O cantor Jorge Vercillo e o rapper Kendrick Lamar têm algo em comum. E não é apenas o fato de gostarem de posar tendo muros bacanas como cenário, como nas fotos acima. A história que une os dois popstars é que ambos avistaram OVNIs ou coisas parecidas. Lamar deu uma entrevista ao show Sirius XM, de Howard Stern, falando que “viu um disco voador quando tinha seis anos mas que ninguém acreditou em mim, e ninguém acredita em mim agora”. Vercillo esteve no Programa do Porchat, apresentado por Fábio Porchat na Record TV, e disse que não só ele como sua família e amigos têm visto “bolas de luzes frequentemente na minha casa”.

Vercillo esclarece que não usa nenhum tipo de alucinógeno. Diz também que nunca viu um disco voador, mas que as bolas duram “segundos. A primeira foi de madrugada. Eu estava na varanda, olhando e vi uma bola dourada passando. Ela passa para outra casa e some. Já gostava de ufologia e fiquei doido, achando que era uma sonda extraterrestre”, conta, afirmando que a história aconteceu outras vezes.

“Na noite seguinte, nosso grupo de amigos falava sobre o assunto e apareceu a bola no meio do campo. Ela vem, começa a andar, desce e some. É uma matéria, existem pessoas que falam que é uma sonda extraterrestre, outras que é um relâmpago (…) Não fumo, não bebo, não uso droga. A coisa mais louca que existe é a realidade. A gente está numa bola de pedra que abriga milhares de vidas. Então isso é muito maior que tomar ácido”, disse.

Kendrick, por sua vez, viu o que classifica como “um dardo passando”. Ao ouvir do co-host de Stern, Robin Quivers, a pergunta sobre se ele tinha sido sequestrado pelos ETs, disse que “provavelmente sim. É provavelmente por isso que estou fazendo música agora. Quem sabe. Eles provavelmente me deram energia”, brincou.

Aliás, não é a primeira vez que Lamar fala do assunto. Em 2014, ele já havia detalhado a história para a Fact Magazine. “Estávamos em Compton, estávamos na nossa pequena varanda na escada. Minha mãe estava sentada, bebendo o seu champanhe ou vinho, nunca vou esquecer. E foi apenas um dardo, um flash – apenas ch-ch-ch-ch, não o flash como se fosse uma estrela cadente, porque vários flashes estavam no céu. Nunca esquecerei isso, e esse foi o meu encontro. Até o dia de hoje, sei que há algo mais por aí”.