Anos antes da Netflix promover um reality show chamado Não durma no ponto – em que os participantes participam de várias provas, com o detalhe básico de que estão todos virados 24 horas sem dormir – a emissora britânica Channel 4 já tinha promovido um outro reality BEM mais complexo e arriscado para a saúde física e mental de seus participantes. Shattered teve só uma temporada em 2004, foi produzido pela mesma empresa que criou o sucesso Big Brother (a Endemol) e ideia era que todos os competidores ficassem uma semana sem dormir (!!).

A novidade para quem ama reality shows estranhos, é que todos os programas da única temporada estão hoje no YouTube. Olha o primeiro aí.

CEM MIL LIBRAS

Shattered tinha dez competidores, e envolvia uma série de provas e desafios. Todos estavam competindo por cem mil libras. Era uma dinheirama boa, que remediaria a saúde financeira de vários deles. Uma das participantes, Claire Muscat, que caiu fora no quarto episódio da série, estava sem grana e com dois filhos pequenos para cuidar. Entre 2h e 4h da manhã (horário em que se recomenda que as pessoas estejam dormindo), havia uma série de tarefas com a rubrica “você cochila, você perde”, que era uma verdadeira sessão de tortura.

Não era nenhuma prova do líder do BBB: os participantes precisavam sentar em cadeiras confortáveis, ouvir histórias de ninar contadas por uma avó amorosa e abraçar ursões de pelúcia (!). E não podiam dormir. Vale dizer que fechar os olhos por mais de dez segundos pelo menos algumas vezes não era algo exatamente passível de eliminação. Mas o competidor perdia mil libras da grana do prêmio a cada vez que cometesse esse erro.

A produção tomou cuidado para que algumas práticas do programa – pelo menos na régua moral de 2004 – não fossem vistas como tortura. Chegou a haver a ideia de dar pequenos choques elétricos nos participantes para que eles ficassem acordados (prevaleceu o bom senso e não rolou). Para remediar problemas, a turma toda se consultava com psiquiatras e fazia exames de saúde.

CHATO

Uma reportagem do The Guardian publicada em 2018 conta as diferenças entre o Shattered e qualquer reality show de hoje. A começar por um detalhe básico: o Shattered (significa algo como “destroçado” em português) era chato. Propositalmente chato, aliás: as provas eram entediantes e tinham sido pensadas de forma a dar sono (claro) nos competidores. Testemunhas contam que a razão que levou os participantes a entrar no programa era bem pragmática: grana. Ninguém ali tencionava ser famoso ou pensava em destruir ou desmoralizar o adversário.

Quem assistiu ao programa conseguiu ver direitinho como uma pessoa com (muita) privação de sono se comportava. Alguns enlouqueciam, outros pareciam estar eternamente bêbados, muita gente não falava coisa com coisa. Clare Southern, uma cadete da polícia de 19 anos que parecia extremamente resistente ao sono, acabou ganhando o programa após uma disputa final com Chris Wandel, o vice-campeão. Clare levou apenas 97 mil libras, porque acabou dando umas cochiladas de dez segundos no decorrer da atração.

No tal papo com o The Guardian, Wandel disse que suspeita até hoje de trapaça – tudo porque, na visão dele, Clare estaria causando dores em si própria, esticando cãimbras nos pés e até vontade de ir ao banheiro, para conseguir ficar desperta. Seja como for, Shattered dificilmente seria feito hoje em dia: muito confuso, eticamente bizarro e difícil de prender a atenção do telespectador. Fora que dá nervoso.