O fisiculturista britânico David Prowse, morto aos 85 anos no último dia 28 de novembro, foi o Darth Vader na trilogia Star Wars original. Ainda que, como os fãs da franquia bem saber, nunca tenha mostrado seu rosto ou sua voz.

O corpo do personagem veio do físico de Prowse. E ele estava lá, na frente das câmeras, coberto com a máscara e o uniforme do vilão. Mas o diretor George Lucas preferiu a voz gravíssima do ator americano James Earl Jones – que, de fato, tinha mais a ver com o clima sombrio de Vader. O gente boa Prowse gravou os diálogos durante a filmagem, mas descobriu depois que suas participações haviam sido substituídas pela voz de Earl.

FOFOCA

Num artigo que escreveu para o Big Issue, Prowse afirmou que sua fidelidade ao diretor George Lucas foi posta à prova, quando saiu um artigo num jornal em que se lia: “Darth Vader será morto no próximo filme – entrevista exclusiva com Dave Prowse”. “Eles eram absolutamente paranoicos quanto ao sigilo”, contou. Aliás, disse que nem sabia direito como era o roteiro do filme e que só recebia as suas falas, e que não deu entrevista nenhuma.

Até vestir o uniforme de vilão do filme de George Lucas, choveram papeis pequenos (alguns bem pequenos) na vida de Prowse. Assim como, segundo o próprio, viriam algumas frustrações após o primeiro filme da franquia. O ator e fisiculturista de 1m98 esteve até em produções bacanas como Casino royale (filme de James Bond com David Niven interpretando o personagem, em 1967) e Hammerhead (1968). E também na comédia erótica Up Pompeii (1971), com Frankie Howard e Barbara Murray. Alguns desses papeis não tinham nem crédito para o seu nome (em Up Pompeii ele basicamente era um cara fortão que aparecia durante o filme).

Aqui ele aparece num papel pequeno (e mudo) num episódio da série The saint, de 1969.

LARANJA

Em 1971, algo parecido com a consagração aconteceria com Prowse. Ele fez o papel de Julian, um fisiculturista que trabalhava como o segurança do escritor Frank Alexander (Patrick Magee), em Laranja mecânica. Lembrou ter recebido um telefonema do diretor Stanley Kubrick e ter ido lá filmar. Em pouco tempo estava contratado por George Lucas para fazer o Darth Vader, já que o diretor o vira em Laranja e achou que ele (ou pelo menos o seu corpo coberto pelo traje do personagem) daria um excelente vilão.

Se você reparou na respiração de Julian e lembrou da barulheira dos pulmões de ninguém menos que Darth Vader (ok, o ruído é bem menor), Prowse conseguiu atrapalhar uma das cenas mais célebres do filme (a da mesa) apenas… respirando. Isso porque a equipe filmou usando microfones de lapela. Ele conta tudo aí.

Depois de Laranja, Prowse, segundo o próprio, embarcaria numa roda vida de papéis que ficariam no quase. Foi convidado para trabalhar em Superman, o primeiro filme da série. Mas só ao chegar nas filmagens descobriria que não faria o papel principal – aliás, na verdade estava lá para treinar o intérprete do homem de aço, Christopher Reeve. “Me ofereceram o papel de Conan, o bárbaro antes de Arnold Schwarzenegger, e cheguei muito perto de conseguir o papel de Jaws nos filmes de James Bond”, disse ele. “Mas estou feliz com o que ganhei”, afirmou.