Se você nunca assistiu a nada do ator, diretor e humorista Jerry Lewis, que morreu neste domingo (20), pode começar por essas cenas abaixo. Lewis, Rei de Hollywood nos anos 1950, atraiu milhares de fãs no mundo todo com um “conjunto da obra” infalível, que misturava mímicas exageradas, vocação para saber exatamente onde estava o limiar entre a comédia e a tragédia (essa zona cinzenta, por sinal, ele sempre disse que era o combustível de seu trabalho) e muito timing musical. Jerry cantou e tocou (ou fingiu tocar) instrumentos musicais em vários de seus filmes. E algumas dessas atuações renderam momentos inesquecíveis. Olha aí.

A CENA DA BANDA DE ROCK EM “BANCANDO A AMA-SECA”, DE 1958. Com várias cenas musicais – alguns dos números são cantados pelo próprio Jerry Lewis – e lançado em plena época do estouro do rock (o título no original é Rock-A-Bye Baby), esse filme traz Jerry Lewis na liderança de uma banda vestida igual a Bill Haley & His Comets, tocando o tema Rock my baby, rock. O humorista faz até um solo de bateria no final.

JERRY LEWIS DANÇANDO MAMBO EM “O PROFESSOR ALOPRADO”, DE 1963. Qualquer ser humano que tenha entre 45 e 70 anos já usou alguma vez a expressão “fulano estava dançando igual a Jerry Lewis”, quando viu algum amigo pagando mico na pista de dança. Provavelmente por causa dessa cena em que o professor Julius P. Kelp (Lewis, o tal professor aloprado do título) resolve cair no mambo ao som da orquestra do maestro Les Brown – que toca o tema Leapfrog.

“THAT OLD BLACK MAGIC” EM “O PROFESSOR ALOPRADO”. Um tema lançado em 1942 por Glenn Miller – e também gravado por uma porrada de gente, incluindo Frank Sinatra, Sammy Davis Jr e o próprio autor da letra, Johnny Mercer – foi parar na voz de Lewis no filme, quando o professor Julius P. Kelp transformava-se no seu alterego pegador, Buddy Love.

A MÁQUINA DE ESCREVER IMAGINÁRIA DE “ERRADO PRA CACHORRO”, DE 1963. O tema The Typewriter já tinha treze anos quando foi redescoberto por Jerry Lewis nesse filme. Foi criado por um compositor chamado Leroy Anderson e usa uma máquina de escrever de verdade desde sua primeira gravação, pelos Boston Pops. No caso, Lewis sentou-se ao lado de uma secretária e usou uma máquina imaginária, o que tornava o número mais hilariante ainda.

Não era nem a primeira vez que Lewis fazia esse número – uns anos antes, no Dean Martin Colgate Comedy Hour, ele tinha usado uma máquina de verdade, sem algumas peças.

“THE LAND OF LA LA LA”, COM O FILHO GARY. Outra do Bancando a ama-seca, com Lewis (que faz Clayton Poole) ao lado de Marilyn Maxwell (que faz o amor de sua infância, Carla Naples). Eles vão a uma árvore em que gravaram suas iniciais e Lewis começa a cantar a música – o filme volta ao passado, e quem faz o Clayton criança é o próprio filho do ator, Gary Lewis. O filhão fez sucesso nos anos 1960 com a banda Gary Lewis & The Playboys e faz shows com novas formações do grupo até hoje.