. REm meio à comemoração de seus 21 anos (o aniversário foi em novembro), o selo Astronauta Discos dá andamento a dois projetos: o Vale A Pena Gravar de Novo (que, como o próprio nome já diz, só tem regravações) e o Astronauta Singles (com músicas autorais). Este último projeto, traz nesta sexta (18) lançamento novo de Eu, Chris e Taís (grupo que já passou até aqui pelo POP FANTASMA APRESENTA), com a música Ninguém igual, composta pelas duas únicas integrantes do ECT, Chris Fuscaldo e Taís Salles.

Astronauta Discos comemora 21 anos com singles nas plataformas
Capas dos singles de Cris Braun (E) e de Eu, Chris e Taís (D)

Já o projeto de releituras foi responsável por relembrar, ao longo de 2020, músicas de Guilherme Lamounier (Vai atrás da vida que ela te espera, com Zé Ibarra), Raul Seixas (Por quem os sinos dobram, com Paul Rock) e Caetano Veloso (Maria Bethânia, com Chico Chico). Pela primeira vez, rola uma regravação autoral no projeto: Cris Braun recorda uma composição sua, mas em parceria com Paula Toller e George Israel, e originalmente gravada pelo Kid Abelha, Gávea posto 6.

“Esse projeto, especificamente, é bem afetivo, com pessoas que são parceiras, que gostam de mim e da Astronauta”, conta Leonardo Rivera, criador do selo (que já foi entrevistado pelo POP FANTASMA). Maria Bethânia, por acaso, já havia sido regravada por Chico Chico para um programa do YouTube. Mas Rivera sugeriu que a faixa tivesse um registro “oficial”, porque já era uma canção que Chico, filho de Cássia Eller, queria gravar. “Já o Zé Ibarra nunca tinha ouvido falar em Guilherme Lamounier. E ficou muito surpreso quando escutou a música”, conta Leonardo.

MÚSICAS E CONVIDADOS

O próprio diretor do selo (conheça o site da gravadora aqui) produziu as duas faixas no estúdio da Warner Chappell, na Zona Sul do Rio. Já as de Paul e Cris Braun, em decorrência da distância (o cantor mora em Maricá, no interior do estado do Rio, a cantora vive em Maceió), ficaram com outros produtores. Aliás, Rivera tem ouvido sugestões de novos convidados e de músicas para serem relidas no Vale A Pena Gravar de Novo.

“Não tem sido nada engessado, não há uma regra. Mas o que temos que fazer é conseguir autorização da obra. Há limitações de desenvolvimento executivo, de produção, mas recebemos sugestões”, conta ele. “Já convidei artistas que estão na pilha de fazer singles, como Duda Brack e Julia Vargas. E sugeri uma faixa para o Bena Lobo, filho do Edu Lobo, e ele sugeriu uma outra, ficou super a fim. Tem que ser com muita calma, suave, artístico, ou então fica pesado e industrial demais”.