Nesta quinta (19), um dos discos mais bacanas da história do rock chegou aos 50 anos. É Odessey and oracle, segundo disco da banda britânica The Zombies. Um daqueles álbuns de audição obrigatória, mas que – por muito pouco – não passaram totalmente batidos quando foram lançados. A começar porque quando o disco saiu, o grupo já não existia mais.

Os Zombies (Colin Blunstone na voz, Rod Argent nos teclados, Paul Atkinson na guitarra, Chris White no baixo e Hugh Grundy na bateria) tinham conseguido um contrato bastante interessante com a CBS para gravar o segundo disco. E a banda conseguiu gravar nos estúdios mais caros da época, Abbey Road e Olympic. Em várias músicas, usaram o mesmo gravador de quatro canais que os Beatles usaram em Sgt. Pepper’s, um ano antes – além do mesmo mellotron que John Lennon tocou nas gravações.

Estaria tudo bem se o orçamento da gravadora para Odessey and oracle não fosse apertadíssimo (mil libras!) e os Zombies não estivessem sendo atochados e pressionados de tudo quanto era jeito no estúdio.

Por dia, o grupo tinha apenas três horas para gravar – sempre de 10h às 13h, interrompidas para o almoço dos técnicos. O estresse gerou brigas no meio do trabalho. Só para piorar: com o disco já gravado em mono e praticamente pronto, a CBS decidiu que queria uma mixagem em estéreo. Argent e Chris White, únicos compositores da banda (e os únicos que ganhavam grana com royalties das músicas), levantaram mais mil libras e pagaram eles mesmos as horas excedentes de estúdio.

Os Zombies já acumulavam experiências ruins desde bem antes disso. No fim de 1966, após verem as vendas do primeiro álbum e dos primeiros singles naufragarem, o quinteto decidiu aceitar uma proposta de jerico de seus empresários e foi passar alguns meses nas… Filipinas. O grupo tinha compactos lançados lá desde 1964 e uma excelente base local de fãs. Olha aí o single filipino de She’s not there, primeiro hit da banda.

50 anos de Odessey And Oracle, dos Zombies: brigas, grupos fake e pop barroco

Não havia lugar mais inapropriado, já que o país estava sob as botas do ditador Ferdinand Marcos. O saldo da história foi de traumatizar qualquer um: os garotos fizeram shows por uma merreca, viveram praticamente em cárcere privado no Coliseu de Araneta (arena multi-uso local), foram ameaçados após pedirem aumento de cachê e ainda escaparam de um incêndio criminoso numa casa de shows. Voltaram tascados para a Inglaterra, sem gravadora e sem empresário.

Odessey and oracle não reflete essa tensão em nada. É um disco de pop barroco finíssimo, com letras que variam do romantismo à psicodelia pura e simples. Time of the season, o maior hit, você já ouviu. Se não escutou, tá aí uma ótima oportunidade.

Durante a gravação dessa música, estourou uma baita briga entre Argent e Blunstone sobre a maneira como os vocais dela deveriam ser gravados – com o autor sugerindo divisões silábicas e o cantor respondendo coisas como: “Se você se acha tão bom assim, vai lá e canta você!”

Care of cell 44 parece, à primeira vista, um pop-rock romântico e ensolarado que poderia estar num disco dos Beach Boys. Só que a letra fala de um garoto apaixonado que espera a namorada sair da cadeia.

E isso só para ficar em duas das melhores músicas. Você conhece todo o disco aqui embaixo. Os integrantes da banda relembraram detalhes da gravação do disco e fizeram um belo e informativo faixa-a-faixa nessa matéria da People.

Desiludidos com a falta de sucesso e com o apoio zero da gravadora, os Zombies terminaram em dezembro de 1967. Odessey and oracle saiu em abril de 1968. Pouco depois disso, o músico e produtor da CBS americana Al Kooper achou uma cópia de Odessey durante uma ida a Londres. Ouviu o disco e ficou fã. Tão fã que praticamente obrigou Clive Davis, presidente da companhia nos EUA a ouvir o disco. Clive, que havia solenemente cagado para os Zombies, foi persuadido a lançar por lá o LP. E, posteriormente, o single de Time of the season foi reeditado.

O resultado foi que os DJs descobriram Odessey and oracle e a música. E o single entrou nas paradas. Isso tudo com a banda defunta, e todos os seus integrantes envolvidos em projetos solos ou novos grupos. Rod Argent foi o mais bem sucedido, levando adiante por vários anos a banda de rock progressivo Argent. O grupo foi responsável por hits como Celebration, Liar e nada menos que God gave rock n roll to you. Essa é hoje um hit do Kiss e do… Roupa Nova (em português, como Tenha fé na música).

A história mais maluca envolvendo os Zombies, no entanto, aconteceria naquele mesmo ano de 1969. E sem que nenhum dos ex-integrantes sequer estivesse envolvido.

Uma produtora americana chamada Delta Promotions decidiu, para aproveitar o sucesso de Time of the season, criar uma banda fake com o nome The Zombies, formada por músicos do Texas (!). Aliás uma não: pelo menos dois grupos diferentes, lançados pela empresa, circularam pelos EUA usando o nome. Um dos grupos, o mais famoso, tinha na formação Dusty Hill e Frank Beard, futuros baixista e baterista do ZZ Top.

50 anos de Odessey And Oracle, dos Zombies: brigas, grupos fake e pop barroco

Na foto acima, Dusty é o segundo à esquerda, e Beard é o terceiro. A história foi rastreada numa reportagem imperdível do site Buzzfeed. Um dos músicos do projeto, Mark Ramsey, contou toda a história aqui. Colin Blunstone, numa entrevista ao Chicago Reader, disse lembrar de mais um grupo fake dos Zombies, só que lá mesmo da terra da Rainha. Com um detalhe: eles tinham um baixista com o mesmo nome do batera dos Zombies original, Hugh Grundy.

A novidade para os fãs é que os Zombies continuam à solta, contando com Colin e Rod Argent na formação. Além de Steve Rodford, baixista que se juntou ao grupo ainda em 1969. Olha eles ao vivo aí.