Lançado há quarenta anos e uns quebrados (saiu em 14 de março de 1979), o filme Hair, de Milos Forman, fez sucesso mundial. Só não balançou muito os corações dos criadores do musical, George Ragni e James Rado, que acharam que os objetivos do texto original ficaram todos dispersos no filme – tanto que Rado, durante um bom tempo, encarregou-se ele mesmo de supervisionar todas as versões que saíam de Hair, para verificar se tudo estava nos conformes.

Seja como for, o filme mostrou cenas inesquecíveis, reacendeu o (vá lá) interesse pelo movimento hippie dois anos após o levante punk (no Brasil, que passou batido pelos alfinetes e três acordes, não foi preciso nem muito esforço para isso) e revelou uma estrela. Era um ator americano chamado Treat Williams, que vinha de papeis secundários em filmes e séries, e conseguiu abiscoitar o papel principal do filme, o do garotão rebelde George Berger. Williams ficou famosão durante um bom tempo e, graças ao sucesso de Hair, apareceu até em revista de homem pelado (a Playgirl de fevereiro de 1980, para a qual só concedeu uma entrevista).

Treat hoje está com 67 anos e continua trabalhando. Nesse ano fez até uma comédia chamada Drunk parents, com Alec Baldwin e Salma Hayek.

E por algum motivo, a marca de tênis Montreal – cujos anúncios eram quase exclusivos do SBT nos anos 1980 – achou que seria super cool, bacana e descolado dar uma parodiada, num comercial, numa das cenas protagonizadas por Treat em Hair. É aquela cena do jantar chique cheio de caretas, que Berger invade, cantando I got life.

Olha o original aí.

Não faço a mínima ideia se a marca de tênis Montreal existe ainda. Seja lá como for, foi uma marca importantíssima numa época em que a roupa feita para jovens começava a a fazer mais sucesso (o slogan era “porque eu sou jovem”, ou “porque você é jovem”, dependendo de quem falava), ainda que muitas vezes os calçados lembrassem um sapatênis menos mauriçola.