Por pouquíssimo tempo, em 1965, os Doors foram uma banda do cast da Columbia Records. Passaram seis meses na gravadora, fizeram testes de estúdio, e acabaram sendo dispensados sem que a firma conseguisse achar um produtor que trabalhasse com eles.

No ano seguinte, o grupo seria contratado pela Elektra. Entre o pé na bunda e a recontratação, Jim Morrison (voz), John Densmore (bateria), Robbie Krieger (guitarra) e Ray Manzarek (teclados), que andavam na pindaíba, acabaram tendo a oportunidade de fazer um job rápido, que rendeu US$ 200 para a banda e deu uma salvada na pátria enquanto o sucesso não vinha.

É esse filme aí embaixo, Love thy customer, dirigido em 1965 por um sujeito chamado David Bowen, e que era uma peça institucional, a ser enviada para as concessionárias da empresa. Sabendo que a banda não ia bem, amigos do quarteto sugeriram o nome deles para a produção do filme. Eles acabaram sendo chamado para passar um dia no estúdio criando a trilha sonora do curta – que é instrumental, com Morrison fazendo efeitos de percussão em vez de cantar.

Esse filme institucional da Ford passou décadas como um enorme mistério na história da banda, até ser descoberto em 2014 e incluído num DVD de raridades dos Doors, R-Evolution, só com material de TV e cinema.

Quem não sabe que o filme chegou até a sair em DVD, pode desconfiar no começo de que se trata de uma outra banda com o mesmo nome. Só que dá para reconhecer imediatamente a guitarra de Robbie (que faz vários efeitos) e o órgão Vox de Manzarek. E o mais curioso é que certas passagens musicais soam como rascunhos de músicas dos Doors – no finalzinho, tem um som que lembra muito o que o grupo faria em I looked at you, do primeiro disco, de 1967