Breakin' n enterin': Ice T e outros rapper narrando um filme sobre a onda break dos anos 1980

A onda do break chegou ao Brasil na mesma época em que os b-boys dos Estados Unidos assistiram ao documentário Breakin’ n enterin‘. Dirigido por Topper Carew e lançado em 1983 – mesmo ano em que os dançarinos misturavam-se aos sambistas na abertura da novela global Partido alto – o doc trazia o dia a dia dos breakdancers de Los Angeles e era narrado pelos próprios rappers da área. No geral, funcionava quase como um daqueles vídeos de skate, em que o decorrer da história era dado pela sequência de performances, que serviam para deixar o espectador babando e louco para aprender a fazer tudo (ok, muita gente nem sequer se atrevia).

Anos antes de se tornar um rapaz famoso, cabeludo e interessadíssimo na união de rap e heavy metal, Ice T era um dos rappers do filme, ao lado de Adolfo “Shabba Doo” Quinones e Boogaloo Shrimp. O site Ambrosia For Heads observa que havia uma diferença crucial entre os dançarinos de Nova York e os da Costa Oeste dos EUA: os primeiros passavam o tempo todo no chão, os últimos alternavam com pulos. O filme também foi a fonte de inspiração de Breakin‘, filme de 1984 que contava a história de uma dançarina de jazz e um b-boy que se juntavam com mais dois amigos e tentavam participar de um musical da Broadway.

Aliás, jogaram Breakin’ n enterin’ inteiro no YouTube. Pega aí.

Aliás, na época do filme, Ice-T tinha gravado seu primeiro single, Cold wind madness. Era quase electro.

Pega aí o rap-faixa-título que Ice-T fez na trilha do filme (sim, teve uma trilha de Breakin’ n enterin’).