Na Europa, duas duplas ligadas ao pop dançante começaram a fazer sucesso quase ao mesmo tempo nos anos 1980, mas cada uma no seu quadrado. Os Pet Shop Boys, de Londres, viraram mainstream graças a hits certeiros, uma noção musical-cênica herdada de antigos musicais e trilhas de filmes, e um senso de ironia herdado do melhor do rock inglês (e que deixava Neil Tennant e Chris Lowe meio aparentados de outra dupla, os Sparks). Please, o primeiro disco, de 1986, teve seu título tirado de uma situação imaginada pela dupla, a de que os fãs chegariam na loja e já falariam “por favor” quando pedissem o LP.

Pouca gente precisa ser esclarecida da cachoeira de hits que se seguiria após o fim das gravações de Please, mas lá vai: o álbum gerou quatro singles, West end girls, Opportunities (Let’s make lots of money), Suburbia e Love comes quickly. West end girls liderou as paradas nos EUA e Reino Unido. Deu tão certo que, à maneira dos grandes ídolos pop dos Pet Shop Boys, os fãs já seriam agraciados com um LP de remixes, Disco, logo na sequência – e justamente na época em que a house music fazia sucesso nas pistas de dança.

Tinha outra (bom, ainda tinha outras) dupla que volta e meia era citada ao lado dos Pet Shop Boys. O Modern Talking vinha da Alemanha, formara-se em 1983 e chegara às lojas um ano antes de Please. Por sinal, igualmente com dois discos em sequência, The 1st album e Let’s talk about love. ambos de 1985. Não chegaram a ser um sucesso mundial, mas Thomas Anders e Dieter Bohlen conseguiram se dariam muito bem com músicas como You’re my heart, you’re my soul, Cheri cheri lady e outras.

Fisicamente, os dois rapazes se assemelhavam mais ao Wham!, de George Michael. Volta e meia algum crítico pegava no pé da dupla (que ainda tinha um produtor espanhol, Luis Rodríguez, que dava ideias para os dois) dizendo que não se tratava da sonoridade mais original do mundo. Comparações com os próprios Pet Shop Boys rolavam bastante, e não faltava gente que achasse o Modern Talking meio brega, no pior sentido que a palavra pode ter. De qualquer jeito, virou um sucesso mais local, que pouco passou pelos EUA (onde nunca lideraram as paradas).

E os Pet Shop Boys pareciam bastante alegrinhos quando foram à Alemanha lança o clipe de Suburbia e deram uma entrevista ao programa Formel eins, em 1986. Neil e Chris sentaram-se com a apresentadora Stefanie Tücking, contaram a história da música (inspirada no filme Suburbia, de Penelope Spheeris)… tudo morrendo de rir.

O papo acaba com a apresentadora perguntando a eles se conhecem algum grupo pop da Alemanha. Neil Tennant disse que gostava do Kraftwerk. Já Chris Lowe tentou dizer que curtia o Modern Talking. Tentou, porque acabou tendo um ataque de risos parecido com os que Carlos Alberto de Nóbrega costuma ter sentado no banco do A praça é nossa. Esse momento tá aí no fim do vídeo de cima, e também está isolado no vídeo abaixo.

Agraecimentos a Carlinhos Kunde pela ideia e pelo vídeo.