Surgiram discretamente em streaming dois discos de um grande e pouco reconhecido nome do power pop britânico: Bram Tchaikovsky. Bram, que na verdade se chamava Peter Bramall, iniciou carreira como guitarrista do grupo de punk rock e power pop The Motors. Aqueles mesmos, dos hits Airport e Forget about you.

Bram deixou os Motors em 1978, pouco após o primeiro disco, Approved by The Motors. E uniu-se a Micky Broadbent (baixo, teclados) e Keith Boyce (bateria), com quem passou a tocar. Essa formação teria mudanças e viraria quarteto em pouco tempo. Bram foi contratado pelo selo britânico Radar Records e gravou quatro discos por lá, começando pelo indispensável Strange man, changed man (1979).

É o disco que tem as belas Girl of my dreams e Sarah smiles, seus dois maiores sucessos. Se você nunca ouviu nada de Bram (ou “da” Bram Tchaikovsky, já que o próprio tratava sua carreira solo como uma banda que levava seu nome), são as músicas que você vai querer escutar no repeat por muito tempo.

Apesar dos quatro discos e do sucesso inicial, Bram foi decaindo nas vendagens e acabou se afastando da música por muito tempo. De dez anos para cá, seus discos estão sendo relançados. E Bram, hoje um senhor de 67 anos, até abriu uma página no Facebook. Lá põe vídeos, pôsteres e fotos de shows antigos, e até bate papo com fãs. E chegou a anunciar que está para sair uma box set reunindo todos os seus trabalhos. Bram falou a respeito disso em maio, mas nada saiu até o momento. Alguns fãs já botam pressão e o próprio Bram disse que vai verificar o que está pegando…

Bram Tchaikovsky

Para quem curtiu as músicas acima e já quer brigar pela carteirinha de fã, a grande novidade é que apareceram há pouco no Spotify os dois primeiros discos de Bram, Strange man, changed man (1979) e The russians are coming (1980). Se não tiver nada para fazer nesse exato momento, aconselho muito parar para escutar agora. E leve junto também o EP Live at the Lochem Festival, 1979, lançado em 2012 pelo selo Tiger Eye, com quatro músicas – entre elas Sarah smiles e Girl of my dreams. Imperdível.

(e esse post é dedicado à memória de Kid Vinil, que tocava Bram Tchaikovsky nos programas que apresentou)