Gandalf The Grey, o astro pop, já ouviu falar? Vamos por partes. Para começar, nos anos 1960 e 1970, tinha muita gente em busca de gurus, de guias espirituais. A moda hippie e a onda psicodélica criaram um enorme interesse por esoterismo, espiritismo, meditação, filosofias orientais – e até pelo bom e velho cristianismo.

Tanto que de uma hora para outra voltou a fazer sentido ler a saga O senhor dos anéis, de JRR Tolkien. Lançada nos anos 1950, a trilogia retornou com força total nos malucos anos 1960, a ponto de os Beatles consideraram seriamente a hipótese de fazer um filme com a obra.

O tal filme dos Beatles nunca aconteceu. Mas de qualquer jeito, a obra foi abraçada pela contracultura a ponto de surgirem pixações como “Frodo vive!” e “Gandalf para presidente!” nas paredes de estações do metrô de Nova York, nos anos 1960. E de Marc Bolan ter como parceiro, na primeira fase do T. Rex, a figuraça underground Steve Peregrine Took (cujo nome foi tirado do hobbit Peregrine Took, ou Pippin, ou Pipinho, na zoada tradução publicada no Brasil em 1974).

Gandalf The Grey: um astro psicodélico saído do mundo do Senhor dos Anéis

E tinha também essa figura aí de cima, que gravou um disco em 1972 e se intitulava Gandalf The Grey. The grey wizard am I, disco autobancado, trazia sons folk-rock à moda do (olha só), T Rex. E canções psicodélicas e pretensamente visionárias como The home coming (The sun is down), The future belongs to children e Sunshine down the line.

O cara que incorporava o mago era um sujeito chamado Chris Wilson, que vinha da cena roqueiro-psicodélica de Nova York dos anos 1960. Liderou uma banda chamada The Other Half – mesmo nome daquele grupo que fez relativo sucesso com Mr. Pharmacist, gravada nos anos 1980 pelo The Fall. Chris também fez algum sucesso como “trovador solitário” em clubes e chegou a ser contratado por um tempo pela Columbia, mas não estourou. Em 1972, adotou o pseudônimo de Gandalf The Grey, gravou seu primeiro (e único) disco em seu quarto no Greenwich Village e mandou prensar mil cópias, com distribuição pequena.

Diz esse site aqui que Wilson/Gandalf era tão fã do universo do Senhor dos Anéis, que tinha um quadro com um mapa da Terra Média em seu quarto, pertinho de onde o disco foi gravado. Wilson parecia meio atrasado para meter psicodelia e magia no mercado do rock. Mas levando em conta que na época já tinha o Black Sabbath falando de magos e demônios, e que o maior astro pop (David Bowie) personificava um estranho que tinha vindo do espaço (Ziggy Stardust), até que a mania dele pelo universo de Tolkien tinha a ver.

Tem pouca info sobre Wilson rodando por aí. Uma coisa que o Allmusic revela sobre ele é que ele montou no fim dos anos 1970 uma companhia de produção multimídia chamada The Grey Wizard. E que em dezembro de 1982 a firma lançou o primeiro vídeo single do mercado, de um sexteto chamado Wizard. A ideia parecia boa: era um VHS de dez minutos da banda, com duas músicas. Saiu até na Billboard.

Gandalf The Grey: um astro psicodélico saído do mundo do Senhor dos Anéis

Se você tem vontade de ter um desses em casa, sem problemas. The grey wizard am I foi reeditado em CD por um selo chamado Gear Fab, com faixas bônus.