Connect with us

Destaque

POP FANTASMA apresenta Sombrio da Silva, “Músicas para ouvir chorando enquanto escorrega de costas na porta”

Published

on

POP FANTASMA apresenta Sombrio da Silva, "Músicas para ouvir chorando enquanto escorrega de costas na porta"

Desde que começamos o POP FANTASMA APRESENTA, uma prerrogativa da seção foi: não vamos dar entrevista pingue-pongue nunca. Só que, Dessa vez, resolvemos quebrar nossa própria regra e tá aí toda a conversa que tivemos com o compositor e multi-músico Sombrio da Silva.

Integrante do Satanique Samba Trio (que já esteve por aqui), Sombrio tem uma vida musical que, digamos, assusta: começou tocando clarinete em banda militar aos 11 anos e toca instrumentos como sanfona, clarone e teclado. Ele vem há anos integrando também outros projetos como Puta Romântica, Cigarras, Kervansarai, Joe Silhueta e a Orquestra Quimera. E lançou há pouco seu segundo disco solo, o absolutamente não-convencional Músicas para ouvir chorando enquanto escorrega de costas na porta.

Advertisement
>>> Tem playlist do POP FANTASMA: Música Popular Perturbadora

Apesar de Sombrio dizer que não pensou no assunto, o disco parece seguir uma ordem cronológica, passando por músicas como 2020 vai ser um ano maneiro, Acabou, Vai ficar tudo bem, menos o que não ficar bem e Só restou depois. Aliás, ele está bastante produtivo. Recentemente, na pandemia, saíram lançamentos como o EP Trilhas do sombrio (“este EP é uma paródia preguiçosa do álbum Trilhas do sol, da banda Joe Silhueta”, ele explica) e o primeiro álbum, Xablau (“é uma celebração à alegria do erro, uma coletânea de odes ao prazer do fracasso”, afirma). Também começou a fazer o Show do Sombrio da Silva – uma espécie de Caçulinha e Seus Amigos em formato psicodélico – em seu Instagram.

Confira o papo aí.

POP FANTASMA: Como tá sendo pra você passar pela pandemia? Está sendo um período bem fértil, já que você fez alguns discos, não?
SOMBRIO DA SILVA: Horrível. Mas sim, de fato está sendo fértil. Na verdade esse período fértil começou em janeiro de 2020. Foi quando eu resolvi tirar um monte de rascunho da gaveta, e com o apoio do Munha, deu no que deu. Mas se não fosse a pandemia eu com certeza estaria em um estado mental muito melhor e estaria mais produtivo do que estou hoje.

O disco Xablaus você disse que fez com um tecladinho da Xuxa. E nesse disco novo, o que você usou de equipamentos? Usei um computador, um controlador midi e um pedal de distorção.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando o LSD escondido num sintetizador por 50 anos fez um técnico viajar por nove horas

Como foi o processo de composição de uma música como 2020 vai ser um ano maneiro, já que se trata de uma música que, mesmo sendo instrumental, aborda um tema tão bizarro de maneira irônica? Não costumo ter muita consciência dos meus processos de composição enquanto crio. No caso dessa, em uma noite de abril de 2020 eu sonhei que estava naquele protesto de 2013 em que a galera invadiu o Congresso Nacional (eu de fato estive lá esse dia). Junto comigo estavam Negro Leo e Rogério Skylab. Os dois discutiam ferrenhamente sobre o significado político daquele evento e seus futuros desdobramentos, mas ao invés de palavras, cada um estava tocando um piano e eles debatiam com ideias musicais.

Advertisement

Quando acordei, corri pro computador a escrever o que consegui lembrar desse debate, e depois finalizei a música com as minhas próprias ideias. Depois de pronta é que percebi o quanto fazia sentido com o que eu estava sentindo naquele momento. Aquela expectativa de janeiro e fevereiro arregaçada pelo (até agora) maior e pior evento do século, misturada à constante sensação de impotência e confusão diante da situação política desde 2013, e também com uma pitada de alegria e otimismo pois apesar disso tudo eu estava conseguindo criar algo minimamente significativo.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Drama of exile, o disco de Nico que rendeu uma baita confusão

Uma coisa que tanto você quanto o Satanique têm é o uso de ironia mesmo em músicas instrumentais, seja na escolha de temas ou até de títulos de faixas. Os títulos levam às músicas ou o contrário? Com exceção dos xablaus, é sempre o contrário. E eu costumo preferir música instrumental e títulos vagos como meditação nº tal, xablau nº tal, etc, por conta da abertura para interpretação. Um dos maiores prazeres de lançar esses álbuns tem sido o retorno de quem ouve e pensa algo completamente diferente do que eu penso sobre as músicas. Mas a condução que o texto pode dar à música, seja no título ou na letra, pode ser muito interessante também, e vez ou outra eu gosto de experimentar com isso. E como para mim, a música que faço tem sempre uma dose de ironia, acaba que naturalmente os títulos refletem isso também.

O disco novo é organizado de maneira cronológica, como se fosse a vida de alguém? Não. Mas interessante essa ideia aí. Se a entrevista fosse em tempo real eu viraria o jogo e te perguntaria o porquê da pergunta (Nota do POP FANTASMA: tive essa impressão por causa da ordem dos títulos das faixas).

O programa que você fazia no Instagram continua? Está temporariamente suspenso. Quero retomar com cara nova e melhor trabalhado. Tenho escrito alguns esboços de roteiros e repensando a estética do programa. Uma hora apareço com um episódio novo de Show do Sombrio da Silva.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Os grandes sucessos de… Karlheinz Stockhausen?

E como foi aprender música no colégio militar? Você estudou lá? Vê contraste nisso com a liberdade musical que você tem hoje? Estudei lá sim, dos 10 aos 17 anos. Quanto à música, foi muito bom, na verdade. Por incrível que pareça, a banda de lá era um espaço em que eu me sentia muito à vontade e bastante livre. Mas fora desse ambiente da banda, era uma palhaçada sem fim (com exceção de um ou outro professor que era muito bom). O militarismo é a coisa mais ridícula que já vivi.

Advertisement

Você diria que o experimentalismo musical é facilitado pelo estudo? Quem estuda mais e tem mais acesso a técnicas musicais pode chegar a uma experimentação musical mais sólida? Ou na hora de compor vale sempre o não-convencionalismo? Cara, eu realmente não sei. Nesta pergunta eu viraria o jogo mais uma vez pra te perguntar o que é estudo. E o que é uma experimentação musical sólida. E o que é convencionalismo. A gente poderia conversar horas sobre isso sem chegar a conclusão nenhuma. E eu gravaria os piores trechos da conversa pra usar em um próximo álbum. Em algum universo paralelo isso deve ter acontecido e esse álbum já existe em algum lugar (Nota do POP FANTASMA: ixe, acho que eu quis falar em horas e horas estudando teoria musical, essas coisas)

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Advertisement

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending