Após vários anos de problemas familiares, fofocas, reclusão, relançamentos sustados e pouquíssimos produtos novos nas lojas, João Gilberto, um dos maiores arquitetos da música popular brasileira, finalmente pode descansar em paz. Com a morte do cantor e violonista no sábado, muita gente apareceu nas redes sociais para recordar discos clássicos da sua carreira. Um dos álbuns mais lembrados foi o João Gilberto lançado em 1973, costumeiramente conhecido como “o álbum branco de João”.

Se você nunca ouviu, tá aí uma play list com o disco na íntegra. O álbum também costuma ser chamado de “o LP psicodélico de João Gilberto” (psicodélico como assim?) e tem fãs entre pessoas que não necessariamente são curtidoras de bossa nova.

O disco de João é minimalista ao extremo. Tem só ele na voz e no violão, acompanhado por Sonny Carr na percussão (Miúcha, então casada com ele, soltou a voz na bela Isaura). Foi feito também por uma equipe reduzidíssima, que incluiu a produtora Rachel Elkind-Tourre e ninguém menos que Wendy Carlos como técnica de gravação e mixagem.

Quando Wendy Carlos foi técnica de som de João Gilberto
Wendy Carlos

A musicista transexual, naquela época, era conhecida pelo nome que estava em seu registro da nascimento – Walter Carlos, que aparece nas edições originais de seus LPs de música clássica tocados no sintetizador, como Switched-on Bach (1968) e The well tempered synthesizer  (1969). Quando Wendy conheceu Rachel, ela estava trabalhando num estúdio de gravação em Nova York, tinha no currículo vários anos trabalhando como secretária do presidente da gravador Columbia, Goddard Lieberson, e tinha sido ela própria uma cantora de jazz.

Rachel, hoje com 80 anos, produziu Switched-on Bach e foi uma pessoa fundamental para que Wendy passasse a se interessar por sintetizadores. Na época, quando não havia ainda as facilidades da gravação digital, a produtora era vista no estúdio, nas gravações de Switched-on com um cronômetro na mão (como nessa foto aqui). Era a única maneira de marcar o tempo das gravações de determinadas partes das músicas, para que nada saísse de sincronia.

Wendy e Rachel trabalharam juntas na gravação de João Gilberto, num estúdio que as duas mantinham em sociedade em Nova York. Anos depois, a musicista e técnica recordou esses tempos num texto publicado em seu site. Olha aí:

“Com João Gilberto, que é mais velho e mais experiente na música do que eu, senti que era uma ótima experiência de aprendizado: observá-lo no trabalho, como um álbum se encaixaria. Achei o violão dele incrível. Além disso, ele tinha todo o controle. Eu precisava apenas posicionar os microfones com cuidado, e definir os níveis deles uma vez só. Depois deixava por conta dele. João fez todo o resto”, afirmou Wendy.

Se você acha que João Gilberto está quase falando no seu ouvido quando ouve o “álbum branco” dele, tá certíssimo (a): os microfones foram colocados bem pertinho do rosto do cantor, “sabendo que ele manteria tudo em perfeito equilíbrio e consistência, sem sons falsos ou batendo em microfones a poucos centímetros de distância”. A percussão foi gravada ao vivo junto com João, sem overdubs.

E os hábitos de João no estúdio?

“Ele era um artista noturno. Eu também, então as horas de trabalho me agradavam. Nos arrumávamos no começo da noite, e ele chegava. Rachel e ele conversavam sobre o trabalho, nos descíamos as escadas para o estúdio e começávamos a fazer as faixas. Não me senti pressionada. Achei João modesto, um pouco nervoso, um pouco cauteloso com outras pessoas, com estranhos. Eu tentei não aborrecê-lo, apenas sorrir e me incluir no trabalho. Ele parecia muito grato, e amava o jeito que o álbum estava saindo”, escreveu Wendy.

Via Wendy Carlos
Mais Wendy Carlos no POP FANTASMA aqui.