Muita gente sabe dessa história, mas nosso dever é recontá-la. Em maio de 1970, Hunter S. Thompson, então autor de sucesso com sua reportagem-verdade Hell’s Angels, e jornalista, foi escalado pelo jornal Scanlan’s Monthly para cobrir a corrida de cavalos do Kentucky (o Kentucky Derby, enfim).

Ele e o ilustrador Ralph Steadman apareceram lá sem credenciais, cobriram a corrida de um local onde mal dava para ver os animais na pista mas observaram que havia algo mais maluco e esquisito para observar por lá: o comportamento brigão e beberrão dos fãs de corridas de cavalo. Os dois também beberam feito duas hienas e acabaram vivendo um pouco do que viam nos próprios espectadores das corridas.

Hunter S. Thompson acabou voltando de lá com um relato personalizado do que viram e viveram durante a corrida, que chamou de The Kentucky Derby is decadent and depraved (o derby de Kentucky é decadente e depravado, enfim). No texto, falava sobre suas impressões da localidade, sobre as frases homofóbicas que ouvia de outras pessoas no Kentucky, e descrevia a multidão de apostadores como um time de “bêbados delirantes, tropeçando, ficando cada vez mais furiosos quando perdem mais e mais dinheiro”. O texto de Thompson é tido como a aurora do jornalismo gonzo, no qual o repórter vira parte da própria reportagem.

Se você nunca leu o texto de Thompson, segue ele aí em inglês.

E se você quiser mais detalhes, tem o curta Gonzo @ The Derby, dirigido por Michael G. Ratner e feito para a ESPN. O documentário traz entrevistas com Ralph Steadman, com Sean Penn (um de seus grandes amigos) e até com Warren Hinckle, editor da Scanlan’s Monthly. A lembrança de como Thompson escreveu o texto e de como percebeu que sua própria depravação o levara a não ter (pelo menos de maneira formal) história alguma, é sensacional. Sem ter o que apresentar, ele acabou sendo forçado a entender que a história do que ele e Stedman haviam vivido lá em Kentucky era bem mais emocionante que o resultado da corrida.