Connect with us

Destaque

Dez sons para homenagear Mr. Chi Pig

Published

on

Dez sons para homenagear Mr. Chi Pig

Na semana passada, acordei com a notícia que o vocalista do SNFU Kendall Chinn (mais conhecido pela alcunha de Mr. Chi Pig) morreu, de causas ainda desconhecidas.

Não é de se surpreender, haja vista que há vários anos seu estado de saúde encontrava-se bastante fragilizado e inspirava cuidados, com várias turnês tendo sido interrompidas ou canceladas devido as suas constantes internações.

A coisa estava tão feia que, na última entrevista que concedeu (para a revista BeatRoute, em novembro do ano passado), o próprio Chi já estava desesperançoso. Afirmava que os médicos lhe deram pouco tempo de vida (sem revelar entretanto o porquê do diagnóstico) e que estava agora se dedicando à pintura, outra arte que o fascinava.

Filho de mãe alemã e pai chinês, Chi Pig cresceu num ambiente tumultuado, em uma casa humilde nos subúrbios de Vancouver, no Canadá. Seu pai chegou a ser preso. Segundo mais novo de uma família de doze irmãos (!!), foi fisgado na adolescência pela energia do fenômeno punk que começava a explodir e montou uma banda chamada Live Sex Show junto com os irmãos gêmeos guitarristas Brent e Marc Belke, que foram seus fieis escudeiros ao longo de boa parte de sua jornada na música.

Advertisement

Alguns meses depois o Live Sex Show trocou de nome para SNFU e a lenda começou a tomar forma. Porém, na mesma época, Chi Pig foi diagnosticado como esquizofrênico, fato que certamente explica muito suas letras bizarras e surreais.

Em 1988, o SNFU acabou pela primeira vez, devido a tensões internas. Depois disso, voltou somente em 1992. Em 2005, mais uma parada, dessa vez devido a saída do guitarrista Marc Belke. Mas principalmente ao vício em drogas que destruiu Chi Pig, que fez com que ele perdesse todos os dentes e até mesmo sua casa.

No ano seguinte seus amigos próximos, comovidos com sua situação, arranjaram um emprego para ele num bar onde rolavam shows, fazendo Chi Pig se reanimar e remontar o SNFU. Desde então a banda teve centenas de formações diferentes e até chegou a lançar um disco de inéditas em 2013 intitulado Never trouble trouble until trouble troubles you, mas as apresentações foram ficando cada vez mais raras até 2017, quando as idas e vindas de Chi dos hospitais passaram a ser tão constantes que inviabilizaram turnês.

Se você amigo(a) leitor não conhece a banda e ficou interessado em conhecer, a hora é essa. Nós do POP FANTASMA separamos uma música de cada um dos seus trabalhos para você desde já começar a se familiarizar com a obra dessa figura ao mesmo tempo tão intrigante quanto fascinante que foi o Mr. Chi Pig. Divirta-se, e ouça no volume máximo, e vamos de disco em disco.

“AND NO ONE ELSE WANTED TO PLAY” (1984). Seu tosco e nervoso álbum de estreia é um trabalho que mostra o SNFU ainda num estágio embrionário. É nítido que Chi Pig ainda está aprendendo a empostar sua voz e a banda, aprendendo a compôr. Ainda assim, músicas como Cannibal Cafe e Broken toy fizeram parte do setlist dos shows até os últimos dias. Outro sons marcantes são She’s not on the menu (onde Chi começa a dar mostras do seu senso de humor maluco) e Seeing life through the bottom of a bottle, com sua guitarra rasgada, uma das favoritas deste que vos escreve.

Advertisement

“IF YOU SWEAR, YOU’LL CATCH NO FISH” (1985). Considerado seu melhor disco por nove entre dez fãs, If you swear… é recheado de clássicos. Tem I forget, Eletric chair, Where’s my legs?, Better homes and gardens (que fez parte da trilha sonora de jogo de Playstation 2 Tony Hawk’s underground). E claro, como eu não poderia deixar de citar, Mind like a door, com certeza a música mais doida que já gravaram.

“BETTER THAN A STICK IN THE EYE” (1988). Último disco lançado antes de sua primeira separação, é um trabalho mais melódico que os anteriores, já meio que antecipando o que fariam nos anos 1990. Além do inusitado cover de Wild world do Cat Stevens, temos algumas tentativas de fazer letras mais maduras como em Tears, mas o que predomina é o bom humor de sons como Happy switch, GI Joe gets angry with human kind e a hilária Time to buy a futon.

“THE WONGS” (1990). Após encerrarem as atividades, Chi Pig montou o grupo The Wongs, que durou pouco tempo, mas chegou até mesmo a abrir shows do Nirvana. Tudo que gravaram foi EP raríssimo de encontrar chamado Don’t fuck with the wongs (frase tirada do filme A gangue da pesada, de 1979). Tão raro que eu não encontrei absolutamente nada sobre ele no Youtube, apenas uns sons da fita demo que eles gravaram antes. A coisa é tão obscura que nem quem postou sabe o nome das músicas, mas dá pra curtir mesmo assim numa boa. Essa é supostamente I ask myself</em).

Advertisement

“SOMETHING GREEN AND LEAFY THIS WAY COMES” (1993). Quando o SNFU acabou em 1988, ficou devendo um disco para a gravadora Cargo Records. A forma de resolver a questão foi entregar alguns b-sides e raridades e assim a coletânea The last of the big time suspenders viu a luz do dia. Para divulgá-la, resolveram se reunir para fazer alguns shows. Como a resposta do público foi muito boa e a química entre os integrantes voltou a fluir, eles se empolgaram e remontaram a banda.

Para melhorar, nessa época a Epitaph Records estava começando a se estabelecer como a casa da cena hardcore que estava eclodindo. O CEO da gravadora, Brett Gurewitz, fã que era do SNFU desde os primórdios, não perdeu tempo e tratou de contratar Chi Pig e o SNFU. Mas o resultado não foi dos melhores. O disco pra falar a verdade é fraco, sem foco e algumas músicas como Joni Mitchell tapes chegam a constranger de tão esquisitas.

Mas mesmo assim, Something green… vale pela violenta Reality is a ride on the bus e pela angustiada Painful reminder. Que é um dos maiores hits da banda. Por sinal, nessa letra Chi Pig assume sua homossexualidade, falando de uma paixão platônica que sentiu por um professor durante o tempo que esteve no colégio.

“THE ONE VOTED MOST LIKELY TO SUCCEED” (1995). Se o trabalho anterior causou estranheza, The one voted… colocou o SNFU novamente na trilha do bom e velho hardcore melódico de sempre. Além de Big thumbs e Eric’s had a bad day, que chegaram a tocar na MTV no Gás total, tivemos as divertidas Rusty rake, Drunk on a bike e Bizarre novelties (essa última com a singela estrofe “É impossível peidar / com uma cenoura enterrada no c*”). E a furiosa A better place, que agora com a morte do Chi Pig, ganha contornos quase melancólicos com seu refrão “ela faleceu e foi pra um lugar melhor”.



“FYULABA” (1996).
Acrônimo para Fuck you up like a bad accident (aliás, por que todo disco da banda tinha um título com sete letras?? Agora que Chi Pig se foi, jamais saberemos…), é certamente seu trabalho mais pesado. Tanto público quanto crítica não curtiram muito, o que fez com que a Epitaph rescindisse o contrato com eles após a turnê de divulgação. Tem sons interessantes como Stepstranger, Fate (cujo clipe também teve veiculação discreta na MTV Brasil) e Don’t have the cow. Mas no geral, é realmente um pouco repetitivo.

Advertisement

Inesperadamente, FYULABA foi o único disco do SNFU lançado no Brasil pela extinta Paradoxx. Por sinal, com um erro absurdo. Havia uma faixa escondida antes da primeira música. Mas aqui, sabe-se lá porque, essa faixa escondida ficou no lugar da música!!! Isso pra não falar que algumas músicas acabavam pela metade!!! Bizarro é pouco!

“PING PONG EP” (2001). Como estavam há muito tempo sem apresentar novidades, lançaram esse EP que consistia de cinco sobras de estúdio das sessões do FYULABA pela gravadora do Jello Biafra (Alternative Tentacles). Mas só a faixa Slavedriver já vale pelo disco inteiro.

“IN THE MEANTIME AND IN BETWEEN TIME” (2004). É até difícil de acreditar, mas mesmo após tantas dificuldades, com saída de vários integrantes (inclusive de uma peça chave, que foi o guitarrista Brent Belke), o SNFU conseguiu se manter firme e lançou um dos seus melhores e mais consistentes trabalhos. Além de músicas fortes como Head smashed in Buffalo jump, Elaine Elaine e If I die, will you die?, temos Cockatoo quill, sobretudo a letra mais pessoal e confessional que Chi já fez. Nela, abre seu coração de forma corajosa e deixa claro como seu vício em drogas está destruindo sua vida.

Aliás, importante frisar também que a versão em vinil desse disco do SNFU tem dois covers como bônus: Uncontrollable urge, do DEVO e Operation, do Circle Jerks.

“NEVER TROUBLE TROUBLE UNTIL TROUBLE TROUBLES YOU” (2013). O último disco do SNFU tem alguns bons momentos, como na enérgica faixa de abertura Voodoo doll collector e do cover de New rose, do Damned, mas no geral passa uma sensação de tristeza, pois Chi Pig já mostra o quanto está debilitado e sem voz, tendo dificuldade até de articular as palavras após perder seus dentes. Caso tivesse sido gravado quando a banda estava no auge, talvez Never trouble… fosse um discaço. Mas da forma que ficou, é difícil não sentir uma certa melancolia e dó pelo estado de saúde do Chi.

Advertisement

Ah, claro, e não posso terminar sem recomendar também o documentário Open your mouth and say Mr. Chi Pig, de 2010. Nesse filme, Chi expõe detalhes da sua conturbada infância, seus problemas com drogas e sua esquizofrenia com dilacerante honestidade. Além disso, figuras da cena punk como Jello Biafra, bem como integrantes do Black Flag, Youth Brigade e D.O.A. traçam um perfil de sua personalidade, tão problemática quanto adorável. RIP, Chi!

E aproveite e pegue aí James Hetfield (Metallica) com uma camisa do SNFU.

Dez sons para homenagear Mr. Chi Pig

Veja também no POP FANTASMA:
– Dez clássicos do punk pop dos anos 1990 – descubra!

Advertisement

LUCIANO CIRNE é jornalista, flamenguista, casado, ama cachorros e aceita doações de CDs, DVDs, videogames e carrinhos!

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Advertisement

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending