Se você nunca pensou sobre o assunto, lá vai: a música que abre todos os dias o Jornal Nacional desde 1969, não surgiu do nada. Ela se chama The fuzz, foi composta por um sujeito chamado Frank DeVol e já teve inúmeras versões na telinha da Globo, desde que o jornal foi pela primeira vez ao ar. E ela já era um tema de trilha sonora dois anos antes do JN dar seus primeiros passos. Olha aí.

Ela fazia parte da trilha de um filme de 1967 chamado The happening, ou Acontece cada coisa, como passou no Brasil. Era uma comédia dirigida por Elliot Silverstein, com Anthony Quinn, Michael Parks, George Maharis, Robert Walker Jr., Martha Hyer e Faye Dunaway. Numa época em que esse pessoal todo era bem jovem, o longa contava uma história pastelão-criminal em que um gângster era sequestrado por um bando de vagabundos de praia. Só que nem sua mulher, nem seu sócio, nem seu antigo chefe fazem nada para pagar o resgate. O gângster fica tão puto que resolve se associar aos sequestradores e aumenta a grana do resgate, prometendo ferrar com a moral dos três que não pagam o resgate.

Olha o trailer aí.

Se você achou tudo muito parecido com Sem direito a resgate, filme de 2014 com Jeniffer Anniston num dos papeis principais, acertou. É quase igual, já que ela também é sequestrada e o marido não paga o resgate.

Ah, o jornal mexicano 24 horas também usou a mesma música, The fuzz, como tema de abertura por um bom tempo.