Mais um clipe e single filhos do isolamento estão disponíveis nas plataformas digitais. A banda baiana Astralplane estava preparando o disco novo, Alquimia, mas interrompeu o processo por causa da pandemia da covid-19. Durante um pequeno respiro em meio aos estresses da quarentena, sai o single PassaTempo. A música se relaciona bastante com a nova era pós-pandemia, já que, segundo o baixista e produtor Rodrigo Amorim, ela propõe “olhar sob um outro espectro, vislumbrando os instantes de alegria que temos quando estamos com quem gostamos e que em breve tudo isso vai voltar”.

A banda gravou toda a faixa no distanciamento, com integrantes isolados cada um no seu canto. Para gravar os vocais de PassaTempo, Rodrigo, Gabriel Sanches (bateria), Lucas Pereira (voz e synth) e Sávio Magalhães (guitarras) acabaram usando seus próprios telefones celulares.

“O celular surgiu mais pela necessidade de se reinventar frente a falta de equipamentos de gravação mais precisos. E foi muito interessante realizar esse experimento, porque conseguimos ter um resultado final satisfatório, dentro das possibilidades. A canção contou com a participação, também nos vocais, de uma grande amiga e parceira nossa que é a Thaylana Siqueira. O grande diferencial se baseou no traquejo que o nosso guitarrista, mixador e produtor, Sávio Magalhães, teve em reunir essas gravações caseiras e transformá-las em um produto bem lapidado, que nos trouxe bastante orgulho no final”, conta Rodrigo.

Mesmo com o esquema caseiro da faixa, a banda não pretende fazer o disco novo todo assim e vai se reunir para terminar tudo assim que as coisas melhorarem. Não que nunca tenham pensado em gravar tudo à distância.

“Mas fugiria muito do processo que desenvolvemos desde o princípio, da contextualização do disco, da ideia que queremos transpor com as faixas e, também, pelo fato de que não poderíamos marcar shows para repercutirmos o lançamento do álbum”, conta Rodrigo. “Todo nosso planejamento estava voltado para o lançamento do Alquimia no segundo semestre de 2020. Por conta da pandemia, alguns shows importantes para a arrecadação de recursos da produção do disco foram cancelados. Paralelo a isso, as gravações foram pausadas, pois estamos isolados”, conta ele, avisando que o próximo disco tem doze faixas que seguem uma linearidade e uma transitoriedade.

“É uma história que queremos contar com diversos momentos que oscilam entre momentos alegres e reflexões. Mais pra frente a gente solta mais spoilers”, afirma, dizendo que, mesmo à distância, já se planejam para mexer em algumas letras do disco e ajustar detalhes que já foram gravados. “Enfim, seguimos organizando algumas demandas importantes do disco e que podem ser realizadas com um pouco mais de facilidade mesmo estando em isolamento. Mas, quem sabe, tudo pode acontecer. Quando desenvolvemos o single, fizemos vários estudos e algumas coisas ficaram guardadas por aí”.

Pega aí PassaTempo.

Foto: Rafael Galvão/Divulgação