Em 1988, o guitarrista, cantor e compositor Bobby Gillespie, líder da banda escocesa Primal Scream, decidiu – após alguma insistência do amigo e patrão Alan McGee, dono da gravadora Creation – conhecer a cena de house music que arrastava multidões de jovens na Inglaterra. Começaram a frequentar o Future, clube montado pelos DJs Paul Oakenfold e Danny Rampling, e tomaram contato com o movimento musical que até mesmo o jornal sensacionalista The Sun considerava como “o mais revolucionário desde o punk”. Ele e seus companheiros de banda saíram de lá apaixonados pela maluquice, pela criatividade e, em especial, pelas drogas – em época de profundo namoro da cultura pop inglesa com o ectasy.

Sem esse cenário, Screamadelica não teria acontecido. O terceiro disco do Primal Scream, lançado em 23 de setembro de 1991, resolvia um dilema pesado na história do grupo. Liderada por um ex-integrante do Jesus & Mary Chain, a banda tateou entre vários estilos nos primeiros anos sem ter uma cara própria. Em 1986, fizeram parte do rebote pós-punk da turma da fita C86 do New Musical Express (sua Velocity girl, que inspirou até o nome de uma banda conhecida do rock alternativo americano dos anos 1990, estava na fitinha). Voltaram como herdeiros dos Byrds, heróis do jangle pop e roqueiros clássicos nos dois primeiros discos, Sonic flower groove (1987) e Primal Scream (1989).

No terceiro disco, a banda misturava o que havia aprendido nos clubes, mas sem esquecer o amor por Rolling Stones (Exile on main street aparece como referência em vários momentos e Jimmy Miller, produtor de Beggars banquet, trabalhou em Screamadelica) e por Beach Boys (Pet sounds). As tais substâncias ilícitas contaram para a mudança, e muito – Bobby costuma dizer que o primeiro disco do PS foi inspirado pelo ácido, o segundo pelo speed e o terceiro, lógico, pelo ecstasy.

Loaded, o primeiro single, saiu bem antes do LP (em fevereiro de 1990) e já mostrava que o Primal Scream voltava disposto a construir suas músicas, como um produtor ou um DJ. A música incluía vários samples (o próprio grupo estava entre os sampleados) e um trecho do filme O selvagem. A revista Muzik, animada, chamou a canção de “Sympathy for the devil da geração ecstasy”. Gillespie fazia questão de se dizer a milhas de distância da cena rocker e classificava a música como “dub”.

Com gravação extensa (atravessou vários meses entre 1990 e 1991), Screamadelica teve seis singles – entre elas o belo Come together, cujo clipe é uma maravilha digital e pós-psicodélica. Sua elaboração foi marcada por momentos de total loucura em estúdio. Martin Duffy, tecladista, foi visto pulando na mesa de mixagem durante as gravações. A capa, um logotipo desenhado por Paul Cannell, colocava o disco mais próximo da acid house do que do rock. As primeiras turnês foram uma perdição de drogas e sexo. A banda começou a desmoronar por causa dos excessos.

Influência básica em projetos musicais como o Daft Punk, Screamadelica fez o jovem inglês sonhar e alargou os limites de liberdade musical no começo dos anos 1990. E mostrou o quanto ainda era possível inovar no rock e na música pop.

Outros discos de 1991 aqui.
Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.