Desde que começamos o POP FANTASMA APRESENTA, uma prerrogativa da seção foi: não vamos dar entrevista pingue-pongue nunca. Só que, Dessa vez, resolvemos quebrar nossa própria regra e tá aí toda a conversa que tivemos com o compositor e multi-músico Sombrio da Silva.

Integrante do Satanique Samba Trio (que já esteve por aqui), Sombrio tem uma vida musical que, digamos, assusta: começou tocando clarinete em banda militar aos 11 anos e toca instrumentos como sanfona, clarone e teclado. Ele vem há anos integrando também outros projetos como Puta Romântica, Cigarras, Kervansarai, Joe Silhueta e a Orquestra Quimera. E lançou há pouco seu segundo disco solo, o absolutamente não-convencional Músicas para ouvir chorando enquanto escorrega de costas na porta.

>>> Tem playlist do POP FANTASMA: Música Popular Perturbadora

Apesar de Sombrio dizer que não pensou no assunto, o disco parece seguir uma ordem cronológica, passando por músicas como 2020 vai ser um ano maneiro, Acabou, Vai ficar tudo bem, menos o que não ficar bem e Só restou depois. Aliás, ele está bastante produtivo. Recentemente, na pandemia, saíram lançamentos como o EP Trilhas do sombrio (“este EP é uma paródia preguiçosa do álbum Trilhas do sol, da banda Joe Silhueta”, ele explica) e o primeiro álbum, Xablau (“é uma celebração à alegria do erro, uma coletânea de odes ao prazer do fracasso”, afirma). Também começou a fazer o Show do Sombrio da Silva – uma espécie de Caçulinha e Seus Amigos em formato psicodélico – em seu Instagram.

Confira o papo aí.

POP FANTASMA: Como tá sendo pra você passar pela pandemia? Está sendo um período bem fértil, já que você fez alguns discos, não?
SOMBRIO DA SILVA: Horrível. Mas sim, de fato está sendo fértil. Na verdade esse período fértil começou em janeiro de 2020. Foi quando eu resolvi tirar um monte de rascunho da gaveta, e com o apoio do Munha, deu no que deu. Mas se não fosse a pandemia eu com certeza estaria em um estado mental muito melhor e estaria mais produtivo do que estou hoje.

O disco Xablaus você disse que fez com um tecladinho da Xuxa. E nesse disco novo, o que você usou de equipamentos? Usei um computador, um controlador midi e um pedal de distorção.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando o LSD escondido num sintetizador por 50 anos fez um técnico viajar por nove horas

Como foi o processo de composição de uma música como 2020 vai ser um ano maneiro, já que se trata de uma música que, mesmo sendo instrumental, aborda um tema tão bizarro de maneira irônica? Não costumo ter muita consciência dos meus processos de composição enquanto crio. No caso dessa, em uma noite de abril de 2020 eu sonhei que estava naquele protesto de 2013 em que a galera invadiu o Congresso Nacional (eu de fato estive lá esse dia). Junto comigo estavam Negro Leo e Rogério Skylab. Os dois discutiam ferrenhamente sobre o significado político daquele evento e seus futuros desdobramentos, mas ao invés de palavras, cada um estava tocando um piano e eles debatiam com ideias musicais.

Quando acordei, corri pro computador a escrever o que consegui lembrar desse debate, e depois finalizei a música com as minhas próprias ideias. Depois de pronta é que percebi o quanto fazia sentido com o que eu estava sentindo naquele momento. Aquela expectativa de janeiro e fevereiro arregaçada pelo (até agora) maior e pior evento do século, misturada à constante sensação de impotência e confusão diante da situação política desde 2013, e também com uma pitada de alegria e otimismo pois apesar disso tudo eu estava conseguindo criar algo minimamente significativo.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Drama of exile, o disco de Nico que rendeu uma baita confusão

Uma coisa que tanto você quanto o Satanique têm é o uso de ironia mesmo em músicas instrumentais, seja na escolha de temas ou até de títulos de faixas. Os títulos levam às músicas ou o contrário? Com exceção dos xablaus, é sempre o contrário. E eu costumo preferir música instrumental e títulos vagos como meditação nº tal, xablau nº tal, etc, por conta da abertura para interpretação. Um dos maiores prazeres de lançar esses álbuns tem sido o retorno de quem ouve e pensa algo completamente diferente do que eu penso sobre as músicas. Mas a condução que o texto pode dar à música, seja no título ou na letra, pode ser muito interessante também, e vez ou outra eu gosto de experimentar com isso. E como para mim, a música que faço tem sempre uma dose de ironia, acaba que naturalmente os títulos refletem isso também.

O disco novo é organizado de maneira cronológica, como se fosse a vida de alguém? Não. Mas interessante essa ideia aí. Se a entrevista fosse em tempo real eu viraria o jogo e te perguntaria o porquê da pergunta (Nota do POP FANTASMA: tive essa impressão por causa da ordem dos títulos das faixas).

O programa que você fazia no Instagram continua? Está temporariamente suspenso. Quero retomar com cara nova e melhor trabalhado. Tenho escrito alguns esboços de roteiros e repensando a estética do programa. Uma hora apareço com um episódio novo de Show do Sombrio da Silva.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Os grandes sucessos de… Karlheinz Stockhausen?

E como foi aprender música no colégio militar? Você estudou lá? Vê contraste nisso com a liberdade musical que você tem hoje? Estudei lá sim, dos 10 aos 17 anos. Quanto à música, foi muito bom, na verdade. Por incrível que pareça, a banda de lá era um espaço em que eu me sentia muito à vontade e bastante livre. Mas fora desse ambiente da banda, era uma palhaçada sem fim (com exceção de um ou outro professor que era muito bom). O militarismo é a coisa mais ridícula que já vivi.

Você diria que o experimentalismo musical é facilitado pelo estudo? Quem estuda mais e tem mais acesso a técnicas musicais pode chegar a uma experimentação musical mais sólida? Ou na hora de compor vale sempre o não-convencionalismo? Cara, eu realmente não sei. Nesta pergunta eu viraria o jogo mais uma vez pra te perguntar o que é estudo. E o que é uma experimentação musical sólida. E o que é convencionalismo. A gente poderia conversar horas sobre isso sem chegar a conclusão nenhuma. E eu gravaria os piores trechos da conversa pra usar em um próximo álbum. Em algum universo paralelo isso deve ter acontecido e esse álbum já existe em algum lugar (Nota do POP FANTASMA: ixe, acho que eu quis falar em horas e horas estudando teoria musical, essas coisas)

DEIXE UMA RESPOSTA