Bem antes de se tornar um diretor de cinema famoso por causa de filmes como Superman e Goonies, Richard Donner (morto há poucos dias, você deve saber) era um ex-diretor de séries de TV e de filmes publicitários que tentava carreira no cinema.

A primeira tentativa de se lançar como diretor não deu muito certo. X-15, de 1961, seu primeiro filme, tinha Charles Bronson e Mary Tyler Moore no elenco. E contava uma história de ficção envolvendo causos da construção da aeronave americana X-15, movida a foguete. Mas apesar dos cuidados de Donner, que usou até imagens originais da NASA, e da boa recepção da crítica, não ficou muito tempo nas telonas.

Sete anos depois, Richard Donner dirigiu a comédia Salt & pepper (Uma dupla em ponto de bala, no Brasil). Mas esse filme já conseguiu um resultado melhor e tinha Peter Lawford e Sammy Davis Jr nos papéis principais.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Candy: quando Marlon Brando interpretou um guru hippie safadinho

O terceiro filme de Donner, Twinky, mostrava (vamos dizer assim) que o futuro diretor de Superman estava realmente disposto a observar as tendências dos malucões anos 1960. Lançado em 1969, o filme era a contribuição do diretor para o debate sobre liberdade sexual. E sobre loucuras relacionais da era hippie e da swinging London.

Twinky: o filme polêmico de Richard Donner

No tal filme, Scott (Charles Bronson) era um escritor de livros pornográficos de 38 que se apaixonava por uma jovem de quase 16 anos, Twinky (Susan George). Os dois personagens, contrariando tudo, acabam se casando. Para o horror de familiares e amigos de ambas as partes, diga-se. Mas a diferença de idade acaba falando mais alto e nem tudo dá certo.

Aliás, alguém subiu o filme inteiro no YouTube. Pega aí.

Donner considerava seu próprio filme uma “comédia romântica boba e maravilhosa”. Mas a equipe de produção já não concordava tanto assim. Tanto que se você procurar o filme por aí, ele é mais conhecido pelo nome de Lola. Isso porque o filme foi vendido para a AIP, ganhou cenas a mais para investir na história do coroa amoral que fica com a Lolita ingênua, e teve seu nome mudado. Aliás, isso acontecia bastante na época.

>>> Veja também no POP FANTASMA: There’s always vanilla: a comédia romântica (!) de George A. Romero

Depois de um tempinho, Twinky ainda foi reembalado de novo como London affair. Como Donner se sentia a respeito dessas mudanças? “Que merda”, resmungou nessa entrevista aqui.

Na época de Twinky, a diferença de idade de Bronson e Susan era BEM maior que a dos personagens do filme. O ator tinha 47 anos e já vinha de várias outras experiências – tinha sido até protagonista de uma série de TV, Man with a camera, que narrava o dia a dia de um detetive fotógrafo. Susan tinha 19 e vinha de vários filmes jovens, alguns deles bem “artísticos” e controversos, como Up the junction, sobre uma garota inglesa que foge do dia a dia privilegiado e junta-se a uma turma da classe trabalhadora.

Bom, depois disso, Donner demoraria alguns anos para fazer outro filme, e acertou de cara com A profecia, um dos filmes mais vistos e mais bem-sucedidos de 1976. Depois viria Superman. O resto é história. R.I.P. Richard Donner.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here