Em plena turnê do disco Rocket to Russia (1977), com Tommy Ramone ainda na bateria, os Ramones foram fazer – e isso já em 1978 – uma data no State Theater em Minneapolis. Uma estação de TV local foi lá bater um papo com eles nos camarins e fez questão de diferenciar o que acontecia ali do que rolava no palco. O apresentador avisa que Joey Ramone, o vocalista, era bastante tímido e quieto, mas se soltava muito no palco (e de fato, Joey não abriu a boca durante todo o papo e limitou-se a rir nervoso em vários momentos).

Infelizmente, ninguém lembrou de colocar legendas nem em inglês no papo acima, mas para quem é fã dos Ramones vale a pena alugar um amigo que entenda um pouco do idioma para dar uma ajuda. Pelo menos é um raro momento em que três quartos da primeira formação dos Ramones abrem a boca e falam sobre suas visões a respeito do mundo e da música. Logo de cara, uma voz em off fala que a banda acaba de voltar da Inglaterra, onde fizeram uma turnê bem sucedida. E chama a Terra da Rainha de “pátria ancestral” do punk rock.

É a deixa para os Ramones começarem a dar uma desprezada geral no punk inglês. Em especial no caso do conservador-ao-extremo Johnny Ramone e do malucão Dee Dee Ramone.

Dee Dee abre o papo dizendo que as banda inglesas “fedem”, o que provoca risos em Tommy Ramone. O baterista da banda diz que conhece apenas “umas três” bandas verdadeiramente políticas na Inglaterra, citando o Clash e os Sex Pistols. Johnny diz que o jovem médio na Inglaterra não está ligando muito para a política na música, que esse lado político é “chato” e compara bandas como Clash com a cantora folk politizada Joan Baez.

O comentário de Johnny era cruel, um tanto alienado e bastante despropositado, mas vá lá que Joan costumava ser diferenciada da movimentação roqueira dos anos 1960/1970 justamente por seu lado bastante politizado – que a levou a fazer discursos até no festival de Woodstock, por exemplo. Para compensar qualquer tipo de comentário meio boboca, depois tem imagens de Johnny e Dee Dee Ramone tocando Rockaway beach ao vivo nos camarins, em meio a cortes bizarros feitos com a banda tocando a mesma música no tal show de Minneapolis.