Nunca deixe o artista britânico Michael Ridge se aproximar da sua coleção de discos. Ele vai querer arranhar tudo. Influenciado pelas ideias da turma do Fluxus (coletivo experimental-ao-extremo que abarcava nomes como Dick Higgins, Robert Watts e Yoko Ono), ele resolveu gravar vídeos em que aparece usando toca-discos para executar discos de vinil com o auxílio de objetos pontiagudos – que não são agulhas de vitrola.

Isso não é música para os nossos ouvidos: Ridge botou várias bolinhas de pingue-pongue em cima de um toca-discos ligado e deixou o braço do aparelho (!) tocar as bolinhas.

Ele usou uma tira de massa de lasanha para tocar uma faixa do LP Glorious Italy!, de Dino Martinelli e sua orquestra.

Glorious Italy! In Hi-FI Lasagne Sheet from Michael Ridge on Vimeo.

Também usou uma unha quebrada do dedão para tocar (vá lá) um disco de vinil.

Split Thumbnail Music from Michael Ridge on Vimeo.

E uma espinha de peixe para tocar o single When I’m dead and gone, de McGuinness Flint.

When I’m Dead And Gone (Fish Bones) from Michael Ridge on Vimeo.

Puta merda, ele usou um cacto para tocar (e estragar bastante) um velho disco de 78 rpm.

Turntable Cactus Needles #2 (78 RPM Version) from Michael Ridge on Vimeo.

Outro cacto, um LP normal.

Turntable Cactus Needles from Michael Ridge on Vimeo.

Ele também usou um Doritos para tocar o disco The band I heard in Tijuana, Volume 3, dos Los Norte Americanos.

The Lightly Salted Tortilla Chip I Heard In Tijuana Volume 3 from Michael Ridge on Vimeo.