Connect with us

Cultura Pop

Lembra quando os camelôs vendiam CDs piratas dos Psychedelic Furs e do The Sound?

Published

on

Lembra quando os camelôs vendiam CDs piratas dos Psychedelic Furs e do The Sound?

Essa história começa com um estojo em um canto escondido do armário que revela algo como uma centena de CDRs, todos numerados e da mesma marca como pede o TOC e cada um com uns oito álbuns gravados neles. A lista é eclética e tem nomes como Espers, Polar Bear, Cherry Twister, Vetiver e outros que não faço mais muita ideia de quem sejam. Eles dividem espaço com gente mais conhecida.

Mas o que chama mesmo a atenção são os CDs piratas que estão no final do “porta-CDs”, todos com uma capinha impressa e trazendo as discografias completas de Van Morrison, Elliott Smith, Flaming Lips, Psychedelic Furs, Traffic e alguns outros (tudo em ordem alfabética porque como pede o TOC…).

Advertisement
Lembra quando os camelôs vendiam CDs piratas dos Psychedelic Furs e do The Sound?

Spotify? Who?

É quando a memória se acende e me manda de volta para 2005/2006, uma época marcada pelo fim dos meus dias de internet discada em casa e os primeiros com banda larga. Os tais CDrs são fruto direto daquele momento em que era possível finalmente escutar todos os discos recomendados pelas revistas importadas, ter acesso àquela raridade que você tinha lido sobre e nunca tinha tido a oportunidade de ouvir, e baixar os discos recomendados em diversos blogs (estamos em uma época pré YouTube e Spotify logicamente).

Se escutei tudo aquilo com afinco? Obviamente não, mas era um “tempo de descoberta” e a vontade em estar sempre ouvindo coisas novas e/ou diferentes sempre me acompanhou.
Já os CDs com capinha trazem a tona um período imediatamente anterior, quando os aparelhos de DVD, e também os CDRs e seus gravadores começaram as e popularizar e as lojinhas em galerias de “produtos eletrônicos” estavam tomadas de todo tipo de pirataria. Quem tem certa idade deve se lembrar dos apelos dos artistas na televisão implorando para que as pessoas não consumissem esses produtos, mas, convenhamos, eles já sabiam que aquela era uma causa perdida.

Lembra quando os camelôs vendiam CDs piratas dos Psychedelic Furs e do The Sound?

Pega aí a coleção completa logo de uma vez

Entre os últimos lançamentos do cinema em formato AVI (Piratas do Caribe era um dos mais vendidos se bem me lembro), não eram poucas as lojas do Stand Center na Av. Paulista que oferecem “CDs com mais de 150 músicas”. É quando descubro que em meio aos suspeitos de sempre (Legião, Chico, Caetano, Bon Jovi, Zezé Di Camargo, Só as melhores, Flashback anos 1980, Seleção romântica) também há volumes dedicados ao Calexico, Blondie, Kraftwerk (incluindo os três primeiros álbuns, lançados entre 1970 e 1973 e até hoje esgotados) e muitos outros. Todos naquele esquema do “um é cinco e três é 10 porque tu é freguês” que ninguém resiste (ninguém = eu).

O fato é que com o passar dos anos acabei comprando muitos daqueles discos em CD “de verdade”, mas jamais tive coragem de jogar os piratas fora. Mesmo tendo tudo facilmente disponível hoje no Spotify. Até pelo inusitado de tais artefatos.

E aí voltamos ao tal estojo do começo da história, que rendeu uma foto postada no Facebook e o convite feito pelo caro editor desse site para que eu contasse a história de como eu acabei com esses itens um tanto fora do comum na minha coleção.

No próximo capítulo contarei sobre a fita do Nirvana com selo da Chantecler (mentira, essa não comprei, mas que ela existiu, eu juro) ou a coletânea do Creedence que tem na capa os dizeres “Aus der TV Und Rundfunkwerbung” (“como anunciado no rádio e na TV”).

Foto: Leandro Saueia

Advertisement

Leandro Saueia é jornalista, colecionador de discos, livros, revistas de música e HQs, já teve o "Titanomaquia" dos Titãs e o "Good as I've been to you" do Bob Dylan em cassete de camelô e ainda tem o "O dinheiro não é tudo, mas é 100%" do Falcão nesse formato.

Continue Reading
Advertisement

Cultura Pop

Raridade: recuperaram papo de Ian MacKaye para a revista Panacea, em 1994

Published

on

Auto-intitulada “a revista brasileira de quadrinhos (e outros bichos)” a revista Panacea fez muitas cabeças nos anos 1990 – na verdade, foi um zine transformado em revista, pela jornalista Gabriela Dias. hoje colunista da Revista Caju. E foi ela quem conduziu um papo com Ian MacKaye (Fugazi, Minor Threat) em 1994, quando o grupo se apresentou no desbravador festival Belo Horizonte Rock Independente Fest (o popular BHRIF).

Encontrar algum número da Panacea dando sopa é complicado – volta e meia aparece algum à venda no Mercado Livre. Em compensação, pegaram a tal entrevista de Ian MacKaye, bateram tudo e subiram no site Issuu. “Em 2003 copiei o texto, diagramei, imprimi e distribui entre alguns amigos. Na época eu não revisei, também não sabia diagramar e muito menos o que era leiturabilidade”, diz a pessoa, que passou horas batendo a conversa.

Na abertura do papo, Gabriela explica que Ian é “obsessivo, gentil, atencioso”, mas “simples, direto e ríspido”. Os dois lados do músico, conhecido pelo mergulho total na atitude punk e pelo “não se vender” levado à máxima potência, ficam bem claros no papo.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Guy Picciotto (Fugazi) cantou enfiado numa cesta de basquete

MacKaye recusa-se a dar conselhos aos repórteres sobre como fazer a cena independente funcionar no Brasil (“vocês não precisam de um americano para dizer como fazer as coisas”, esbraveja) e foge de fazer comentários sobre colegas, mesmo que positivos. Mas diz que Henry Rollins, quando foi cantor do Black Flag, foi roubado pelos donos da gravadora SST. E reclama que as majors, uma tentação a qual o Fugazi nunca cedeu, são ambiciosas demais. “A especialidade delas é pegar um pedaço de merda, dar uma polida e fazer um disco”, diz ele, por sinal amigo de Rollins desde a infância.

Advertisement

“Não é interessante ser parte de uma major. É chato. Às vezes eu penso: ‘Deus, todos os meus amigos são milionários e famosos, e eu sou este carinha que é fiel ao próprio mundo. As pessoas pensam que uma banda como Rage Against The Machine é que é radical. Como se pode ter raiva da máquina quando se é parte dela?”, prega Ian.

Tá aqui a conversa toda. Leia antes que suma.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

 

 

Advertisement
Continue Reading

Cultura Pop

Bob Dylan elogiando Madonna

Published

on

Bob Dylan elogiando Madonna

Em 1991, Bob Dylan afirmava à American Songwriter que desprezava o pop. O cantor, que tinha lançado um ano antes o disco Under the red sky, elogiou compositores como Brian Wilson e Randy Newman, e disse que ninguém deve se guiar pelas canções de um arista pop. Mas falou bem de ninguém menos que Madonna.

“O entretenimento pop não significa nada para mim. Nenhuma coisa. Você sabe, Madonna é boa. Madonna é boa, ela é talentosa, ela une todos os tipos de coisas, ela aprendeu suas coisas … Mas é o tipo de coisa que leva anos e anos da sua vida para você ser capaz de fazer. Você tem que se sacrificar muito para fazer isso. Sacrifício. Se você quer se tornar grande, você tem que sacrificar muito. É tudo igual, é tudo igual”, disse, rindo.

Bob também fez um comentário bem interessante sobre Jim Morrison quando ouviu que o hoje negacionista militante Van Morrison o considerava o maior poeta vivo. “Os poetas costumam ter finais muito infelizes. Veja a vida de Keats. Olhe para Jim Morrison, se você quiser chamá-lo de poeta. Olhe para ele. Embora algumas pessoas digam que ele está realmente nos Andes”, afirmou.

O repórter da revista perguntou se ele achava que isso era verdade e Dylan saiu fora da resposta. “Bom, nunca passou pela minha cabeça pensar de uma forma ou de outra sobre isso, mas você ouve isso por aí. Pegando carona nos Andes. Montando um burro”, disse.

Advertisement

Uma revelação que Bob fez no papo é a de que ele prefere, no piano, as teclas pretas para trabalhar. “E elas soam melhor na guitarra também. Às vezes, quando uma música tem uma tonalidade bemol, digamos Si bemol, leve para o violão, você pode querer colocá-la em Lá”, diz. “Quando você pega uma música de tecla preta e a coloca no violão, o que significa que você está tocando em lá bemol, muitas pessoas não gostam de tocar nessas teclas. Para mim não importa”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Quando Syd Barrett fez resenha de David Bowie

Published

on

Quando Syd Barrett fez resenha de David Bowie

A Melody Maker, publicação britânica de música, tinha o hábito de pedir a artistas conhecidos que comentassem lançamentos da época. Em 1967, Paul McCartney chegou a fazer uma resenha (falando bem) de Purple haze, single do Jimi Hendrix Experience. E caiu para ninguém menos que o novato (na época) Syd Barrett analisar um single de um cantor mais novato ainda: Love you till tuesday, de David Bowie.

Segundo a Far Out Magazine, algum emissário da revista visitou o Pink Floyd durante a gravação do single Bike, levou a canção para Syd ouvir e extraiu dele várias opiniões sobre o disco. “Sim, é um número de piada. Piadas são boas. Todo mundo gosta de piadas. O Pink Floyd gosta de piadas”, escreveu/falou o cantor da banda. “É muito casual. Se você tocar uma segunda vez, pode ser ainda mais uma piada”.

A animação de Barrett terminou aí. O cantor ainda disse que as pessoas iriam gostar da letra e de suas brincadeiras com os dias da semana. Mas… “Muito alegre, mas não acho que meus dedos do pé estavam batendo”, afirmou. Ironicamente, Barrett era uma das maiores referências de Bowie em sua primeira fase de carreira, e continuaria sendo uma sombra enorme no trabalho dele por vários anos. Olha Bowie nos anos 1970 cantando See Emily play, do Pink Floyd.

Advertisement

“Syd foi uma grande inspiração para mim Ele era tão carismático e um compositor surpreendentemente original”, afirmou Bowie em 2006, quando Barrett morreu. “Além disso, junto com Anthony Newley, ele foi o primeiro cara que ouvi cantar pop ou rock com sotaque britânico. Seu impacto em meu pensamento foi enorme. Um grande pesar é que nunca o conheci. Um diamante, de fato”.

Seja como for, nem Love you till tuesday nem o primeiro disco de Bowie, The world of David Bowie (1967) fizeram sucesso algum. E olha que o cantor e seu empresário tentaram, já que saiu até um filme com pequenos clipes do disco. A gente falou disso aqui.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending