Nos anos 1980, as coisas não andavam nada fáceis para Ginger Baker (1939-2019). O baterista-monstro de bandas como Graham Bond Organisation, Cream e Blind Faith estava desaparecido, envolvido com drogas pesadas. Reaparecera de repente como um dos bateras do disco Album, do Public Image Ltd. Num período da década, chegou a morar na Itália, no meio das montanhas, desaparecido de todo o mercado musical. Por causa da amizade com alguns traficantes locais, passou a dormir com dois coquetéis molotov ao lado da cama, com medo de ser atacado pela máfia.

As coisas foram mudando no fim da década. Ginger começou a receber cartas de um empresário que o convenceu a virar ator (!) e resolveu morar nos Estados Unidos. Já morando numa estância em Agua Dulce, a 45 milhas de Los Angeles (fã de polo, Baker criava cavalos e levara vários animais da Itália para os EUA), o baterista retornou à mídia rapidamente por causa de uma matéria sensacionalista. Um paparazzo o fotografara carregando um balde de água na sua nova residência, e a imagem foi publicada com a chamada: “A ruína de um rock star”). Na tal carreira de ator, Baker chegou a trabalhar numa série de TV de relativo sucesso, The nasty boys.

Já nos anos 1990, as coisas mudaram mais ainda. Em 1993, o Cream, ex-banda de Ginger, entraria para o Rock And Roll Hall Of Fame – ele, Eric Clapton e Jack Bruce fizeram um show na premiação.

O mais inusitado aconteceria também na década de 1990: Ginger, um sujeito que desprezava bateristas habilidosos como Keith Moon (Who) e Charlie Watts (Rolling Stones), e que ficava puto da vida quando alguém lhe dizia que o Cream havia inventado o heavy metal, se tornaria baterista de uma banda da nova geração.

Era o Masters Of Reality, banda de rock pesado e psicodélico liderada pelo cantor e guitarrista Chris Goss, e que tinha formação variável (“não posso pagar pessoas para estarem sempre no grupo”, admitia o músico). Em 1988, quando o Masters gravou seu epônimo primeiro disco, era mais fácil chamar esse tipo de som de heavy metal, mesmo. A alcunha stoner rock ainda não havia sido inventada.

Em 1991, quando o Masters preparava seu segundo disco, Ginger entraria para a formação. O baterista conhecera o empresário da banda durante uma partida de polo e acabou sendo convencido a dar uma escutada no som. Gostou do som e acabou sendo convidado a entrar para o grupo, que na época tinha Goss, Daniel Rey (futuro produtor dos Ramones, guitarra) e Googe (baixo) na formação. Acostumado com as turnês luxuosas do Cream, Ginger viu-se de repente fazendo uma turnê “alternativa” num tour bus, abrindo para bandas que estourariam naquela década. Era novidade e informação demais.

Não por acaso, o segundo disco do Masters, gravado com Ginger, se chamou Sunrise on the suffer bus (1993). Olha aí Ginger alegrão na bateria de She got me (Whem she got her dress on).

Ginger chegou a ajudar Goss e os novos colegas no processo de composição. Olha aí Ants in the kitchen, uma das parcerias com o baterista.

Olha aí, em duas partes, uma das aparições de Ginger com o Masters of Reality na TV. O apresentador do programa faz piadas com ônibus de excursão e põe Ginger como um dos personagens principais da entrevista. O baterista toca usando duas caixas amontoadas.

Ginger e o Masters gravaram material suficiente para dois discos, mas o relacionamento do batera com a banda acabou por ali. Agora vai aí a dúvida: na época do Cream, Baker tinha brigas físicas com Jack Bruce que chegavam a deprimir o próprio Eric Clapton. Como era no caso de uma banda cujos integrantes tinham vinte anos a menos que o baterista?

“Não era nada difícil trabalhar com Baker, mas ele era difícil de lidar”, disse Chris Goss nesse papo aqui. “A gente poderia sentar numa sala e fazer música pra sempre”. O grande problema, segundo Goss, era um tanto quanto lógico: imagine botar um superbaterista como Baker (sendo ele ainda por cima um cara bastante temperamental) abrindo para o Alice In Chains ou o Soundgarden, e enfrentando uma plateia de moleques que poderiam lhe jogar garrafas caso não gostassem da banda de abertura? “Sempre apoiávamos um ao outro: se ele se irritasse com alguma coisa, eu também o faria. Se o fizesse, ele também. Ele era um bom parceiro para brigas. Havia momentos em que ele era um escroto, mas eu também era um escroto às vezes, então estava tudo bem”.

Se você chegou até aqui, pega aí Baker na cozinha do Masters of Reality em 1991, tocando John Brown ao vivo, num vídeo liberado há poucos dias pelo canal da então gravadora do grupo, Delicious Vinyl. Descanse em paz, Ginger Baker.