Alguém jogou no YouTube episódios de um dos programas mais malucos já exibidos pela TV em todos os tempos. Dare to believe (Ouse acreditar) ia ao ar na ITV, no Reino Unido, entre 2002 e 2004. Era exibido num horário em que não traria maiores problemas à grade de programação: sempre nas primeiras horas da manhã. Se fosse para o ar no horário nobre, quebraria qualquer estação de TV. Apesar de ser vendido por aí como “comédia”, pouca coisa fazia realmente sentido na atração.

O site Reprobate Press deu uma recordada na atração e a classificou como tendo sido um programa de público-alvo bem específico: insones e seres humanos que chegavam de alguma balada no pub. Enquanto você se curava de algum porre ou lamentava por não ter conseguido pregar a porra do olho a noite toda, podia conferir gags que pareciam interrompidas pela metade, objetos piscando com a frase “o que é isso?”, um canteiro de obras com a frase “desculpe: o mundo é maluco”, e várias imagens tremidas.

Outro quadro bizarro: uma mini-atração chamada “aprenda xadrez” abria com um cara em trajes mínimos, dando vários golpes com uma pá na cabeça de um coitado que tentava falar num megafone (!).

Pra piorar só um pouco: o slogan do programa era “voe como um rato, corra como uma almofada, seja como uma pequena estante”. Patrick Allen, conhecido ator e dublador inglês, morto em 2006, fazia vozes e aparições na atração.

Boa parte do material do programa não é exatamente feito para rir – mas tudo é realizado num contexto tão dadaísta e bizarro que acaba parecendo engraçado. Obviamente Dare to believe não fez sucesso, saiu rapidinho da grade da ITV e, muita gente que viu, no máximo se recorda de não ter entendido direito a que hora era para rir.

Um sujeito é tão fã do programa que arrumou imagens de bastidores do Dare to believe e pôs num vídeo, incluindo várias descrições de personagens e esquetes recorrentes, como o do Agua Moose Man. Possivelmente esse seriado é maluco o suficiente para nunca conseguir virar atração da Netflix. Aproveite tudo o que estiver no YouTube.