Nos anos 1970, a discussão sobre música pop e sobre rock fervilhava na Alemanha, país que criou uma vertente bastante experimental do estilo (o chamado krautrock). O código musical dessas bandas incluía sonoridades que, poucos anos depois, fariam sucesso entre artistas do punk e do pós-punk. Mas que, na época, eram consideradas como passos além do rock progressivo.

Alguns desses grupos são até hoje considerados pioneiros do rock espacial. E um deles foi uma espécie de grande farsa do rock alemão. O Cosmic Jokers teve cinco álbuns lançados em 1974, lançados por um selo novo chamado Ohr. Aliás, quem montou essa gravadora foi um produtor independente chamado Rolf-Ulrich Kaiser, que tinha atuado como jornalista e escrevera até mesmo a primeira biografia de Frank Zappa, em 1971.

Na Ohr, Kaiser pôs nas lojas grupos alemães como Guru Guru, Tangerine Dream, Ash Ra Tempel, Embryo, Birth Control e vários outros. Mas enfrentou problemas sérios: segundo uma entrevista que ele deu para a Mojo em abril de 2003, o negócio da música na Alemanha era controlado por grupos britânicos e americanos. E ele estava se metendo onde não podia, lançando apenas grupos nacionais, numa época em que se acreditava que nem havia público para as bandas alemãs. Por causa disso, foi ameaçado com uma multa de trinta mil marcos.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Aquela época em que Jimi Hendric era vocalista dos Scorpions

Mas ainda assim Kaiser continuou – e vale citar que o culto às bandas da Alemanha tornou-se bem grande naquela época, inclusive no Brasil. O produtor ganhou fama de visionário e virou um daqueles homens-de-gravadora que dão uma estampa própria a tudo que lançam. Já o Cosmic Jokers tornou-se uma enorme surpresa no rock alemão da época, não apenas por trazer as tais características espaciais, como também por ser uma armação de estúdio da qual nem mesmo seus integrantes sabiam que faziam parte.

Kaiser, que usava LSD adoidado, já tinha a essa altura lançado na Ohr o selo Cosmic Couriers, para fazer lançamentos nessa mesma seara “espacial”. Resolveu promover festas no estúdio do músico Dieter Dierks, onde rolava ácido de graça e a galera tinha instrumentos à disposição. Safadão que só ele, Kaiser gravou todas as sessões de improvisos, juntou tudo e produziu um disco dos Cosmic Jokers em 1974, epônimo. Tá até nas plataformas.

Músicos que participaram das sessões, quando viram o disco nas lojas, nem sabiam que haviam participado daquilo. Kaiser podia correr até risco de processos, mas não quis nem saber: saiu lançando discos com as fitas que tinha das sessões. Chegou a sair um álbum, Gilles Zeitschiff, com gravações das festas, todas cobertas por gravações da namorada do produtor, Gille Lettmann, recitando textos. Conta-se por aí que esse disco foi o que deixou os músicos mais putos da vida.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Errado ou não, usando métodos pouco ortodoxos ou não, Kaiser tem fama de herói do rock alemão. E aliás fez lançamentos de valor histórico inestimável. Seja como for, tinha muita gente BEM puta da vida com o produtor e com o que classificavam de exploração do trabalho alheio. Um deles foi um cara chamado Nikel Pallat, músico e empresário da banda Ton Steine ​​Scherben, que participou de uma espécie de Sem Censura amalucado da estação alemã WDR, sob o tema Pop & Co – Entre a música e os negócios.

Numa época em que assuntos políticos pegavam fogo na Alemanha Ocidental (voltada para o capitalismo, oposta ao comunismo da Oriental), o debate virou um bate-papo bem acalorado entre o esquerdista Pallat e o moderado Kaiser. O produtor afirmou que “a mudança social virá em um processo evolutivo” e “não é algo que vai acontecer amanhã, mas um desenvolvimento que levará provavelmente cem anos”.

Só que Pallat ficou bem puto quando ouviu isso, e acusou Kaiser de trabalhar a favor da opressão. O criador dos Cosmic Jokers responde que Pallat também trabalha em prol do capitalismo. “Quem você acha que representa aqui? Você não acha que a TV também não é um órgão capitalista?”, reclama (um dos apresentadores do programa interrompe e diz que Kaiser não representa o canal).

>>> Veja também no POP FANTASMA: No tempo que Fernando Abrantes tocava no Kraftwerk

Já Pallat levanta, chama o programa de “liberal de merda”, diz que “não devemos falar sobre evolução, mas revolução, certo?”, acusa a TV de ser “uma ferramenta de opressão da sociedade em geral” e avisa que vai destruir a mesa de debates. Tira um machado (!!) de dentro do casaco e começa a quebrar a mesa. Depois pega os microfones da estação e enfia tudo no bolso do casaco. Aliás, também diz que “podemos continuar o debate” (!!?!).

Parte desse debate que terminou em depredação tá aí embaixo. Aliás, o engraçado é que, com todo mundo sentado perto de uma mesa de trabalho comum, o bate-papo parece mais com uma reunião de empresa do que qualquer outra coisa. Detalhe engraçado: todo mundo se assustou mas ninguém saiu exatamente correndo. Só que não deu para continuar com o debate, por razões óbvias.

Infos tiradas daqui, daqui e daqui.

DEIXE UMA RESPOSTA