Connect with us

Lançamentos

Luiza Lian: psicodelia e transcendência em clipe de “Viajante”

Published

on

Luiza Lian: psicodelia e transcendência em clipe de "Viajante"

O quarto disco da cantora e compositora Luiza Lian, 7 estrelas/Quem arrancou o céu? , já foi assunto aqui no Pop Fantasma. Uma das faixas do álbum, Viajante, acaba de ganhar clipe, dirigido por Camila Maluhy, que assina seu quinto trabalho com a cantora.

Tanto a faixa quanto o clipe são carregados de introspecção e transcendência, e também de psicodelia. “Luiza se revela como um ‘viajante solitário das galáxias internas’, cuja jornada para fora é, paradoxalmente, uma exploração mais profunda de seu próprio ser: ‘a cada passo que eu dou para fora, eu entro'”, diz o texto de lançamento do vídeo.

Viajante é o segundo clipe do álbum. Antes havia saído um curta musical com as faixas Forca e Cobras na sua mesa. 7 estrelas/Quem arrancou o céu? é o quarto álbum da cantora, compositora e artista visual paulistana Luiza Lian. O álbum é produzido por ela com Charles Tixier e sai pelos selos Risco (Brasil) e ZZK Records (fora do país). As músicas foram feitas antes da pandemia, em 2019, e toda a elaboração foi lenta, com Luiza e Charles respeitando o tempo um do outro, e o tempo do trabalho.

“O foco do disco é discutir esse lugar do que é a internet, do que é o fake, dessa hiper-realidade, dessa transformação dos nossos afetos a partir da virtualidade”, explicou Luiza à Folha de S. Paulo, dizendo também que existe uma grande influência da estética de videogames e animes nas faixas (Foto: Hudson Rodrigues/Divulgação).

Crítica

Ouvimos: Trevor Horn, “Echoes – Ancient & modern”

Published

on

Trevor Horn convida Seal para reler "Steppin' out", de Joe Jackson (e grava disco com convidados)
  • Echoes – Ancient & modern é o novo disco do produtor e músico inglês Trevor Horn, que fez parte dos Buggles (é um dos três autores do hit Video killed the radio star, por sinal) e foi vocalista do Yes no disco Drama (1980). Também produziu o disco 90125 (1983), da banda progressiva, e convenceu o grupo a gravar o hit Owner of a lonely heart.
  • O disco traz vários hits e clássicos do pop e do rock com cantores convidados. Três das faixas, Owner of a lonely heart (do Yes, com Rick Astley), Slave to the rhythm (de Grace Jones, com Lady Blackbird) e Relax (do Frankie Goes To Hollywood, com Toyah Wilcox e Robert Fripp) foram originalmente produzidas por ele.

O disco novo de Trevor Horn traz seus cantores preferidos regravando clássicos do pop e do rock. E é (perdão pelo clichê) uma caixinha de surpresas. Nem sempre são surpresas realmente excelentes. Cá entre nós, Iggy Pop não acrescenta muita coisa a Personal Jesus, do Depeche Mode. O mundo não precisava exatamente de White wedding, de Billy Idol, nas vozes de Andrea Corr (The Corrs) e do produtor e cantor irlandês Jack Lukeman. Aliás, este último solta a voz numa versão Disneyworld de Smells like teen spirit (Nirvana) cuja necessidade não ficou clara para mim até o momento.

O que vale ouvir do disco são as releituras que soam inusitadas, mas que não batem no ruim e velho “passou do ponto”. Claro que Tori Amos relendo Swimming pools (Drank), de Kendrick Lamar, ficou inacreditável. Evidente que você vai ouvir um trilhão de vezes Seal deixando Steppin’ out (Joe Jackson) mil vezes mais bela, com arranjo jazzístico. Owner of a lonely heart, do Yes, virou synth pop anos 1980 com Rick Astley nos vocais. Por sinal, a versão de Horn traz o sampling do sampling – a virada de bateria do original, que já era sampleada de Kool is back, do Funk Inc, reaparece antes do refrão.

Relax (Frankie Goes to Hollywood), com o casal Toyah Wilcox e Robert Fripp, ficou bonita e simpática – idem com Marc Almond interpretando Love is a battlefield, de Pat Benatar.. E prepare-se para ouvir no repeat a voz cheia de personalidade de Steve Hogarth (cantor do Marillion) em Drive, do The Cars. Além do próprio Horn, nos vocais, transformando Avalon, do Roxy Music, em trilha de filme imaginário.

Nota: 7,5
Gravadora: Deutsche Grammophon

Foto: Reprodução da capa do álbum

Continue Reading

Lançamentos

Tess: projeto de Daniel Tessler lança clipe de “Eu ando pra frente”, com feat de Nasi (Ira!)

Published

on

Tess: projeto de Daniel Tessler lança clipe de "Eu ando pra frente", com feat de Nasi (Ira!)

Criado pelo cantor, compositor e músico Daniel Tessler, o Tess lançou recentemente um EP com quatro faixas, intitulado simplesmente Mod. E dessa vez sai o clipe de uma das faixas, Eu ando pra frente, que tem participação de Nasi, vocalista do Ira!, interpretando um diretor rabugento. O clipe foi dirigido por André Fancio e filmado em São Paulo.

“O clipe traz várias facetas de mim mesmo com um toque marcante de humor. Realizar este trabalho foi uma experiência incrível. Os figurinos são peças do meu dia a dia, os instrumentos são os mesmos usados em gravações e shows. E a participação do meu grande amigo Nasi torna tudo ainda mais especial. Ele sempre foi uma referência para mim, e sua presença é o maior selo de aprovação que eu poderia desejar”, conta Daniel, que compôs todas as quatro faixas do EP, além de cantar, tocar guitarra e baixo.

“O EP celebra o espírito vibrante deste movimento que tanto me inspira ao longo dos anos. As canções enaltecem o legado de bandas como The Who e The Kinks, com estruturas simples e concisas. O objetivo é transmitir urgência, portanto, não há mudanças bruscas de andamento ou arranjos complexos. É rock and roll puro, intenso e barulhento”, diz Daniel, gaúcho radicado em SP, que já participou de bandas como Os Efervescentes e até trabalhou como ator.

“Daniel Tessler é um artista talentoso que representa as qualidades de alguns dos grandes guitarristas do cenário Mod que eu admiro. Suas músicas capturam essa essência de maneira perfeita”, comenta Nasi.

Foto: Trecho do clipe.

Continue Reading

Lançamentos

Emily Frembgen: lembranças do isolamento no single “Fentanyl”

Published

on

Emily Frembgen: lembranças do isolamento no single "Fentanyl"

Remédio para dor, que pode ser usado como anestésico, o fentanil serve de inspiração para a cantora novaiorquina Emily Frembgen, que acaba de assinar com a Don Giovanni Records e soltou um single chamado Fentanyl. A letra abre com a frase “dois anos sem fazer nada deixa todo mundo louco”. É, claro, uma bela duma referência à covid-19 e ao isolamento da pandemia. O blog If Its Too Loud observa que “Frembgen captura a sensação bizarra daquele período, juntamente com o quão bizarro o mundo ainda parece”.

Um comunicado no site da gravadora explica que a canção surgiu após um bloqueio criativo de Emily, e que a música fala “sobre o tipo de alienação que às vezes pode deixar uma pessoa imóvel e automedicada, mas também tem uma melodia contagiante e licks de guitarra cativantes”. E completa afirmando que ela “lamenta a perda de quem ela era antes da mudança mundial de 2020, quando parecia mais fácil se conectar com as pessoas”.

Emily faz parte do movimento novaiorquino do antifolk – uma turma que usa o estilo voz e violão para fazer uma espécie de protesto satírico. O disco dela pelo selo sai em 2024.

Continue Reading
Advertisement
Trevor Horn convida Seal para reler "Steppin' out", de Joe Jackson (e grava disco com convidados)
Crítica2 dias ago

Ouvimos: Trevor Horn, “Echoes – Ancient & modern”

Tess: projeto de Daniel Tessler lança clipe de "Eu ando pra frente", com feat de Nasi (Ira!)
Lançamentos2 dias ago

Tess: projeto de Daniel Tessler lança clipe de “Eu ando pra frente”, com feat de Nasi (Ira!)

Emily Frembgen: lembranças do isolamento no single "Fentanyl"
Lançamentos2 dias ago

Emily Frembgen: lembranças do isolamento no single “Fentanyl”

Ouvimos: Peter Gabriel, "i/o"
Crítica3 dias ago

Ouvimos: Peter Gabriel, “i/o”

Idles: banda punk faz dançar em single/clipe novo, "Dancer"
Lançamentos3 dias ago

Idles: banda lança mais um single do próximo álbum, “Grace”

Libertines: single novo, "Night of the hunter", é sobre "não ficar à frente da lei"
Lançamentos3 dias ago

Libertines: single novo, “Night of the hunter”, é sobre “não ficar à frente da lei”

Motörhead: quase-bootleg gravado em 1978 em Londres retorna em vinil prateado
Cultura Pop4 dias ago

Motörhead: quase-bootleg gravado em 1978 em Londres retorna em vinil prateado

Lançamentos4 dias ago

Julico: clipe de “Música” lembra clima de capas e fotos de John Coltrane

Fizeram uma versão de CINCO HORAS E MEIA de "Brainwash", do Flipper
Cultura Pop4 dias ago

12 apostas malucas das gravadoras

Years & Years: single novo, "A very fun bad idea", sai como trilha de filme queer
Lançamentos5 dias ago

Years & Years: single novo, “A very bad fun idea”, sai como trilha de filme queer

Ouvimos: Orchestral Manoeuvres In The Dark, "Bauhaus staircase"
Crítica5 dias ago

Ouvimos: Orchestral Manoeuvres In The Dark, “Bauhaus staircase”

Beyoncé: "My house" traz faceta rapper da cantora de volta
Lançamentos6 dias ago

Beyoncé: “My house” traz faceta rapper da cantora de volta

Fragoria: indie rock ruidoso de São Paulo, no primeiro EP
Lançamentos6 dias ago

Fragoria: indie rock ruidoso de São Paulo, no primeiro EP

Anoushka Shankar: sitar instrumental e sons new age em EP novo
Lançamentos6 dias ago

Anoushka Shankar: sitar instrumental e sons new age em EP novo

Ouvimos: Ian Sweet, "Sucker"
Crítica6 dias ago

Ouvimos: Ian Sweet, “Sucker”

No nosso podcast, o 1972 do Led Zeppelin (remake!)
Cultura Pop1 semana ago

No nosso podcast, o 1972 do Led Zeppelin (remake!)

Duran Duran: uma história do outro mundo no clipe de "Black moonlight"
Lançamentos1 semana ago

Duran Duran: uma história do outro mundo no clipe de “Black moonlight”

Lançamentos1 semana ago

Bruce Dickinson: single novo anuncia “The Mandrake project”, disco que vai ter também uma HQ

Trending