Connect with us

Notícias

Começou o IV Rock Horror Film Festival

Published

on

Começou o IV Rock Horror Film Festival

A quarta edição do Rock Horror Film Festival está no ar e vai até o dia 14 de novembro na plataforma Reserva Imovision, com uma seleção de 54 filmes de 20 países. Os filmes oferecem várias categorias de medo, do mais brando ao mais pesado. Saiba como ver os filmes no site do festival.

Na categoria Longas Sinistros, nove longas que vão desde o terror até o sci-fi com muitos sustos, efeitos, mindtwists e tramas arrepiantes. Entre eles estão os americanos Girl next, de Larry Wade Carrell; Death cast, de Bobby Marinelli; e American cannibals, de Charles David Ruiz III e John Rainwaters. Todos os diretores participarão de mesas redondas com Chrys Rochat, diretora do festival, no canal do YouTube do evento. Outro destaque é a saga brasileira O cemitério das almas perdidas, de Rodrigo Aragão.

Na seleção Médias Bizarros uma variada gama de assuntos em cinco médias: os brasileiros Um conselho, de Rubens Marinelli e Daniela Cortez; Story.Telling, de Fábio Brandão; além do alemão Computerliebe, de Mathias Götz. Na vasta seleção de Pílulas de Medo, algumas curiosidades como os filmes que retratam sketches da pandemia de forma criativa como o israelense While we were home, de Gil Vesely e o uruguaio Made in China, de Ale Damiani.

Há também animações como o argentino Anacronte, de Raúl Koler e Emiliano Sette; o russo Boxbalet, de Anton Dyakov; além do holandês Camouflage, de Remco Polman e Re-animal, de Ruben Garcerá Soto. Além disso, o festival também tem shows (as Rock Nights), que vão até o fim do festival, trazendo nomes como Los Idolos Del Momento, Laranjeletric e Junior Del Campo.

Advertisement

Continue Reading
Advertisement

Notícias

Pessoa: dos dramas da pandemia às alegrias do verão

Published

on

Se você piscar o olho, o músico e compositor baiano Leandro Pessoa surge com uma música nova, ou até um EP novo. Durante a pandemia, ele produziu bastante: quando batemos o papo abaixo, ele estava lançando um clipe, Azoada, sobre os problemas enfrentados por músicos que gravam em casa e enfrentam vizinhos que fazem obras. Dessa vez, o clima já mudou um pouco e ele lançou até uma canção mais alegre, O verão chegou, feita para festejar o começo de 2022. De 2020 para cá rolaram também dois EPs, Surreal e Não fique jururu. Pessoa (como é mais conhecido) andou privilegiando bastante a composição de músicas curtas, do tipo que prendem rapidinho a atenção do ouvinte.

Batemos um papo com ele e Pessoa falou um pouco sobre como ficou a produção dele durante a pandemia, além das novidades (foto: David Lingerfelt/Divulgação)

Primeiro, me parece que você fez muita coisa durante a pandemia: EP, clipes, alguns singles, um EP em 2020 que foi um experimento (só canções bem curtas)… Isso de lançar e criar várias coisas é comum para você ou foi algo que veio no momento do isolamento?

Advertisement

O contexto de isolamento pandêmico me levou a olhar para o baú de canções, dedicar tempo e atenção a elas; percebi uma oportunidade de me reconectar com inquietações artísticas que estavam adormecidas. Aos poucos foi caindo a ficha de que produzir música pra distribuir na rede seria uma maneira de seguir o fluxo de criação em que me encontrava no fim de 2019. Meses antes da pandemia tinha acabado de lançar o show do Esse é pra tocar no streaming e em pouco tempo aquilo foi se tornando a memória de um outro mundo.

Hoje sinto que essa decisão me aproximou da dimensão terapêutica que há na criação, essa possibilidade de suspensão de uma lógica da produtividade, de me permitir sair do uso constante das telas e somente respirar na Arte. Eu acho que desde a adolescência cultivo um ritmo de criação, na ideia de que uma música puxa outra, mas acho que esse movimento de lançar as criações veio mesmo com a Pandemia, quando saquei a possibilidade da produção à distância através do homestudio. Foi nesse sentido que decidi arregaçar as mangas e sentei pra escrever canções com os sentimentos que me inquietavam naquele início de quarentena, como A lei, Big data, e Surreal – que acabaram se juntando a outras que estavam no baú – O bom filho a casa torna e Bufo Alvarius.

A pandemia e questões ligadas a ela serviram de inspiração para algumas canções, como Mania de zap, Rock dá saudade e Azoada. Você sentiu que diante dessa novidade, não teria como não ser influenciado por este tema? Como foi?

Cara, quando o contexto pandêmico se apresentou busquei olhar para o mundo com novos olhos: foram tantas mudanças, adaptações, novas experiências… que só mesmo a Arte pra tentar dar conta, eu disse pra tentar. Foi um período em que me aproximei de pessoas que também buscaram digerir esse novo momento através da Arte. E na minha expressão isso teve início com o movimento do EP Surreal, que tem um aspecto mais introspectivo, e veio desembocar no EP Não fique jururu, que busca diálogo com o que foi possível aprender na vivência da quarentena.

Pra mim foi mesmo inevitável buscar uma conexão com as situações cotidianas, levá-las às músicas e tentar assim assim nutrir o elo com as pessoas, porque o convívio social se tornou algo muito restrito. Em alguns momentos eu me sentia numa mesa de bar, feito quando a gente conta para desconhecidos uma resenha de alguma experiência fantástica da vida, sabe? E foi nessa que acabei escrevendo sobre o novo normal, sobre a saudade de shows, o uso abusivo das redes, sobre a obra do vizinho…

Advertisement

Aliás como foi quando você soube que rolaria o isolamento? Estava com shows marcados ou algo assim? Como tava sua vida profissional na época?

Cara, no primeiro momento foi bem difícil: tinha planos de gravar um compacto ao vivo com a banda e parte dos recursos para essa gravação viriam de circular com o show que a gente tinha montado. E de repente o mais seguro e saudável pra todos nós seria suspender os shows, não ter mais os ensaios. Foi dureza. Essas músicas, inclusive, continuam inéditas, agora é que estou começando a movimentá-las de novo para gravar. Nessa eu tive de vender equipamentos, investir no homestudio, trocar de computador. Comecei então a produzir as músicas à distância e começaram a pintar alguns trabalhos com jingles, spots, vinhetas.

Azoada veio de uma história real?

Sim, é uma história real com pitadas de ficção. Durante o período pandêmico convivi com três obras grandes aqui na residência. A primeira foi uma geral no térreo do prédio, daí quando começou a segunda, no apartamento do vizinho de cima, pintou a ideia de escrever a música. Eu tinha de gravar um vocal para um jingle, mas não conseguia porque a zoada da obra estava sendo captada pelo microfone. Comecei a cantarolar o refrão – “azoada não deixa, azoada não deixa”- e criei um desabafo no meio daquela barulheira, registrando a situação. A parte do vizinho ter viajado e largado a obra nos ouvidos da vizinhança é que foi a pitada de ficção.

Quem são os personagens do clipe de Azoada e de onde vieram aquelas imagens de obra?

Advertisement

O personagem do vizinho eu prefiro manter sob sigilo. O clipe conta com duas participações especiais de produtores musicais que também vivem esse dilema de trabalhar em casa com obras na vizinhança: Marcela Bellas e Carlos Vilas Bôas, vale muito conhecer o trabalho deles. Já as imagens das obras foram retiradas da internet: existe um universo de influencers que ensinam como você mesmo pode resolver as coisas estruturais da sua casa, como por aqui eu não estava em obra, meu exercício foi selecionar de imagens que melhor interagissem com as que tinha produzido de cá.

Você costuma contar várias histórias nas letras. As músicas surgem das histórias? Ou você começa a escrever e aí vai vendo?

Comigo acontece das duas maneiras, mas o mais recorrente é encontrar a letra uma melodia. Essa melodia geralmente surge cantarolando em um idioma inventado, de onde irei tentar pescar palavras. Fico um bom tempo nessa prosa com a melodia, que é também uma escuta interna até chegar nas palavras. Assim as histórias surgem à medida que as palavras vão sendo escolhidas, o que vai ser contado na letra tem como ponto de partida essa descoberta melódica.

Como estão seus planos para novos discos em 2022 e como tá sendo essa volta aos shows?

Para 2022 vou começar trabalhando no lançamento de dois singles pelo selo Aquahertz Corporation, em um novo encontro musical com o produtor Marcelo Santana (com quem gravei Acorda, irmão). São faixas com sabor de verão e que buscam oferecer para o ouvinte momentos de contemplação e prazer. Estou trabalhando também um EP inédito que reúne canções de reggae e que deve ser lançado no segundo semestre.

Advertisement

Ainda não tenho previsão para shows, mas já retomei os ensaios e estou mergulhado na construção de um repertório que contemple as músicas já lançadas até aqui, a vontade de tocá-las ao vivo e de reencontrar o público só aumenta, mas sinto que ainda temos de ser prudentes com o controle do contágio.

O que você tem feito aí no seu homestudio? Têm rolado coisas para outras pessoas?

Aqui no homestudio faço pré-produções de músicas do trabalho autoral e envio elas em faixas separadas para o produtor com quem estou trabalhando no momento. Daí, a partir de videochamadas, vamos desenvolvendo em cima desse material. Tenho me arriscado também na mixagem com drops musicais que divulgo nas redes sociais. De cá trabalho também para outras pessoas, em geral a partir de quem já conhece o meu trabalho na música e convida ou indica. Algumas coisas inusitadas pintaram na pandemia: um jingle para um coletor de cobras, outro para um vendedor de coco e um repente para uma campanha de cuidados com a diabetes. Vamos que vamos!

Advertisement
Continue Reading

Notícias

Pequeno Imprevisto: um selo cheio de assunto

Published

on

Pequeno Imprevisto: um selo cheio de assunto

O selo paulistano Pequeno Imprevisto (cujo nome foi tirado de uma música dos Paralamas do Sucesso) não quer ser apenas uma gravadora. Montado com o jornalismo no DNA, ele se apresenta como uma plataforma de histórias, na qual cabem um site bastante informativo, e vários outros projetos, como canal de vídeo e podcast. Além de vários novos lançamentos – como o disco novo de Flavio Tris, do qual o Pop Fantasma falou na semana passada. Fomos bater um papo com Eduardo Lemos (jornalista e pesquisador musical) e Otavio Carvalho (músico, compositor e produtor), os criadores do selo, para descobrir como é ter uma gravadora que, além da música, põe o foco em novas ideias para divulgar música.

O site de vocês é bem informativo e funciona como um site de conteúdo mesmo, com informações sobre as bandas/artistas, notinhas, etc. Como chegaram a essa riqueza de conteúdo?

Eduardo Lemos: Eu sou jornalista e eu sempre comentava com o Ota como estavam acabando ou diminuindo drasticamente os espaços para um bom jornalismo sobre música. O Ota, como músico, sempre deu muita importância para a imprensa, ele sempre mostrou entusiasmo com isso. Daí a gente chegou na ideia de “vamos fazer isso a gente mesmo”, ou seja, que o selo poderia ser ele próprio um veículo jornalístico, dentro das nossas limitações, é claro.

Fizemos algumas reportagens exclusivas, com pauta, apuração, entrevistas e edição assinadas por nós, como uma matéria sobre como outros países estavam ajudando os músicos no começo da pandemia, de autoria da jornalista Carime Elmor; uma outra sobre a relação afetiva dos músicos com seus instrumentos musicais, assinada pelo jornalista Alfredo Araújo. Também criamos séries em vídeos como Uma canção para salvar o mundo, especialmente para o YouTube, e o nanopodcast, episódios de até 1 minuto sobre os nossos lançamentos, feito para o Instagram. Estamos nos preparando para investir mais nisso em 2022.

Advertisement

Queria saber um pouco sobre o que vocês andavam fazendo antes do selo.

Otávio Carvalho: Eu e Edu nos conhecemos em 2014, numa entrevista que ele estava fazendo para o Azoofa e já de cara descobrimos diversas afinidades e começamos a trabalhar juntos em diversos projetos. Eu sou sócio da produtora de áudio/estúdio Submarino Fantástico, trabalho compondo trilhas para streaming, TV e cinema, produzo e mixo discos, toco com minha banda Vitrola Sintética e acompanho os artistas Paulo Miklos, Gustavo Galo e Meno Del Picchia. O Edu é jornalista musical, tem uma empresa que trabalha conectando música e marcas, outra que faz comunicação de artistas, já produziu diversos shows, criou o projeto Nick Drake Lua Rosa, em homenagem ao Nick Drake…

Enfim, nossos universos são muito amplos e tínhamos mais ideias que queríamos colocar no mundo e descobrimos que um selo poderia ser um caminho, tanto para ajudar artistas a colocarem e sustentarem suas obras no mundo, quanto para abrigar nossas loucuras.

Além do site, o que mais vocês estão pensando para levar as propostas do selo adiante? O site do Pequeno Imprevisto fala em cursos, publicações impressas, etc.

Eduardo Lemos: Pois é. O maior motivo da gente ter criado o selo, a ideia que nos fez entender que o selo poderia fazer alguma diferença, é a de que os lançamentos musicais (discos, EPs, singles) tem uma vida útil cada vez menor, tudo fica velho num piscar de olhos, e todo aquele trabalho que o artista levou meses, às vezes anos para construir, e que ele investiu uma grana, de repente deixa de ser interessante para o público, a imprensa, os contratantes de shows. Como fazer essa vida útil ser maior? Com cada artista, a gente faz esse exercício de “tá bom, o disco sai tal dia e a estratégia é essa, mas o que vamos fazer para manter esse disco vivo depois?”.

Advertisement

Na nossa visão, criando oportunidades para que estes trabalhos continuem vivos depois de lançados. Com o Gustavo Galo, por exemplo, nós criamos um curso chamado Eu quero mesmo é isso aqui, em que ele ministra aulas sobre a relação entre a poesia e a música. Com o Luiz Gabriel Lopes e o Lucas Gonçalves, criamos eventos no zoom em que eles puderam receber os fãs e trocar ideias sobre os discos que eles haviam acabado de lançar. Para a Cao Laru, fizemos uma série de podcasts.

Como o lançamento de um disco ou de um artista do selo é pensado e trabalhado?

Eduardo Lemos: Às vezes, o disco chega pronto pra gente, foi o caso com o Flavio Tris (Vela) e o Juliano Abramovay (Amazonon). Em outros casos, nós participamos da direção artística do álbum, às vezes atuando na própria gravação, como rolou com a Cao Laru (Libre), que gravou o disco inteiro no estúdio do Ota, e Luiz Gabriel Lopes (Presente), que o Ota masterizou as faixas.

Uma vez com o disco pronto, a gente começa a definir as estratégias de lançamento, que basicamente se dividem em (1) datas: discutir com o artista qual será o primeiro single e quando ele será lançado, se haverá um segundo e qual será esta data etc e quando o álbum sai completo, e se será apenas digital ou físico; (2) imprensa: escrever release, selecionar fotos e vídeos de divulgação, definir com quais jornalistas vamos falar e qual será a abordagem; (3) streaming: reunião com a distribuidora para falar sobre o lançamento, pensar sobre possíveis playlists que se encaixam no perfil daquele disco ou single, fazer o upload deste conteúdo na plataforma e acompanhar o trabalho deles; (4) ações paralelas: aqui, depende do que cada artista precisa. Alguns precisam de um apoio maior na comunicação, então a gente chega junto com ideias e produções. Outras vezes, é o caso de viabilizar um LP. Aí é caso a caso mesmo.

Há quem reclame do excesso de lançamentos que chegam hoje às plataformas, que muitas vezes não dá tempo de lançar e trabalhar tudo… Como vocês veem isso?

Advertisement

Eduardo Lemos: Alguém me deu um número esses dias, tipo 40 mil novas faixas entram no Spotify todos os dias. A probabilidade de a sua música virar uma gotinha neste oceano é enorme. Como aprendi com a pesquisadora e consultora Dani Ribas, cada artista hoje está disputando a atenção do público não só com outros artistas, mas também com o Instagram, com o TikTok, com a Netflix, enfim. Não há saídas fáceis para uma guerra deste calibre, mas com certeza não lançar música não é uma saída.

Arriscaria dizer que o caminho mais seguro, neste momento, é fortalecer a relação com seu público, seja ele formado por uma, dez, mil ou 5 milhões de pessoas, e criar novas formas de atrair gente para ouvir o seu trabalho, seja por meio de vídeo, áudio, cursos, shows. E, sempre, sempre, tentar fazer as coisas com antecedência, pensando com atenção cada etapa deste lançamento. Apenas colocar um disco no mundo é implorar para ele virar a gotinha do oceano.

Às vezes, a gente ainda sonha que existe aquele ouvinte ideal, que vê o post no Instagram anunciando o lançamento do álbum, para tudo que ele está fazendo, apaga as luzes, abre um vinho e coloca o disco pra rodar. Ou que a gente não precisa fazer nada, basta colocar o disco no mundo e as pessoas o entenderão naturalmente. Talvez uma ou duas ainda façam assim – e meu muito obrigado a elas! -, mas se o artista quer que o seu trabalho seja financeiramente sustentável, ele precisa atingir mais do que uma ou duas pessoas.

Vocês pensam em investir em formato físico também?

Otávio Carvalho: Sim! É onde temos focado um pouco da nossa energia para 2022. Nós fizemos um vinil do disco Libre da Čao Laru em parceria com a banda, e acabamos de produzir uma fita cassete comemorativa dos 15 anos de carreira do Luiz Gabriel Lopes. Agora estamos planejando outros formatos para o físico, que não só os convencionais.

Advertisement

No que a pandemia afetou os rumos do selo?

Eduardo Lemos: É até engraçado isso: o selo nasceu oficialmente no final de fevereiro de 2020. 15 dias depois, o Brasil entrou em lockdown. Daí a gente brincava que Pequeno Imprevisto era um nome bastante conveniente pra situação… Rs! Alguns planos foram por água abaixo. Inicialmente iríamos vender alguns shows dos artistas, atuando especialmente no booking de shows de lançamento; havia um desejo de fazer eventos do selo ao ar livre e até um
festivalzinho nosso em algum momento. Na pandemia, fizemos lives com o Lucas – que lançou o Se chover; via show no Youtube – e algumas ações no Zoom e no Instagram. Também optamos por seguir em frente com alguns lançamentos, como o Libre e o Se chover – na época havia muita dúvida se valia a pena esperar a pandemia “acabar”.

Mas acho que uma das coisas mais legais que fizemos foi o projeto Singles Imprevistos, em que juntamos artistas que nunca haviam gravado juntos para fazer isso à distância, cada um da sua casa. Virus uniu André Abujamra e
Cao Laru, Pedido trouxe Lucas Gonçalves, Amarelo, Biel Basile (do Terno) e Zé Ruivo.

O quanto Paralamas do Sucesso é uma banda importante pra vocês? O selo já chegou até eles? Eles já souberam da homenagem?

Advertisement

Otávio Carvalho: Nós dois somos apaixonados pela obra dos Paralamas do Sucesso e essa foi a primeira conexão entre nós. No dia em que nos conhecemos. Mostrei para o Edu uma versão da música Trinta anos, que fizemos com o Vitrola Sintética, no ano em que Os Paralamas fazia trinta anos e nós, integrantes do Vitrola, também. Isso foi com menos de meia hora de papo e esse papo se estende até hoje.

Eduardo Lemos: Eu trabalho com os Paralamas desde 2008, como responsável pela comunicação digital deles, junto com o jornalista Rafael Michalawski. Sou fã deles desde os cinco anos, quando minha mãe conta que eu ouvi o Big bang, e ficava pedindo pra ela colocar o disco pra tocar infinitas vezes. Passei minha infância, adolescência e início da vida adulta completamente obcecado pela obra da banda e do Herbert solo, e ainda sou. Quando rolou a ideia do selo, eu brinquei com o Ota de que o nome teria que vir dos Paralamas. Fiz uma lista com diversas palavras que estão espalhadas nas músicas deles, e de títulos de canções. Ali eu já tinha escolhido emocionalmente o que eu queria: Pequeno Imprevisto (da música Um pequeno imprevisto).

Mostrei pro Ota, ele leu a lista e me falou: “Curti muito um nome: Pequeno Imprevisto”. Era pra ser. Eu nunca comentei oficialmente com eles: “Olha, eu tenho um selo cujo nome é uma homenagem a vocês”, mas acho que nem precisa… Rs! O que eu acho mais legal disso tudo é que o Herbert fez essa música quando ele tinha a idade que eu e Ota tínhamos quando criamos o selo, e a ideia que a letra traz – o completo ridículo que o ser humano passa por tentar controlar as coisas – se conecta tanto com o momento em que estamos vivendo.

Advertisement
Continue Reading

Notícias

Fanzine virando biblioteca, oficina e objeto de estudo em Macaé (RJ)

Published

on

Fanzine virando biblioteca, oficina e objeto de estudo em Macaé (RJ)

Se tem gente por aí dizendo que os fanzines são uma mídia antiga e que as pessoas só querem saber de internet, é uma excelente oportunidade para essa pessoa conhecer a turma do Projeto IFanzine, conduzido pelo designer e cartunista Alberto Carlos Paula de Souza (o popular Beralto) no Instituto Federal Fluminense campus Macaé, Rio de Janeiro. Desde 2013, o projeto promove oficinas de fanzine e quadrinhos, e em 2017 passou a ter uma fanzinoteca, para abrigar tanto o acervo local quanto o de outros autores.

O IFanzine tem também produção própria: o zine Peibê, surgido em 2016, que já ganhou até prêmio (o Troféu Angelo Agostini na categoria fanzine). A sede da fanzinoteca tem abrigado trabalhos, mostras, encontros entre alunos e fanzineiros, além das oficinas. E fomos lá bater um papo com o Beralto pra saber o que eles andam fazendo.

Como começou seu relacionamento com os fanzines?

Nos anos 1980. Conheci o primeiro, o Notícias dos Quadrinhos do Ofeliano Almeida, do Rio de Janeiro. Daí me encantei com o mundo dos zines, especificamente os zines de quadrinhos, que é a minha praia. Daí publiquei meus quadrinhos em vários zines da época, Mutação (RS), Politiqua (RS), Aventura (RJ), Marca de Fantasia (PB), Hiperespaço (SP), etc.

Aliás, como começou a estudá-los e colecioná-los?

Advertisement

Bom, o primeiro zine foi apresentado por um professor na época do ensino médio. Também as revistas Calafrio e Mestres do Terror da Editora D’Arte tinham uma sessão de cartas com anuncio de zines e daí, achando os primeiros zines, a gente achava o fio de ariadne pra transitar e interagir na nossa mídia social analógica.

Já estudar zine ou aplicá-lo na educação foi há cerca de 13 anos, quando comecei a trabalhar como servidor no Instituto Federal Fluminense campus Macaé RJ, uma escola pública da rede federal de ensino profissionalizante. O projeto de zines é uma ação de extensão acadêmica. Nesse contexto começamos a resgatar a paixão pelos zines nesse ambiente do ensino e aprendizagem e vem dando certo, a ponto de termos conseguido em 2017 um espaço físico para montar uma Fanzinoteca.

Fanzine virando biblioteca, oficina e objeto de estudo em Macaé (RJ)

Beralto (esq.) durante oficina de fanzine em escola pública

Como foi que os fanzines chegaram ao Instituto Federal Fluminense?

A partir dessa nossa proposta de oportunizar para os estudantes a proposta Do It Yourself de customizar a mídia tátil com o jeito livre, expressivo e autoral. E ao mesmo tempo apresentar aos educadores o zine como uma ferramenta acessível como estímulo à produção textual e como ferramenta avaliativa.

Fale um pouco sobre o impacto que o projeto provocou no universo dos fanzineiros. Muita gente procura vocês?

Na nossa região circulamos pelas escolas públicas promovendo oficinas de zines e em eventos culturais, eventos de rua e eventos acadêmicos. Fizemos oficinas para idade de 8 a 80, (sem exagero) e para público de ensino fundamental à pós-graduação.

Advertisement

A partir da criação da Fanzinoteca passamos a receber também a visita de caravanas de estudantes, que não vêm apenas para conhecer a casa dos zines, mas conhecer a escola como um todo, mas a Fanzinoteca passou a fazer parte do tour dos alunos potenciais candidatos do processo seletivo de ingresso na escola. Os jovens com aptidão para as artes ficam encantados.

Quanto à comunidade zineira, desde a criação do projeto em 2013 temos feito parcerias, e temos recebido doações generosas de autores e aficionados da cultura zineira. E somos muito gratos à comunidade zineira por todo apoio. Temos realizado também a Mostra Peibê de Zines e Publicações Independentes que reúne autores veteranos com os novos talentos revelados pelo projeto.

Fanzine virando biblioteca, oficina e objeto de estudo em Macaé (RJ)

Trabalho de língua portuguesa na fanzinoteca

O que você tem guardado na fanzinoteca e como ela pode ser visitada?

A Fanzinoteca tem um acervo atualmente em torno de 3500 exemplares e os zines abarcam a diversidade que o zine contempla, zines de HQ, zines de música, terror e ficção científica, zines de artes visuais, zines de movimentos sociais, zines produzidos por escolas e universidades. Destaque para os zines feitos pelos alunos da escola que, feitos como um espécie de prova alternativa, após atribuição de nota, passam a fazer parte do acervo. É uma ressignificação do processo avaliativo e os docentes de língua portuguesa, espanhol, ingles, história, filosofia e sociologia são os que normalmente demandam o uso de zine nesse contexto pedagógico.

A Fanzinoteca é pública e funciona de segunda a sexta de 13h30 às 16h30, e outros horários podem ser agendados previamente pelo e-mail fanzinotecamacae@gmail.com. Autores de fanzines e publicações independentes podem agendar lançamento de publicações, educadores podem agendar oficinas de zine e visitas coletivas para acesso ao acervo. Como a pandemia estamos com as portas fechadas desde março de 2020, e esperamos retornar no ano que vem em condições seguras assim que possível.

Como vocês fazem para explicar às novas gerações o que é um fanzine, levando em conta que com a internet a novidade da “autopublicação” virou parte do dia a dia de muita gente?

Advertisement

Justamente por ser o zine uma mídia pré-internet, e por embutir o modo artesanal de fazer e com o jeito analógico de curtir e compartilhar, que faz o zine ser uma novidade para o nativo digital. Pode até haver uma estranheza inicial quando propomos ao jovem fazer um zine nas oficinas, mas logo o pessoal se solta e fazem zines super criativos.

Fanzines ainda têm muito apelo no mundo digital? Como os alunos das oficinas reagem à descoberta de que é possível produzir material físico para leitura com bom conteúdo, muito talento e material caseiro?

O nosso projeto resgata e prioriza esse modo de fazer tradicional do zine, mas não descartamos a veiculação nas plataformas digitais, zine físico e zine digital podem e devem conviver pacificamente. Normalmente lançamos o zine fisicamente e depois disponibilizamos no meio digital. Os zines do projeto Fanzinoteca podem ser acessados gratuitamente no site da Editora Marca de Fantasia através deste link.

Confesso que no começo do projeto senti dificuldades de envolver os alunos, mas tudo foi questão de tempo, até o projeto alcançar visibilidade e, contando com a adesão dos professores, o zine hoje é um fenômeno “viral” na escola. Há pouco tempo descobri que os alunos antes de virem estudar aqui já ficam sabendo que tem um tal de fanzine que os professores usam às vezes como forma de avaliação. Isso é inimaginável porque há 9 anos atrás praticamente ninguém sabia, por aqui, o que é um zine.

E hoje os fanzines estão na internet, em PDF. Como vê mais essa possibilidade?

Advertisement

Uma das formas possíveis de veiculação, de fazer circular os zines. Inclusive durante a pandemia criamos um repositório de zines digitais. E o link está acessível para quem quiser conhecer os web-zines e zines analógicos digitalizados. Temos contatado antigos faneditores na intenção de pedir arquivos digitais de zines para que essa memória nãos e perca. Inclusive nos oferecemos para digitalizar quando o autor não tem tempo ou recursos para esse trabalho. Eis o link da Zineteca Digital Colaborativa, a ZDC.

Fale da Peibê, a publicação feita pelo projeto. Saíram outras publicações dele?

O zine Peibê é o primeiro e principal zine de nosso projeto. O nome foi sugerido pelos estudantes, referenciando o preto e branco das revistas artesanais normalmente em fotocópia. Ele apresenta a proposta de publicar quadrinhos de estudantes da casa e de veteranos no fanzinato, o que representa uma excelente diálogo intergeracional que ajuda a incentivar os novos autores. Apreciamos muito a diversidade de estilos de fazer quadrinhos com essa proposta livre dos zines, e já publicamos quadrinhos com perfil profissional, até as HQs de homem-palito e rabiscos, ou seja, quadrinhos autorais são muito bem-vindos.

O zine Peibê chegou a ganhar um troféu Ângelo Agostini e foi muito bom como conquista coletiva e pra dar visibilidade ao projeto. O Peibê está no número 7 e a oitava edição está em preparação. Depois dele, outros zines do Coletivo Fanzinoteca foram lançados, como o Traços de Memória, Café Filosófico, Afroindi e outros, sempre trazendo a marca do talento e protagonismo dos jovens estudantes da nossa escola.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending