Lançando um single chamado Deatte 8-byo (Encontro de oito segundos), a banda japonesa Golden Bomber decidiu fazer um show… de oito segundos. No dia 29 de junho, em Tóquio, os fãs do grupo viram os rapazes correrem para os instrumentos e tocarem durante esse tempo. Cronometrado num relógio enorme atrás deles. Olha aí, ó.

Se você NUNCA ouviu falar do grupo, não se preocupe. Eles ainda não viraram mania por aqui. Embora haja um culto silencioso a eles. Mas caso eles se tornem a próxima paixão da sua irmã/filha/sobrinha/neta, vão aí oito historinhas sobre eles. Leia para você pode ter assunto com as crianças e adolescentes da sua família daqui a alguns meses.

TOCA AÍ. No Domingão do Faustão, eles levariam uma bela escovada do apresentador, que acredita que “quem sabe faz ao vivo!”. O único integrante da banda que realmente toca instrumentos é o vocalista Shō Kiryūin. Ele também compõe e andou escrevendo músicas para outros artistas. O trabalho de Yutaka Kyan (guitarra), Jun Utahiroba (baixo) e Kenji Darvish (bateria) é feito por músicos de estúdio – algo que é admitido pelos próprios rapazes). E a banda apenas finge que toca. Eles se consideram uma “air band” (sim, no estilo dos concursos de air guitar) e um grupo de “visual rock”.

ALIÁS E A PROPÓSITO, o grupo foi fundado por Shõ e Yutaka. Diz a lenda que, ao ouvir o amigo tocar guitarra pela primeira vez, Shõ achou tudo muito ruim. Mas decidiu mantê-lo na banda e transformar o GB numa air band.

NUNCA OUVI FALAR DESSES CARAS E ME ORGULHO DISSO. Então se prepara para a verdade: isso diz mais a respeito de você do que deles. O Golden Bomber já existe há doze (!) anos e seus integrantes já estão encostando nos 40 anos. O baterista Kenji, mais velho da formação atual (entrou em 2009) nasceu em 1980. No Brasil ainda não é uma moda que pegou. Mas de treze anos para cá, já foram onze discos e inúmeros singles. A popularidade deles é tanta que os fãs esperaram até SEIS horas pelo tal show de oito segundos.

QUE VISU, HEIN? O Golden Bomber é uma banda de visual kei. É um movimento de grupos japoneses que usam maquiagens artísticas e penteados extravagantes, com cores diferentes de cabelo. Tem quem veja nisso um movimento musical, porque essas bandas têm lá suas relações com heavy metal, hard rock, glam rock etc. E vale dizer que não é novidade. As bandas de heavy metal japonesas dos anos 1980 já eram parte disso aí. Olha só o grupo X Japan em 1992.

QUATRO ANOS. Foi o tempo que o Golden Bomber demorou para lançar o primeiro single. Dakishimete shwarz saiu em primeiro de maio de 2008. Olha aí a banda tocando a música ao vivo.

COMÉDIA. Os clipes do Golden Bomber têm dancinhas legais e descontraídas. E alguns deles são paródias ou da cultura japonesa, ou de outros artistas. No clipe do hit Dance my generation, de 2013, a turma toda aparece de ternos coloridos fora de moda, com ombreiras, num visual meio anos 1980. O clipe ficou bastante popular e há uma versão para o game JustDance, da Ubisoft. Já no vídeo de Yokubo no uta (2016), eles fizeram uma homenagem a uma banda clássica de visual kei, Malice Mizer. O clipe é cheio de referências ao vídeo de Bel Air, do grupo veterano. E uma das grandes referências do Golden Bomber é a banda de heavy metal japonesa Dir En Grey, que existe há vinte anos. Também no clipe de Yokubo no uta, Sho aparece com o mesmo visual usado por eles na fase clássica, tanto no cabelo quanto na maquiagem.

Em 2011, numa entrevista ao site JaMe World, de cultura japonesa, Utahiroba foi perguntado sobre o que recomendaria para quem nunca ouviu o Golden Bomber. Respondeu: “Seria melhor se essas pessoas tivessem começado por ouvir algo como o Dir En Grey”.

VIDA DURA ESSA DE ROCKSTAR. Na mesma entrevista ao JaMe World, que foi concedida durante a Japan Expo de Paris em 2011, perguntaram a eles se havia algum ritual antes dos shows. Kenji mandou na lata: “Sexo”. Yutaka não perdeu tempo: “Olhar mulheres bonitas da França!”

POR QUE AS BANDAS AINDA LANÇAM CDs? É o que o Golden Bomber se pergunta em um de seus últimos clipes, #CD ga Urenai Konna Yononakaja. O nome significa algo como “este mundo em que CDs não vendem mais”. O quarteto assiste a uma aula em que o professor ensina que “músicos estão mortos”. E todos aparecem, no fim do vídeo, com máscaras de QR Code (!).

E a pauta do Golden Bomber é ideia do amigo e colaborador Luciano Cirne.