Norman Blake, Gerard Love, Brendan O’Hare e Raymond McGinley, conhecidos coletivamente em 1991 como Teenage Fanclub, levavam uma vida de lama na época em que Bandwagonesque, seu terceiro disco, estava sendo gravado. Despertar a atenção da crítica com A catholic education (1990) não havia adiantado muito, financeiramente falando: McGinley mal tinha grana para pegar o ônibus para ensaiar, Blake usava o colchão do quarto para forrar a van alugada com a qual a banda excursionava. Os donos da gravadora com a qual a banda havia acabado de assinar, a Creation, davam festas de arrepiar, mas ainda estavam pensando de onde iam tirar a grana para pagar o estúdio em que o quarteto fazia o disco (gravado em pouco mais de um mês, por sinal).

A banda escocesa havia tido um “teste” micado do segundo disco, com The king (1991), um álbum displicente e bêbado, perdido na rescisão do contrato da banda com a Matador, seu primeiro selo. Bandwagonesque acabou ganhando lançamento nos EUA pela Geffen, o que ajudou bastante na divulgação do disco, e na chegada á MTV do clipe de Star sign – canção psicodélica a la The Byrds, mas com glacê punk. Aliás, isso rolou inclusive na MTV Brasil, despertando as atenções de muitos fãs verde-e-amarelos e detonando uma ondinha de power pop que dura até hoje (mas infelizmente nunca chegou ao mainstream).

Bandwagonesque disputou as atenções da crítica pelo posto de “melhor disco de 1991” com Nevermind, do Nirvana. Até hoje é comum achar gente que gosta mesmo é do álbum da banda escocesa, além de pessoas que conseguem lembrar exatamente o que estavam fazendo quando viram o clipe de Star sign pela primeira vez. Os dois discos (o do TC e o do Nirvana) têm diferenças básicas: Butch Vig poliu bastante o som da banda americana, e os escoceses são orgulhosamente sujos. “Não havia muita gente na época fazendo discos pop melódicos que fossem meio desleixados também. Os vocais não são brilhantes, a execução está boa… Não foi arrumada como muitos discos são hoje em dia. O disco captura jovens tentando se encontrar.É isso que eu acho que as pessoas percebem”, contou Norman Blake.

O álbum arrumou uma encrenquinha bizarra assim que chegou às lojas: Gene Simmons (Kiss) mandou uma carta à Geffen avisando que tinha registrado o design de um saco de dinheiro igual ao da capa do disco (!). “Eu disse ao nosso advogado: ‘Podemos simplesmente mandar Gene se foder?’ Ele disse que não, então demos a ele $ 500 e um crédito”, contou McGinley. Resolvido. Quanto ao TC, a banda existe até hoje, gravou vários outros clássicos, e ainda deve boa parte de seu público á formidável coleção de canções de  Bandwagonesque.

Outros discos de 1991 aqui.
Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.