Connect with us

Cultura Pop

Várias coisas que você já sabia sobre a estreia do Duran Duran

Published

on

O Duran Duran já foi uma banda cujo vocalista não era Simon Le Bon. Antes do primeiro disco, epônimo, lançado em 15 de junho de 1981 (opa, quase 40 anos!), outros nomes passaram pelos vocais do grupo. O primeiro foi Stephen Duffy, que depois foi para o Lilac Time. Depois entraria Andy Wickett, mais conhecido como Fane, que foi guitarrista de uma banda chamada TV Eye, e era um músico conhecido em Birmingham, na Inglaterra, de onde o DD vinha. Andy chegou a gravar as primeiras demos da banda, mas logo saiu.

Várias coisas que você já sabia sobre a estreia do Duran Duran

Aliás, ainda houve outro vocalista, Jeff Thomas, recrutado por um tempo bem breve. O Duran Duran havia sido iniciado em 1978 pelo tecladista Nick Rhodes e pelo baixista John Taylor, foi montado sob os signos do glam rock e do art rock, e tinha mais influências de David Bowie e de Roxy Music do que eram capazes de esconder. Com a formação clássica completa (além de Simon, John e Nick, havia Roger Taylor, bateria, e Andy Taylor, guitarra), ficou claro que o Duran Duran apontaria para o futuro. Pouco antes da indústria de clipes virar o filé mignon do mercado (epa, a MTV nasceu no mesmo ano da estreia do DD), já pensavam em associar imagem e música, moda e atitude.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Blonde on blonde, de Bob Dylan

A união de pós-punk e de climas herdados da disco music, feita pelo quinteto, deu certo. A MTV abraçou hits como Girls on film, o Duran Duran se tornou a primeira banda dos anos 1980 a virar mania, transformou-se em modelo para praticamente tudo o que viria na década (se falar de rock brasileiro dos anos 1980, então…). E tudo começou com um disco que vinha sendo cuidadosamente pensado havia anos, e que hoje é um grande clássico.

E segue aí nosso humilde relatório sobre Duran Duran, o disco. Ouça lendo, leia ouvindo, essas coisas.

Advertisement

FAZENDO PLANOS. Antes do Duran Duran começar, não havia John Taylor e Nick Rhodes, Tinha era dois adolescentes, Nigel Taylor e Nick Bates, que matavam o tempo conversando sobre música e planejando formar uma banda, lá por 1978. Bates adotou o “Rhodes” por sugestão do amigo.

JÁ O molecote Nigel John Taylor era fã de Roxy Music, havia aprendido um pouco de piano, e passava por um processo de transformação pessoal parecido com o do Patinho Feio: era complexado por ter miopia, usar óculos e por ter um nome que, no entendimento dele, era mais apropriado a um garoto bullynizado.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Doolittle, dos Pixies

NIGEL? O artista posteriormente conhecido como John Taylor usaria o “Nigel” como nome artístico até a primeira demo do Duran Duran. Mas estava de saco cheio de se chamar assim e lembrava especialmente de um personagem Nigel, que era um bobalhão que aparecia num episódio de Monty Phyton. “O dia seguinte à exibição desse programa foi um pesadelo na escola”, recordou.

ALIÁS E A PROPÓSITO, pra piorar um pouco, 1979 foi o ano de… Making plans for Nigel, sucesso-assinatura do XTC, que foi um grande hit e contava a história de um moleque meio superprotegido pelos pais, e incapaz de decidir o próprio futuro. O John, que já era seu nome do meio, foi adotado como referência a Johnny Ramone e John Lennon.

NO COMECINHO o grupo de Rhodes e Taylor (com o cantor original, Stephen Duffy), ensaiava na loja de brinquedos do pai de Nick, em meio a embalagens. “Tínhamos músicas chamadas coisas como Hold me, pose me, que era o que dizia na lateral de uma caixa de boneca”, contou Duffy.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre The Who Sell Out, do Who

QUE NEM BOWIE. A banda tinha um hábito parecido com o de um de seus maiores ídolos, David Bowie, nos tempos de penúria. Se na adolescência o mod Bowie fuçava lixões de lojas de roupas em busca de alguma peça descartada, os futuros astros do Duran Duran usavam roupas de lojas de caridade, e jaquetas dos anos 1950, bem justas. A ideia era lançar moda, mas isso ainda demoraria para acontecer.

PRIMEIRO NOME. O Duran Duran passou um tempo se chamando RAF (possível referência à Força Aérea Real da Grã-Bretanha). Mas foi muito pouco tempo mesmo. John viu o filme Barbarella, de Roger Vadim (1968), e sugeriu batizar a banda com o nome Duran Duran, referência ao Dr. Durand Durand interpretado pelo ator Milo O’Shea.

ALIÁS E A PROPÓSITO, Milo foi convidado pela banda em 1984 para interpretar o próprio Dr. Durand Durand no filme-concerto Arena (An absurd notion). E aceitou.

NA BALADA COM O DD. O começo do Duran Duran era bastante associado a um clube de Birmingham chamado Rum Runner, que já estava aberto desde 1964 e tinha dado abrigo a várias bandas e artistas ilustres da cidade (de Black Sabbath e Roy Wood). O Duran Duran levou sua primeira demo para lá e a banda quase inteira acabou trabalhando na casa, com os integrantes assumindo funções como DJ, segurança e até cozinheiro. A casa fechou em 1987.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Sticky fingers, dos Rolling Stones

NO PALCO. O Duran Duran se tornou também residente da casa, numa época em que os filhos do dono do local assumiram a boate e a transformaram num clube mais moderno. A banda tocava até mesmo nas festas de réveillon do local.

AS MUDANÇAS NA BANDA foram ocorrendo nos anos seguintes, até que o Duran Duran ganhasse a formação definitiva. Um sujeito chamado Alan Curtis assumiu a guitarra por uns tempos, após ler um anúncio no jornal que recrutava um músico “influenciado por Roxy e Bowie”. Andy Taylor entra depois para a banda por causa de outro anúncio e acaba assumindo não apenas o instrumento como a chapa de hambúrgueres do Rum Runner. De início, se choca com o visual trabalhado da banda, mas resolve ficar. Já Duffy fica definitivamente chocado com as ambições pop do grupo e deixa o DD.

O VOCALISTA. Simon Le Bon, apesar de não fazer parte da turma que trabalhava no Rum Runner, entrou para o Duran Duran por causa da boate: namorava uma garçonete que o recomendou para a banda. Seu visual inusitado (jaqueta de camurça, calça de pele de leopardo e cabelo louro) impressionou os futuros colegas e ele foi aceito nos vocais.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Love it to death, de Alice Cooper

EMPRESÁRIOS. Quem passa a cuidar dos negócios do Duran Duran é justamente o então proprietário do Rum Runner, Paul Berrow – foi nessa que a banda virou residente de lá. Ele e seu irmão, que cuidavam da boate, estavam super interessados em fazer do local uma espécie de Studio 54 de Birmingham, levando toda a modernidade da casa de Nova York para uma cidade industrial da Inglaterra. Discos de artistas como Giorgio Moroder rolavam direto nas pick-ups da casa e eram ouvidos o tempo todo pelo Duran Duran em meio a ensaios e novas canções.

DISCO É O C… No fim dos anos 1970, vale dizer, a coisa mais comum do mundo era que roqueiros demonstrassem todo o seu ranço pela disco music, que ocupava espaços nas rádios. Ainda que nomes como Doobie Brothers, Kiss, Blondie e Fleetwood Mac (e Rita Lee, no Brasil) convivessem de boa com os batidões da disco, o consenso geral era que aquela batida dançante era repetitiva, as letras eram pobres (enfim, como se Highway star, do Deep Purple, fosse o equivalente roqueiro de um poema de John Keats) e as melodias eram pífias. Esse último aspecto torna tudo mais maluco, ainda mais no comparativo com um estilo musical que havia sido salvo pelos três acordes.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Black Sabbath Vol 4

EM 1979, rolou aquele espetáculo de demência chamado Disco Demolition Night, em que LPs de disco music (e de música negra em geral, segundo testemunhas) foram quebrados em meio a uma competição esportiva. O estilo musical começava a ser substituído por versões mais ritmadas que anos depois desembocariam na house music, a safadeza boogie começava a dominar as paradas (via Earth, Wind & Fire e outros artistas) e já se avizinhava uma pós-disco, com nomes como Prince e Rick James gravando discos.

MAS E O DURAN DURAN COM ISSO? Se em 1979 estivesse na moda o hábito de bandas procurarem psicólogos ou coaches, o DD gastaria uma nota tentando solucionar a crise que vivia na época. Como roqueiros vindos do punk, deveriam odiar disco music, mas a adoravam. John Taylor, originalmente um guitarrista, tornou-se baixista pelo amor ao Chic.

HAJA GRANA. Os irmãos Berrows decidem investir pesado no Duran Duran e hipotecam um apartamento para comprar uma vaga de banda de abertura (eita) para o quinteto. O DD abre shows de Hazel O’Connor, uma cantora e atriz britânica que fazia sucesso com o hit Eighth day e com o filme Breaking glass, dirigido por Brian Gibson e estrelado por ela.

GENTE HUMILDE. A tal vaga na tour custou 12 mil libras. Para não aumentar mais ainda o rombo, ficou combinado que a banda se revezaria entre um quarto de hotel e a van de turnê – um integrante dormiria no quarto por vez a cada cidade, e os outros se espremeriam no utilitário.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre O Papa é pop, dos Engenheiros do Hawaii

DEU CERTO. Num dos shows da turnê com Hazel, Dave Ambrose, o chefe de A&R da EMI que descobriu os Sex Pistols, descobre o Duran Duran. Vê em Simon LeBon uma espécie de “novo Elvis” e contrata a banda sem pestanejar.

NO ESTÚDIO. O Duran Duran começou a gravar imediatamente e passou por vários estúdios com o produtor Colin Thurston, que trabalhara em Heroes, de David Bowie, e Lust for life, de Iggy Pop. Planet Earth e Girls on film foram gravadas em dezembro de 1981 e o restante em janeiro.

RAPIDINHO. De modo geral, Duran Duran, o disco de estreia, foi gravado rapidamente e em várias etapas. O produtor primeiramente cuidou de faixas como Careless memories, Night boat, Anyone out there, Tel Aviv e Faster than light (que viraria o lado B de Girls on film). O esqueleto de outro lado B queridíssimo do Duran Duran, Khanada, viria também dessa etapa. Depois, Colin mudou a banda para outro estúdio e completou toda a parte básica do disco (além de muita coisa de sequenciadores e teclados) em dez dias.

VERSÃO EXTRA. A produção de remixes para pistas de dança já vinha dos tempos da disco music e da aurora da cultura hip hop. Mas nos anos 1980 isso viraria padrão, a ponto de alguns remixes ficarem até mais ilustres do que as canções que lhes deram origem. O Duran Duran fez um pouco mais do que isso: fez uma segunda versão de Planet Earth para clubes. Mas em vez de remixar, rearranjou a música, pôs mais slaps de baixo e percussão, e convocou um naipe de metais. A duração foi para oito minutos.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Transa, de Caetano Veloso

A FOTO DA CAPA. Quem tirou a foto da capa de Duran Duran foi Fin Costello, um fotógafo irlandês, que trabalhara com artistas como Deep Purple e Uriah Heep. John Taylor havia sugerido seu nome para a gravadora, que topou. O músico diz que sugeriu também que a banda posasse com um carro na foto. Fin não apenas fez a foto, como também sugeriu que a capa fosse feita por Malcolm Garrett, designer responsável por todo o visual dos discos da banda punk britânica Buzzcocks. Garrett conseguiu desenhar para o Duran Duran uma capa moderna e bastante minimalista, com um logotipo cuja produção encareceu bastante o design, mas deu a cara inicial do grupo.

A HISTÓRIA DO ROCK E DO POP é cheia de exemplos de artistas extremamente viáveis comercialmente, mas que precisaram lutar para fazer valer suas ideias, e que penavam com a falta de visão de donos de gravadoras. Com o Duran Duran não aconteceu nada disso: a EMI, até por precisar bastante de um grupo “moderno” para abrir os anos 1980, apostou bastante desde o início. Especialmente quando viu Planet Earth, o primeiro single, chegar no sétimo lugar das paradas britânicas.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Atom heart mother, do Pink Floyd

O PROBLEMA É QUE foi nesse ponto que rolou uma bobeada séria da gravadora que quase pôs tudo a perder. A banda queria lançar logo a alegre e chamativa Girls on film como segundo single. Mas a EMI alegou que Careless seria uma boa opção porque mostrava “um lado mais sério do grupo”. Em tempos de forte airplay para o pop adulto, não era uma ideia de todo errada. Mas o single não vendeu bem e mal tocou. E o Duran Duran começou a ganhar uma baita cara de banda de tiro curto.

MAS A EMI foi à luta e usou todo seu time de assessoria de imprensa para reverter a situação. Janice Hague, que trabalha com bandas como Queen e Bow Wow Wow, fez tudo para emplacar o DD não apenas na imprensa “séria”, como também nas revistas de adolescentes. O grupo conseguiu uma capa na Smash hits, uma das revistas pop mais vendidas da época. Curiosamente, a revista preferiu colocar uma foto em que apenas Nick e Roger apareciam. Nem mesmo Simon Le Bon apareceu. John diz ter visto nisso um sinal de que a banda era vista de maneira mais “profunda” do que parecia.

JOHN TAYLOR reclama que, graças à preferência que a banda e a EMI deram para a Smash hits e a The Face, o New Musical Express passou a expressar (opa) o maior desgosto pela banda, atacando-os sempre que podia. Por outro lado, publicações para adolescentes apaixonadas, como Diana e My Guy passaram a cobrir todos os passos do grupo, e a publicar até mesmo pôsteres deles. Não era uma mídia tão errada assim: artistas como Marc Bolan e David Bowie, no comecinho dos anos 1970, viviam aparecendo nessas publicações (os equivalentes à Capricho e à Querida no Brasil).

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre The seeds of love, do Tears For Fears

ALIÁS E A PROPÓSITO, pelo menos Careless veio com duas preciosidades como B-sides, a boa Khanada e a versão duranie de Fame, de David Bowie.

BORA SAIR DE CASA PRA VER UM VÍDEO? Hoje ninguém sai de casa para nada, mas pode acreditar: nos anos 1980, as pessoas saíam de casa para assistir a exibições de vídeos de seus artistas preferidos. Várias casas noturnas (inclusive aqui no Brasil) anunciavam sessões de vídeos, gravados em VHS, de apresentações de bandas como Smiths, Duran Duran, e até grupos mais antigos, como Pink Floyd e The Doors. Assim que isso começou a acontecer, os próprios artistas passaram a produzir vídeos especialmente para esse tipo de mercado, até porque a MTV ainda estava no comecinho.

O DURAN DURAN, que não era bobo nem nada, mandou fazer um vídeo fodástico e malicioso para Girls on film, com várias modelos, vários cenários (inclusive um de passarela, que seria imitado à exaustão em outros clipes e até aberturas de novela no Brasil) e passagens que eram referências cara-de-pau a fetiches sexuais. O projeto inicial era que o vídeo fosse exibido apenas em casas noturnas, mas ele chegou até a TV. A BBC considerou o clipe obsceno e não o exibiu. Já a MTV só concordou em exibi-lo após várias tesouradas.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Boy, estreia do U2

O VÍDEO DE Girls in film foi uma das produções vitoriosas da dupla Kevin Godley & Lol Creme, dois músicos, ex-integrantes do 10cc, que haviam resolvido se dedicar à produção de vídeos e comerciais. Os dois permaneceram dirigindo vídeos ao mesmo tempo em que lançavam discos em dupla, numa linha mais experimental e gozadora do que o próprio 10cc (que já era conhecido por músicas como The worst band in the world).

SIMON LE BON compôs Girls on film para reclamar de um tema que ainda não estava na pauta por aqueles tempos: a objetificação de modelos e atrizes em fotos de moda. O cantor acabou depois reclamando de novo de outra coisa: o vídeo ubersexualizado pôs toda a mensagem da letra a perder. E tá aí o clipe.

ALIAS E A PROPÓSITO, os dois primeiros singles do disco, Planet Earth e Careless memories, tiveram clipes lançados também.

Advertisement

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre L. A. woman, dos Doors

FORMATOS INOVADORES. O Duran Duran (e a EMI, diga-se) estavam realmente de olho crescido para o mercado de clipes e vídeos. Tanto que a banda e a gravadora decidiram apostar em novos formatos para fazer a banda crescer no mercado. Em 1983, quando já eram uma banda de dois discos lançados, as lojas receberam Duran Duran video album, com tudo o que já havia saído de clipes da banda até então, e mais uma novidade: a banda produziu clipes para faixas que não chegaram a ser lançadas como singles, como Lonely in your nightmare e Night boat. Depois disso, a banda explorou o formato de EP-vídeo (um VHS com pouco tempo de duração e alguns clipes) e até video-single com Dancing on the Valentine e Duran Duran video 45, ambos de 1984.

ESSES LANÇAMENTOS EM VÍDEO eram colocados nas lojas pela PMI (Picture Music International) uma subdivisão da EMI especializada em clipes, que lançou vídeos de Kate Bush, Paul McCartney, Queensryche, Iron Maiden e vários outros do elenco da gravadora. O nome depois foi descontinuado e substituído por Abbey Road Interactive.

NOS ESTADOS UNIDOS, a EMI jogou Duran Duran para o selo Harvest, que era mais useiro e vezeiro de lançamentos de rock progressivo durante os anos 1970, mas que havia tomado novo direcionamento após o sucesso do movimento punk, contratando bandas como Wire. Foi com esse selo que o álbum chegou ao Brasil.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Argybargy, do Squeeze

UMA DIFERENÇA da edição americana para a britânica é que nos EUA a gravadora preferiu a “versão noite” de Planet Earth (a tal nova versão com alguns minutos a mais) e cortou To the shore do LP. Anyone out there e Night boat aparecem na edição dos EUA com títulos alternativos: Is there anyone out there e (Waiting for the) Night boat. No Brasil, mesmo com o selo Harvest, o disco saiu fiel ao original britânico.

FALANDO EM BRASIL, a chegada do Duran Duran no mercado foi anunciada na coluna Música Pop assinada por José Emilio Rondeau, no Jornal do Brasil, em 21 de maio de 1981, na qual a banda foi citada como um dos grupos da onda new romantic. Ou dos chamados blitz kids. Era a turma que frequentava o clube Blitz, em Londres, e da qual saíram nomes cujas carreiras se desenvolveram de maneira bem diferente da do DD, como Boy George, Midge Ure (Ultravox/Visage), Marilyn (cantor, DJ e amigo de Boy George), a turma do Spandau Ballet, Siobhan Fahey (Bananarama) e outros.

ALIÁS E A PROPÓSITO, Anyone out there, que sequer era um single oficial do primeiro álbum, ganhou um levante especial justamente… aqui no Brasil. Foi incluída na trilha da novela global Sétimo sentido, em 1982. Apesar do Duran Duran poucas vezes ser fotografado usando jeans (várias fotos do começo dos anos 1980 mostram a banda usando couro da cabeça aos pés), a Nexus, uma das mais populares fábricas de calças dos anos 1980, fez uma promoção usando a música do grupo: lançou um compacto especial com Anyone no lado B e Planet earth no lado B.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Mellon Collie, dos Smashing Pumpkins

JÁ A EDIÇÃO JAPONESA ORIGINAL de Duran Duran faz a alegria dos colecionadores, por trazer um pôster colorido e instruções (com silhuetas de bonecos) de como dançar “a nova dança new romantic”.

E AÍ, VENDEU? Duran Duran estourou, fez o nome da banda ficar conhecido na Inglaterra, e animou a EMI a tentar fazer a banda estourar nos Estados Unidos. A gravadora pagou um clipe num barco cheio de modelos para o futuro hit Rio e botou a banda em estúdio novamente – para gravar o segundo disco, também chamado Rio (1982).

Advertisement

O DURAN DURAN abraçou a nova fase e emplacou hit atrás de hit na MTV sem medo de ser feliz. “Quando você tem 19 anos e alguém diz: ‘Você quer fazer um vídeo em um iate nas Caraíbas?’ você não diz ‘que tipo de declaração deveríamos estar fazendo aqui?’. Diz algo como: ‘Meninas, barcos, sim, por favor!’”, contou Le Bon. Teve início uma duranmania que seguiu até 1986, com a interrupção momentânea das atividades e a saída de Roger Taylor “por exaustão”. O DD fechou os anos 1980 com influências de música eletrônica no disco Big thing (1988).

HOJE a banda ainda está por aí, e anuncia um disco novo para outubro, Future past. O único integrante da formação original que está distante da banda é Andy Taylor, que saiu brigado do DD em 2006, em meio às gravações de um disco que nunca foi lançado, Reportage. O músico não foi substituído e a banda hoje um quarteto.

Com informações de Diffuser.FM, e do livro No ritmo do prazer, de John Taylor.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Advertisement

Cultura Pop

O primeiro disco do Blondie tá fazendo aniversário!

Published

on

Tinha muita gente, mas muita gente mesmo, que acreditava que o Blondie, lá por 1976/1977, seria a única banda a sair vitoriosa do CBGB’s – aquele clube de Nova York que na real, acabou revelando não apenas eles, mas também Ramones, Talking Heads, Television e muitas outras atrações. O Blondie era liderado por Debbie Harry (mulheres à frente de bandas eram caso raro naquele período) e, em plena era da cara feia punk, chamava a atenção por sorrir o tempo todo: os ensaios eram felizes, a música era alegre, o show era uma baita zona, o som era “divertido”.

Marty Thau, que contrataria inicialmente a banda para o pequeno selo Instant Records, achava que o grupo iria estourar no mundo todo. Bom, o livro Vidas paralelas, biografia do Blondie escrita por Dick Porter e Kris Needs, conta que Thau também havia falado o mesmo do New York Dolls – que, como é público e notório, não estourou tanto assim. Mas essa felicidade toda ajudou o Blondie a fazer um link musical que partiu do punk, chegou à new wave e atingiu até mesmo a disco music e o funk americano oitentista.

O epônimo primeiro disco do Blondie, que chega aos 45 anos no finzinho de 2021 (saiu em um dia qualquer de dezembro de 1976), foi meio “filho” de outra estreia epônima lançada havia pouco tempo – a dos Ramones. Craig Leon, que produziu o disco de Joey, Johnny, Dee Dee e Marky, fez os arranjos da estreia.

Craig ainda levou o Blondie para gravar no mesmo estúdio em que o Ramones gravaram sua estreia – o Plaza Sound Studios, no Radio City Music Hall, em Manhattan, onde big bands gravavam na época áurea do rádio. Richard Gottehrer, que ajudou a lançar Ramones e Talking Heads na Sire, e havia deixado o selo, produziu Debbie Harry (voz), Chris Stein (guitarra), Gary Valentine (baixo), Jimmy Destri (teclados) e Clem Burke (bateria).

Advertisement

Se você nunca ouviu Blondie, o álbum, vai descobrir um som que corria o risco de parecer deslocado em 1976. Mas felizmente não foi o que aconteceu. Se os Ramones recauchutavam a surf music da década anterior, Debbie e seus amigos, em várias faixas do debute, davam aquele trato punk no som dos girl groups dos anos 1960. X offender, a primeira faixa, parceria da cantora com o baixista Gary Valentine, poderia ser uma faixa antiga das Ronettes, ou de Nancy Sinatra. Ou das Shangri-Las, que por acaso voltavam naquela mesma época com formação diferente e um show no CBGB’s.

O vespeiro ficava por conta do título e do tema originais da música. A canção se chamava originalmente Sex offender, e a letra falava originalmente da vez em que o Gary quase foi preso, aos 18 anos, por fazer sexo com sua namorada pouco mais nova que ele. O selo Private Stock, que topou lançar o disco (Thau queria um selo maior que a Instant para lançá-lo), pediu que o nome fosse trocado. Além do título, Debbie trocou a letra para algo mais “suave” – bom, Debbie preferiu falar, na letra, sobre o romance de uma prostituta com o policial que a leva para a cadeia.

O Private Stock era um selinho humilde, montado por um executivo chamado Larry Uttal, que sobrevivia basicamente da venda de singles a preços módicos e trabalhava com artistas nostálgicos e desconhecidos. Na prática, era como se a Legião Urbana, no Brasil dos anos 1980, fosse contratada pela Chantecler, e não pela EMI. Uttal, de todo modo, quando finalmente viu o Blondie ao vivo, achou aquele som até parecido com grupos doo wop dos anos 1960, como Rosie & The Originals.

Só que esse selo, pode acreditar, a única esperança para o Blondie, que naquela época era considerado uma “porcaria” por todos os executivos de gravadoras – com direito a comentários do tipo “a banda é boa, mas a vocalista é ruim”, “a vocalista é ótima, mas a banda é horrível”. Ninguém entendia o Blondie, e olha que não era uma banda “cabeça”, como os Talking Heads ou o Television. Paralelo a isso, o próprio casal Debbie-Stein usava os New York Dolls como paradigma de “até onde a gente pode chegar”, já que não havia perspectiva de sucesso real.

Advertisement

Blondie, o disco, era uma zona – do bem, mas uma zona. O grupo gravou o álbum praticamente ao vivo, em agosto e setembro de 1976, com Goettherer se esforçando para manter a banda focada, já que o Blondie tinha várias influências e várias caras diferentes. O grupo passara por fases diversas até 1976: havia sido influenciado pelo glam rock, pelo rock britânico dos anos 1960, pelo começo da onda hard rock. E Debbie Harry ainda tinha passado por uma fase hippie que rendeu matérias na mídia e um disco com uma de suas primeiras bandas (você já leu sobre isso no POP FANTASMA).

No disco de estreia, o Blondie fazia surf music e proto-new wave (a animadaça In the sun), ameaçava uma mistura de krautrock e balada anos 60 (A shark in jets clothing) e encerrava o disco com uma microopereta punk de terror (The attack of the giant ants). Nomão do pop feminino dos anos 1960 e autora de canções para quase todos os girl groups da época, Ellie Greenwich fez vocais em Man overboard e In the flesh. Para a capa, a gravadora escolheu um clique de Shig Ikeida, com todo mundo sério na foto – mas era só aparência, estavam todos bêbados e Gary, em particular, estava quase caindo.

Com Blondie nas lojas, o grupo conquistou fama, e pouca grana – afinal a Private Stock era um selo pobre, mas logo logo o contrato da banda seria comprado pela Chrysalis, a gravadora de nomes como Jethro Tull. O grupo fechou 1976 com uma apresentação histórica no Max’s Kansas City, que chamou atenção não apenas pelo som, como pelo figurino dos integrantes: trajes na estica dos anos 1960 para os rapazes, e Debbie de vestido zebrado.

Por acaso, a partir daí, o Blondie brigaria diariamente para vender mais música do que imagem, e para não ser engolido pelo sexismo do mercado. Uma briga ao som de hits como One way or another, Hangin on the telephone, Call me, Heart of glass e vários outros.

Advertisement

Continue Reading

Cultura Pop

Handwich: o sanduíche de casquinha da Disney (!)

Published

on

Handwich: o sanduíche de casquinha da Disney (!)

Já pensou que divertido comer um sanduíche que você segura pela casquinha, como se fosse um sorvete? Não é cool, bacana e descolado? Bom, não é nem um pouco, mas a Disney (veja bem, a DISNEY) apostou no formato entre os anos 1980 e 1990. O Handwich, ou “sanduíche do futuro”, foi vendido nas dependências do Walt Disney World Resort por alguns tempos. E depois foi abandonado porque, sinceramente, aquilo podia ser até uma iguaria que as pessoas talvez curtissem comer por algum tempo, mas não parecia ser aquilo tudo.

Handwich: o sanduíche de casquinha da Disney (!)

Uma espécie de materialização daqueles momentos em que você abre um pote de sorvete no congelador e encontra feijão, o Handwich começou a ser vendido em 1986, numa época em que a Disney estava interessadíssima em trabalhar com “comida divertida”, seja lá o que for isso. Entre os sabores vendidos, estavam frango e chili.

O visual lembrava um pouco o de um temaki super-desenvolvido e a ideia central era a de que se tratava de um sanduíche para segurar direitinho e comer com uma só mão (ué, mas o conceito de “sanduíche” não é esse?). Na época, de qualquer jeito, a venda de hot dogs era bem maior do que a de Handwiches e a coisa foi ficando complicada.

Curiosamente, a Disney nunca desistiu do formato e volta e meia voltou com os cones de sanduíche, no restaurante da empresa no Hollywood Studios – mas tudo foi descontinuado. E o canal Defunctland contou toda a história do tal sanduíche-para-se-comer-com-uma-só-mão, cabendo ainda uma receita de como fazer os tais Handwiches (sim, tem no vídeo).

Advertisement

Continue Reading

Cultura Pop

New Order com outro vocalista em 1980: teve isso?

Published

on

New Order com outro vocalista em 1980: teve isso? Bom, a banda fez uma tentativa com Kevin Hewick

Na verdade quase teve um New Order com alguém diferente nos vocais – e olha que tem muito fã que se refere a isso como “Joy Division sem Ian Curtis”, o que teoricamente dá no mesmo. Um mês depois do vocalista do Joy Division sair de cena (morreu em 18 de maio de 1980), Bernard Sumner (guitarra), Peter Hook (baixo) e Stephen Morris (bateria), ainda mais perdidos que cebola em salada de frutas, aceitaram fazer uma sessão de estúdio como banda acompanhante de um novo talento que a Factory estava a fim de lançar: um jovem cantor chamado Kevin Hewick. O cara da foto aí de cima.

Kevin era MUITO fã do Joy Division e já havia aberto shows da banda, mas nunca havia conversado com eles. Sabia basicamente, como todo mundo, que os ex-integrantes do JD (o nome já havia sido abandonado) estavam desolados com a morte de Ian. E permaneciam ainda sem saber o que fazer diante do fim abrupto de todos os planos da banda, que iria fazer uma excursão nos Estados Unidos antes de tudo terminar. “Eles tiveram apenas um mês desde a morte de Ian para lidar com suas emoções como indivíduos e como uma banda”, afirmou Hewick aqui.

Até então, Hewick era talvez o maior fã não apenas do Joy Divison, mas da Factory. Tentando carreira como cantor, mandou demos para várias gravadoras em 1979. Foi recusado em todas, mas surpreendeu-se de receber uma carta bem feliz de Tony Wilson, da Factory, que teria lhe dito que sua demo era a melhor do ano. Nesse texto aqui, diz que Hewick conseguiu ser escalado para abrir apresentações classe-A do selo. Aliás, ele foi o artista de abertura do show do Joy Division no evento Factory by Moonlight, no Moonlight Club – aquele mesmo do qual foi tirada  a versão do JD para Sister Ray, do Velvet Underground, que está no LP póstumo Still, de 1981.

Isso é Hewick ao vivaço, naquela mesma noite, cantando Haystack. Saiu no disco A Factory quartet, coletânea dupla de 1980 com quatro novos nomes da gravadora: Durutti Column, Blurt, The Royal Family And The Poor e Hewick. O disco ganhou um release batido à máquina, com anotações irônicas da gravadora sobre os artistas. Hewick, para a Factory, era um cara que “escreve singles sobre montes de feno e encontrar agulhas, e além do FATO de que gosta de Sylvia Plath e Clem Burke, ele tem muito a seu favor”.

Advertisement

Hewick, que abriria para o JD outras vezes, era de fato um fã da banda – a ponto de ter abordado Peter Hook numa lanchonete de fish and chips para dizer o quanto Unknown pleasures tinha sido importante para ele (o baixista fez que não era com ele). A Factory começava a agir com Kevin daquela maneira sacana (e típica) que uma gravadora começa a agir quando percebe que contratou um artista na base do olho grande, e não sabe o que fazer com ele. Wilson tinha dito que ele estava nos planos, mas que demoraria até que Hewick entrasse em estúdio.

A hora chegou quando o dono do selo marcou um horário para ele no Graveyard Studios, em junho de 1980, com Martin Hannett (o cara por trás do som desolado do JD) na produção. Wilson tinha ligado para Hewick e dito a ele que “os JDs” tocariam na sessão, que eles queriam voltar a ser uma banda, e que tocar material alheio os ajudaria na transição para alguma coisa. Há quem diga que a coisa era um pouco mais séria e que a banda estava realmente tentando achar alguém para ocupar os vocais, e que passou pela cabeça de todo mundo que Hewick seria uma opção (Hook confessa no livro Substance: Inside New Order que sim, pensaram nisso, mas a ideia não se mostrou adequada).

O grupo não tinha lá muito tempo de estúdio e gravou só duas faixas, a manjada Haystack e A piece of fate. Hannett, na memória do vocalista, estava desinteressado da sessão: pegou no sono em cima da mesa de mixagem (!) e comparou o resultado com o som do grupo Fairport Convention. Haystack, como foi gravada naquela noite, saiu na coletânea From Brussels with love, lançada em K7 na Bélgica pela Les Disques du Crépuscule, selo fundado por Michel Duval e por Annik Honoré, ex-amante de Ian Curtis. A outra ficou inédita.

Advertisement

A gravação de A piece of fate acabou sendo traumática para todos os envolvidos. Para começar porque Hewick resoleu dizer a Sumner que o som da guitarra dele lembrava demais os riffs de Boredom, dos Buzzcocks. Sumner, no desequilíbrio total por causa da morte de Ian, simplesmente tacou sua guitarra (uma Gibson SG) no chão e se mandou do estúdio.

Até aquele momento, o que saísse da sessão iria para o A Factory quartet. Quando ficou claro que nada de interessante sairia de uma sessão fora de órbita daquelas, a gravadora optou por faixas ao vivo. Se você ouviu Haystack acima, na versão gravada ao vivo, percebeu: Hewick estava sendo tratado com bastante indiferença pela plateia, que mal aplaudiu. Isso rolou em todo o disco.

“Bernard mostrou alguma irritação e raiva, não comigo, apenas com coisas, eu acho. Ele jogou a guitarra no chão em um ponto e saiu do estúdio por um tempo”, recordou Hewick. A Factory, diz ele, se desinteressou rapidamente de sua carreira, até porque Wilson estava mais interessado no Hacienda, o clube da Factory, àquela altura. O cantor saiu do selo e foi gravar pela Cherry Red. Mas ainda deixou um single gravado na Factory, Ophelia’s drinking song. E em setembro de 1980, o trio restante do JD viraria New Order.

Advertisement

Continue Reading
Advertisement

Trending