Um designer italiano chamado Emanuele Abrate resolveu redesenhar alguns dos logotipos conhecidos como sendo os piores logos do mundo – enfim, aqueles ícones gráficos que, por causa de péssimas escolhas do designer, acabaram parecendo mais com gente transando, ou com apelos à pedofilia, ou alguma bizarrice do tipo.

Um deles foi um hipotético Instituto de Estudos Orientais (não achei referência segura a esse instituto na internet). Que, após o trabalho de Emanuele, deixou de parecer com… isso aí que você tá vendo. E ganhou outra cara.

“Eu queria manter o conceito inalterado, trabalhando no espaço negativo e aprimorando a figura do pagode”, contou ele, que ainda por cima alinhou a figura com a tipografia usada.

A empresa japonesa Kudawara Pharmacy também ganhou redesenho. Olha aí.

“O logo original tem mau uso da tipografia, elementos desproporcionais e uso defeituoso de formas que cria uma mensagem ambígua”, contou Emanuele. “Usei formas simples para criar a letra K e dar uma sensação de confiança ligada à natureza. No espaço negativo, você também pode ver uma cruz (um elemento distinto no campo farmacêutico)”.

A Fire Prevention Products, cujo logotipo original não serve nem mesmo como demonstrativo da expressão “fogo no rabo” (muito pelo contrário), ganhou outra cara.

“O logotipo original sugere que algo ‘lá em baixo’ está pegando fogo, uh là là!” brincou o designer italiano. “Foi por isso que decidi desenvolver um novo conceito a partir de formas circulares que envolvem a figura de uma chama no espaço negativo”.

Veja todas as imagens nas quais o designer mexeu aqui.
Créditos originais das imagens: emanueleabrate.com