O nascimento do Old Skull foi noticiado no Brasil em um textinho mínimo pela Bizz em 1989, avisando que existia uma banda punk formada por crianças de dez anos e que, em seu primeiro disco, falava de “Aids, de hot-dogs e de crianças abandonadas”.

Inicialmente formado pelos irmãos Jean-Paul “JP” Toulon (voz, guitarra) e James “Spike” Toulon (voz, baixo, guitarra, teclados) e pelo agregado Jesse Collins-Davies (bateria), o Old Skull lançou o álbum Get outta school naquele ano e, digamos, era uma novidadezinha que chamava a atenção. Ainda que todo mundo concordasse que o material não parecia ter sido composto por garotos daquela idade.

Olha a capa do disco aí.

Old Skull: punk para crianças nos anos 1980

É possível achar o primeiro disco dos garotos inteirinho no YouTube. As músicas realmente PARECEM estar sendo tocadas por garotos de dez anos. E o som lembra uma espécie de crossover entre punk e heavy metal, só que bem mais desafinado e perturbador, com três meninos berrando como se estivesse possuídos. O site Dead Punk Stars faz graça dizendo que a banda “é a resposta punk hardcore às Shaggs”. De certa forma, é mesmo. Ah, o trio é de Madison, Wisconsin.

Os moleques do Old Skull não se envolveram com punk e hardcore à toa. O pai dos garotos, Vern Toulon, tocou num projeto punk-experimental chamado Missing Foundation, com origens na Alemanha. Vern morava em Nova York na época em que o MF mudou-se para lá, e ingressou na formação. O padrasto do baterista, Robin Davies, tocou baixo na banda de noise-funk Tar Babies.

Vern treinou os garotos e dividiu a produção de Get outta school com Robin e com Steven Marker, que anos depois seria guitarrista do Garbage. O álbum saiu por uma gravadora especializadíssima em punk, a Restless, que lançava bandas como Agent Orange. Parecia que ia dar certo: o Old Skull conseguiu até abrir shows de bandas que estavam se dando muito bem, como Sonic Youth e Flaming Lips. E fez turnês extensas. Aliás, extensas até demais para garotos em idade escolar.

A MTV também não deixou por menos. Levou os moleques do Old Skull para uma sorveteria e bateu um papo com eles. E ensanduichou os garotos numa matéria sobre punk, que ainda trazia entrevistas com The Damned e Gwar. Confira o trio a partir de 3:40.

“Teve clipe deles?”. Teve. Pega aí o da sinistraça Homeless, que abria o disco.

A história do Old Skull não é das mais alegres, então vamos começar pelo fim: os dois irmãos Toulon não estão mais vivos. Aliás, a família inteira morreu.

Os pais dos garotos haviam se separado no fim dos anos 1980, o que provocou um baque na família. Nos anos 1990, a mãe dos dois irmãos, já divorciada, morreu num acidente de trem. Vern Toulon morreu aos 46 anos, em 2001, após morar nas ruas e recorrer à mendicância.

Vern chegou a aparecer, por acaso, como um dos entrevistados do documentário Streets without cars, de 2001, sobre as zonas de pedestres no Wisconsin. Na ocasião, Vern foi apresentado como “pedinte”. Ele aparece no vídeo abaixo lá pelos 19:46.

Bem após o Old Skull, JP Toulon tocou numa banda chamada Planned Collapse e viveu em squats. Acabou morrendo em 13 de novembro de 2010, após anos de abuso de drogas. Jamie (por sinal nascido num 13 de novembro) se enforcou sete meses após a morte do irmão. Ambos deixaram filhos pequenos – JP tinha um garoto chamado Aiden, Jamie era pai de uma menina chamada Adelaide.

Jamie vinha trabalhando bastante após o fim do Old Skull. Tocou em bandas como Doomsday Cauldron, Apex e até num supergrupo punk lançado pelo selo Alternative Tentacles, Star Fucking Hipsters. Chegou também a tocar com JP no Planned Collapse. Nos últimos anos vivia nas ruas e era viciado em drogas pesadas. Em 26 de agosto de 2010 viveu uma situação parecida com a que seu pai vivera nove anos antes. Foi entrevistado por acaso no rádio por Clay Pigeon, um DJ da WFMU, e falou sobre sua condição de morador de rua. Esse papo está no YouTube.

O Old Skull, por sinal, não parou no primeiro disco. Rolou só uma mudança básica porque o baterista começou a ter problemas na escola, e foi sacado do trio. JP virou baterista, Jamie concentrou-se no baixo e a dupla ganhou a companhia de mais dois irmãos, Chris (vocal) e Josh Scott (guitarra). É a formação da foto abaixo, usada na divulgação do selo Restless.

Old Skull: punk para crianças nos anos 1980

CIA drug fest, o segundo disco, saiu em 1992 sem repercussão nenhuma, mas rendeu até uma turnê no Japão. A banda terminou logo depois. O Old Skull reuniu-se com outra formação em 2005 e chegou a tocar no CBGB. Esse show foi a última atividade dos dois irmãos antes de ambos morrerem.

O único vídeo ao vivo do grupo que tem no YouTube é dos anos 1990, com o grupo tocando num festival de heavy metal em Milwaukee.

E tem outro clipe, de Pizza man, também do disco de 1992.

Infos de Dead Rocks Stars, Dennis Cooper Blog e Dangerous Minds.