de forma sequencial começando pelo ano 1.

Os Grandes Hits dos 202’s

Se contássemos décadas de forma sequencial, consideraríamos, por exemplo, que 1985 seria parte da década 199 (faça a conta — 1985, tire um dígito, some 1, 198+1 = 199). 1990 seria no final da década 199 (0 no final não soma 1), e 1991 marcaria o início da década 200. 2019, então, seria parte da década 202, que duraria até 2020, quando em 2021 começaríamos a década 203.

Só que ninguém diz “década 202”. Não contamos década dessa forma sequencial. Décadas são só uma convenção cultural de um período de dez anos — quaisquer dez anos — , não uma contagem sequencial. Chamamos “década de 80”, “anos 90” ou “década de 10” para os anos que literalmente têm 80, 90 ou 10 no próprio nome.

Adeus Década Velha

A década de 10 (ou “anos 10”) se encerra, portanto, em dezembro de 2019, e a década de 20 (ou “anos 20”) se inicia em janeiro de 2020. Listas de Melhores Discos, Músicas, Filmes, Séries, Livros ou Podcasts da Década, podem publicar que a hora é agora.

E até 2029!

Publicado originalmente no Medium

Veja também no POP FANTASMA:
The Fall: uma janela aberta para Stooges, Monks e krautrock
– 15 clássicos punk-new wave do rock progressivo
Krautrocksampler: o Top 50 do Julian Cope
O Branco E O Índio: art-rock-pop-experimental carioca