Ninguém é conhecido pelo apelido de “The Boss” (o chefe) impunemente, vamos dizer assim. No comecinho dos anos 1990, Bruce Springsteen resolveu aderir à nascente onda dos discos acústicos da MTV. Mas fez isso a seu modo. Aliás, o disco acabou se chamando In concert/MTV Plugged.

Gravado em 22 de setembro de 1992 no  Warner Hollywood Studios, Los Angeles (e lançado em 12 de abril de 1993, há 28 anos), o disco ao vivo de Springsteen era gravado com turma nova. O cantor vinha desde 1989 excursionando sem a E Street Band, com uma banda que mantinha alguns poucos integrantes da formação (uma delas, sua mulher Patti Scialfa).

A separação do grupo aconteceu, ao que consta, após Bruce achar que as coisas estavam ficando rotineiras demais. Participar da tour Human Rights Now! em 1988 e observar como andavam as carreiras de Sting e Peter Gabriel (que haviam deixado grupos de sucesso) contou bastante para que ele resolvesse dispensar quase todo mundo.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Bruce Springsteen no Brasil: e não estamos falando de Rock In Rio…

Havia uma diferença significativa entre Bruce e os colegas ex-integrantes do Police e do Genesis, claro. O cantor de Born in the USA era patrão dos músicos que queria dispensar, e teria que explicar calmamente a eles o que estava planejando fazer. Ligou para cada um deles e informou que seguiria sozinho.

O saxofonista Clarence Clemons e o multi-músico Nils Lofgren, por acaso, estavam em turnê com a All Star Band de Ringo Starr e foram consolados pelo beatle (que, enfim, tinha experiência no assunto minha-banda-acabou). Mas o baixista Garry Tallent diz que Bruce, ao procurá-lo, não deixou claro se aquilo era definitivo (como de fato não foi). Estava apenas liberando todos para fazerem o que quisessem de suas vidas profissionais.

>>> Veja também no POP FANTASMA: E Prince ficou de fora de We are the world

O tal “plugado MTV” trazia repertório da turnê dos discos Human touch e Lucky town, de 1992, ambos recebidos com certa frieza pelo público do cantor. E surgiu de uma razão, digamos, prática. Bruce teria ficado meio descontente com os arranjos acústicos feitos pela sua banda (que costumava ser chamada de “a outra banda” pelos fãs mais radicais). Optou por ligar tudo na tomada, mesmo. Abriu o show com uma inédita acústica em homenagem a sua mulher Patti, Red headed woman, mas prosseguiu tocando guitarra em boa parte da apresentação, acompanhado por músicos como Zack Alford (bateria), Roy Bittan (teclados), Shane Fontayne (guitarras) e Gia Ciambotti (vocais).

O material “em vídeo” de MTV plugged hoje está no YouTube, em faixas separadas. O disco, na época, fez sucesso, embora tenha ficado longe dos milhões de discos que o Guns N’Roses vendia. Os fãs de Bruce, vale dizer, receberam o disco com certa frieza. Aliás, muita gente reclamou que a E Street Band é que deveria estar lá em peso. Só que, de qualquer jeito, Bruce chegou a uma nova geração de fãs, numa época em que sua gravadora se preocupava bastante com a existência de fãs novos do cantor.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando o pai de Slash fazia capas de discos

DEIXE UMA RESPOSTA