Festivais que tentavam reproduzir um pouco do clima de Woodstock, não faltaram. Não apenas durante 1969 mas também bem depois, inclusive no Brasil. E se você achava que na história da música pop faltava uma contrapartida cristã de Woodstock, nunca faltou. Entre 12 e 17 de junho de 1972, nos Estados Unidos, a turma do Campus Crusade for Christ – que atua até hoje com o nome de Cru, para não haver confusão com as “cruzadas” cristãs – realizou a Explo 72. Um evento cristão que reuniu mais de cem mil jovens, um punhado de atrações musicais cristãs e um monte de pregadores em Dallas, Texas.

Na época, vários jornais já faziam comparações entre o clima da Explo e o do festival que rolou três anos antes.

Explo 72: o "Woodstock de Cristo", em 1972

Ao contrário de Woodstock e de qualquer outro festival da época, a Explo 72 tinha objetivos mais amplos. Primeiro que o festival aconteceu em locais diferentes de Dallas, com encontros no estádio Cotton Bowl. Em segundo lugar: a ideia não era só oferecer som, paz, amor e alguma consciência. Num reflexo dos rallies revolucionários promovidos nos Estados Unidos desde o fim dos anos 1960, era esperado que o evento fizesse cabeças e mudasse vidas. E que os cem mil jovens saíssem de lá doidos para se engajar de alguma forma no trabalho cristão.

Setenta e cinco países enviaram representantes à Explo 72 para trabalhar no evento. E, além de música, havia palestras, aulas de cristianismo, exercícios diários e atrações esportivas.

Olha aí um compilado de várias apresentações.

“Epa, esse cara aos 55 segundos do vídeo parece o Johnny Cash…”, você deve estar se perguntando. Acertou: É o countryman maldito Johnny Cash, que gravou vários discos gospel. E aí, aparecia cantando o tema cristão “I see men as trees walkin”. A música apareceu no LP ao vivo com trechos do evento, “Jesus Sound explosion”, lançado em 1972. Ouve aí.

Aí tem um vídeo com uma matéria que foi ao ar na TV na época sobre o evento.

Rolaram uns outros nomes ligados ao universo do pop-rock no evento, como Kris Kristofferson e Larry Norman. Larry (nascido por sinal numa cidade texana chamada Corpus Christi) tinha tocado numa banda chamada People!, que teve um hit só (“I love you”). E num determinado momento, era autor de canções para musicais. Em 1968, após se converter ao cristianismo, passou a pregar o evangelho pelas ruas de Los Angeles. E não se espante: na época, pregadores cabeludos de todos os credos eram bastante comuns, até mesmo em lugares descolados (foi nessa que um sujeitinho perturbado chamado Charles Manson se deu bem). Olha ele aí cantando na Explo 72.

Em 1969 Norman já causara a maior polêmica lançando um disco que pode ser tranquilamente considerado um álbum de psicodelia cristã, “Upon this rock”. Os pastores evangélicos televisivos fizeram uma enorme campanha contra Norman e a Capitol, sua gravadora, tirou o disco das lojas. Numa das músicas, “Forget your hexagram”, Norman dava uma espetada nos ocultistas, nos espíritas e nos adeptos da astrologia.