Dá pra imaginar uma cópula entre o forró e o horror synth (sub-gênero de música eletrônica inspirado nas trilhas sonoras de filmes de terror dos anos 1980)? Bom, agora dá: o Satanique Samba Trio, grupo aterrorizante e criativo de Brasília, lançou seu 11º disco, Forrível, que saiu justamente no dia do Halloween. O disco novo, descrito por eles como “mais uma presepada vanguardística”, é dedicado justamente a essa mistura de sons. E, não se engane: apesar do “samba” bem posicionado no nome da banda, muita gente observa o “satanique” e acha que se trata de um grupo de heavy metal sanguinolento.

“Sim, isso acontece a despeito da palavra samba’ no nome”, conta o baixista e tecladista Munha da 7. “Uma vez um cara chegou a fazer uma reclamação formal por e-mail. Ele comprou o CD em alguma loja de departamento da vida e como não conseguiu trocar, queria que a gente devolvesse o dinheiro. Eu respondi dizendo que devolveria se ele escrevesse uma redação à mão dizendo o que esperava do álbum antes de ouvi-lo e mandasse para a nossa caixa postal. Dito e feito: mandou a carta e devolvi o dinheiro. Ela está neste momento no RELICÁRIO da banda, valeu cada centavo da devolução”.

TRIO DE CINCO

Munha divide a banda com Jota Dale (cavaco, guitarra e teclados), Lupa Marques (percussão e teclados), Sombrio da Silva (acordeon, clarinete e clarone) e Ely Janoville (guitarra, viola caipira e fife) – sim, o “trio” do nome não chega nem sequer a ser meramente ilustrativo, e a banda já foi um trio de seis e até de sete. “Que graça teria ser um trio de três integrantes?”, conta Munha, acrescentando que as referências da banda são “as piores possíveis”.

“Isso porque nosso esforço de pesquisa é no sentido da desconstrução dos clichês. Então, logicamente, ao investigar as características manjadas de um gênero, vamos procurar o que há de mais rasteiro e oportunista em seu output. Digamos que, sendo assim, não vamos ouvir a obra de gênios como Paulinho da Viola, vamos ouvir o CD de pagode do ET & Rodolfo”, conta.

Para o disco novo, o músico pesquisou trinta trilhas de filmes slasher dos anos 1980. Algumas, eles não conheciam. “Tranqueiras do tipo Fall break (1984) e Night killer (1990)… O que a gente não faz pela arte, né?”, conta. E se você está curioso em saber que teclados aparecem no disco, seguem aí: “Alguns simuladores virtuais da Waves, um Casio FZ-1 e o famoso TECLADINHO DA XUXA do nosso claronista/sanfoneiro Sombrio da Silva”, diz Munha.

SATÃ

O disco novo tem músicas com nomes bizarros como Rigor mortis da porra, Cat skull ventral view e Defunto’s theme. Do repertório do grupo constam também músicas como Canção para atrair má sorte e Salve Satã e ponto final. Mas o “satanique” do nome da banda é visto por eles como a ideia de trazer “uma força de contestação” para a MPB. Hoje em dia, como o grupo vê a música brasileira, especialmente o que toca no rádio?

“Eu nem saberia dizer o que está tocando no rádio ultimamente, mas suspeito que continue sendo música pop em suas diferentes extensões. Eu não posso falar pelos outros membros da banda, mas fico satisfeito que na galeria da música pop brasileira atual exista um gênero como o funk, que afronta o status quo com sua mera existência, por ser o que é e vir de onde vem”, conta Munha.

SELO BELGA

Forrível é mais um lançamento da banda pelo selo Rebel Up, da Bélgica. A banda conheceu Seb Bassler, o manager da gravadora, durante uma turnê na Europa. “Ele conhecia a banda de orelhada desde 2005 e foi a um show em Bruxelas. No after party, aproximou-se arriscando umas palavras em português e já caiu nas graças da galera. Fez a proposta oficial de lançamento em 2019 para nosso empresário e de lá pra cá já são três álbuns sob seu teto: Mais bad (2019), Instant karma (2020) e Forrível (2020). Gente finíssima”, conta Munha.

A banda não sabe ainda se o novo disco sai em formato físico. “Difícil saber neste momento, a pandemia complicou os contratos de fabricação na Europa. Talvez ano que vem seja mais fácil responder essa pergunta, mas vai saber se haverá planeta até lá”, diz. E Forrível não está ainda nas plataformas digitais, só no Bandcamp. Vai estar no Spotify e adjacências em breve, mas vai demorar um pouco.

“Como o retorno para os envolvidos é muito maior no Bandcamp, o selo espera o fluxo de compras enfraquecer lá pra escoar o álbum no streaming. Como ainda estamos vendendo bem, imagino que demore algumas semanas pro álbum ir parar no Spotify e consequentemente começar a nos render vários nadas”, afirma.

SEU KARMA VAI TE PEGAR

Neste ano, nas plataformas, saiu outro lançamento do Satanique Samba Trio, Instant karma. O disco tem 28 músicas de 15 segundos, todas chamadas Minialgia. O disco, no entanto, é pouca coisa mais antigo que isso e é um projeto inovador na história do grupo.

“Na verdade, o Instant karma saiu bem antes, como “o primeiro álbum líquido do mundo”. As 28 faixas foram lançadas separadamente no Stories do Instagram (por isso a duração de 15 segundos) em cada dia do mês de fevereiro de 2019. E supostamente desapareceriam da praça pública para sempre assim que a própria plataforma as deletasse automaticamente, 24 horas depois”, conta. “Digo ‘supostamente’ porque descobrimos que uns engraçadinhos conseguiram baixar as músicas antes que sumissem e estavam as vendendo em sites de downloads ilegais nos meses seguintes. Aí, depois de muito disse-me-disse e danação, já em 2020, conseguimos vender o álbum para a Rebel Up… E é o que temos hoje, mais um relato do fracasso artístico na era da reprodutibilidade digital”.

ISOLAMENTO

A pandemia, como aconteceu com vários artistas, pôs a perder alguns planos do Satanique Samba Trio. “Está sendo terrível, como era de se esperar. Mal e mal vamos continuando o trabalho criativo à distância, mas tomamos um belo prejuízo, pois tínhamos turnê no exterior marcada para setembro, uma meia dúzia de shows aqui no Brasil ao longo do ano e até gravação de clipe contratada para algum momento de 2020”, diz.

A banda chegou a fazer uma turnê pelo Nordeste no fim de 2019 e logo entrou em recesso. “Quando começamos a ensaiar para os compromissos do ano, a turnê chegou na base da joelhada voadora. Cabe aos produtores milionários e grandes figuras do mercado fonográfico voltarem seus olhos para nós em 2021 para que possamos compensar este vale em nossa produtividade. Doe”, pede Munha da 7.

Mais POP FANTASMA APRESENTA aqui.