Bohemian rhapsody não foi o primeiro clipe (ou promo, como esses protoclipes eram chamados) produzido pelo Queen. A banda já havia feito clipes para canções como Keep yourself alive, Liar, Seven seas e Killer Queen. Mas o de Bohemian, filmado em vídeo, muito bem conceituado e realizado após um trabalho árduo em estúdio, foi o que mudou a história do rock a ponto de, a partir daí, toda banda de sucesso passar a querer um vídeo bem realizado para ajudar na divulgação.

A ideia do clipe veio porque o single de Bohemian rhapsody já estava em 47º lugar nas paradas e era preciso levar a música até o paradão britânico Top of the pops. Só que o Queen preferia levar algo realmente audacioso ao programa, em vez de dublar a canção. Ou em vez de se arriscar a tocar uma música tão complexa ao vivo, num programa que era visto por toda a juventude da Inglaterra. Procuraram o diretor Bruce Gowers, com quem já haviam trabalhado anteriormente e sugeriram a gravação do clipe.

Bohemian rhapsody, o vídeo, foi feito em apenas quatro horas no dia 10 de novembro de 1975, a um custo de 4.500 libras, no Elstree Studios, onde ensaiavam para a turnê.

O clipe acabou dando certo a ponto do single vender mais de 1,25 milhão de cópias somente na Grã-Bretanha. Aparentemente um dos grandes problemas da banda, que era a relação com a crítica, é que não foi tão bem resolvido assim. Tanto que o DJ da BBC John Peel, que havia curtido os discos anteriores da banda, não ficou do lado do Queen quando saiu Bohemian rhapsody, dizendo que ficava meio aborrecido com o lado “bombástico” do grupo. Chegou a dar uma zoada na banda numa das vezes em que apresentou o Top of the pops. Freddie Mercury soube, e disse que daria um soco em Peel quando o visse – o cantor ou nunca o encontrou ou resolveu não fazer nada.

Seja como for, quando Peel morreu, Roger Taylor chegou a lembrar que o DJ foi o primeiro a tocar Queen no rádio. Conforme o punk foi aparecendo, muita coisa foi sumindo dos programas de John Peel – o Queen estava entre as bandas que o DJ parou de tocar, por considerá-las ultrapassadas.

Por acaso, o grupo reapareceu poucas vezes nas listas de Peel – em 8 de maio de 1979, ele tocou We are the champions porque o Liverpool, seu time, venceu o Aston Villa. Quando Freddie Mercury morreu, em 1991, Peel tocou Crazy little thing called love em sua homenagem.