Quando Johnny Ramone foi pisoteado na cabeça e quase morreu

"Rockstar luta pela vida", chegou a aparecer num jornal

0
122

A história é contada num fim de capítulo do livro Hey ho, let’s go – A história dos Ramones, de Everett True. Johnny Ramone, o durão guitarrista e líder dos Ramones, tinha sido seriamente atingido na cabeça por Seth Macklin, de uma banda chamada Sub Zero Construction. Seth, que lutava caratê, conseguiu dominar a pancadaria e esmagou a cabeça de Johnny várias vezes com o pé.

A porradaria, que deixou Johnny perto da morte e fez com que o guitarrista tivesse que operar o crânio (rolou uma fratura) aconteceu na porta do prédio de Johnny e rolou logo após um show dos Ramones na região do grupo, o Queens (Nova York) em 14 de agosto de 1983.

Não era um dos momentos mais tranquilos e favoráveis para os Ramones, com Johnny e o cantor Joey Ramone definitivamente brigados, o baixista Dee Dee Ramone sempre fora de órbita e o batera Marky Ramone expulso do grupo por causa de seu relacionamento perigoso com o álcool – a turnê do disco Subterranean jungle (1982) foi a primeira a trazer Richie Ramone na bateria. Agora estava lá Johnny Ramone no hospital, prestes a ser visitado pelo Zé Maria, numa briga que foi noticiada pelo New York Post como “rockstar luta pela vida”.

Ao que consta, a briga de Johnny com Seth rolou por ciúmes de Cynthia “Roxy” Whitney, que foi amante do guitarrista por vinte anos – e chegou a contar sua história com o músico dos Ramones no livro Too tough to love: my life with Johnny Ramone. Cynthia conta que apareceu na história de Johnny bem antes de ele começar a ter um affair com Linda, namorada de Joey Ramone, que depois se tornaria sua esposa. E que o relacionamento continuou com Johnny casado. Na ocasião do incidente, segundo testemunhas, Johnny e Cynthia não estavam mais juntos e ela estava saindo com Seth – o guitarrista dos Ramones não curtiu saber disso, viu o casal junto e foi lá arrumar encrenca.

Johnny falou bem pouco do assunto com o passar dos anos. Na época, declarou que “não soube o que aconteceu” (na verdade, ele não tinha condição de se recordar de nada). Na sua autobiografia Commando, contou que de fato, viu os dois juntos e foi arrumar briga com Seth – que passou bastante do (er) ponto. O músico teve a cabeça raspada e precisou usar algo parecido com um capacete de beisebol por alguns meses. Os Ramones ficariam parados até Johnny se recuperar. O guitarrista retornou à banda, continuou a turnê, mas se tornou um cara, nas palavras de alguns amigos, “diferente” e mais fechado com relação a seu espaço. Testemunhou contra Seth, que acabou preso. E em sua autobiografia, deixou claro o quanto a história tinha lhe causado ódio.

“Eu estava com muita raiva. Queria que ele fosse morto. Sou a favor de pena de morte. Eu acho que deveria ser televisionado. Eu acho que eles poderiam torná-lo um evento pay-per-view e dar o dinheiro para as famílias das vítimas. Então, comecei a fantasiar sobre conseguir uma arma. Eu pensei que seria ótimo ter alguém mexer comigo e matá-lo”, escreveu Johnny, que (lógico) acabou desistindo da ideia.