O Kingdom Come, banda alemã de hard rock de relativa projeção nos anos 1980, era bem menos derivativo do Led Zeppelin do que o Greta Van Fleet. Apesar disso, provocou indignação em fãs do Led quando saiu o primeiro disco, em 1988. E também deixou Jimmy Page, guitarrista da banda britânica, meio puto da vida.

Aos trancos e barrancos – e apesar das modas e mudanças de formação – o KC existe até hoje. Inclusive, estão fazendo turnê comemorativa de 30 anos. Olha aí um trecho de show.

A bronca dos fãs, dos críticos e de Page surgiu por causa desse hitzinho do Kingdom Come aqui, Get it on. E, de fato, esses riffs e esse vocal são indelicadamente chupados de Black dog, do Led.

Kingdom Come, o primeiro disco do grupo, deu disco de ouro para Lenny Wolf (voz), Danny Stag (guitarra), Rick Steeler (guitarra e teclados), Johnny B. Frank (baixo) e James Kottak (bateria) no dia em que foi lançado. O único problema aconteceu quando a imprensa começou a procurar os garotos para comentar a respeito da tal semelhança de Get it on com o som do Led. Nesse papinho de meia hora com a revista Rockin’ on, em 1989, um assessor é flagrado dizendo que a banda já estava de saco cheio de responder sobre isso.

Piorou um pouco quando Jimmy Page leu o guitarrista Jimmy Slag afirmando que “nunca tinha ouvido Led Zeppelin na vida”. “Um guitarrista de rock que nunca ouviu nenhuma música do Led Zeppelin, isso é incrível. Vai ver, eu o visitei como um vampiro e deixei minha marca, fisicamente”, respondeu o músico numa entrevista à revista Musician, em junho de 1988.

De certa forma, é injusto dizer que o Kingdom Come era uma mera cópia do Led Zeppelin. Isso porque, a bem da verdade, a banda era bastante parecida com quase todos os grupos da onda hard rock dos anos 1980. O som era dominado por aquelas típicas batidinhas quase marciais e aqueles sintetizadores um tanto cafonas. E, além de Get it on, só 17, no primeiro disco, lembrava o Led.

Depois de Kingdom Come, o primeiro disco, o Kingdom Come passou por várias mudanças. Uma delas bem drástica: pouco antes de começar a turnê do segundo disco, In your face (1989), o grupo se separou. Um tempo depois, o vocalista Lenny Wolf decidiu seguir com o nome e remontou a banda com convidados. Em 1991 saiu o terceiro disco, Hands of time. Should I, uma das músicas do álbum, volta a mexer no espólio do Led Zeppelin.

Dar bronca nos jornalistas que perguntavam sobre o Led Zeppelin nunca surtiu muito efeito. Mesmo 30 anos depois, volta e meia alguém pergunta sobre o assunto para o Kingdom Come. Inclusive, em 2013, no site Powerline, Wolf garantiu que as comparações com o Led foram uma bênção no início, e depois viraram uma “maldição”. Também disse que o grupo tinha influências de Beatles, AC/DC e outras bandas. Aliás, parecido com o que o próprio Greta Van Fleet faz hoje.

Epa, o Kingdom Come não apenas ainda existe como também lançou um EP de Natal no fim de 2018. Ouve aí e conta para a gente se alguma música lembra o Led.