Teve aquela vez em que os Sex Pistols, recém-saídos da EMI e contratados pela Virgin, deram um coió na sua ex-gravadora com a música EMI. E teve a vez em que a banda irlandesa Stiff Little Fingers resolveu supostamente falar mal de sua gravadora, o selo independente Rough Trade, com uma música chamada… Rough Trade, gravada no primeiro LP do grupo, Inflammable material, de 1979.

Dava até para dizer que a canção era bem mais corajosa que a dos Sex Pistols, uma vez que foi gravada num álbum lançada pelo próprio selo que dava nome à música. A letra tinha versos como “abandonamos nossos empregos e nos preparamos para voar/suas promessas nos fizeram andar alto/e é um comércio sujo, duro e difícil que encontramos/sim, concordamos, mas eles não assinaram/’desculpe filho, vou ter que mandar você embora/nossos advogados dizem que nem conhecemos você’/música é dinheiro”.

Os Stiff Little Fingers, por sinal, estiveram entre os primeiros contratados da Rough Trade, uma empresa que começou em 1976 como loja de discos e depois como distribuidora, e que no fim dos anos 1970 resolveu virar gravadora. Inflammable material foi um lançamento importante do selo fundado por Geoff Travis: foi o primeiro LP da firma e o primeiro álbum independente a vender mais de cem mil cópias no Reino Unido.

Aparentemente, a gravadora não viu problemas em colocar nas lojas um disco que tinha uma música, er, tão desfavorável a seu próprio trabalho. Inflammable foi co-produzido pelo próprio Geoff Travis. E Jake Burns, cantor do grupo, afirmou que na real, Rough trade foi composta para outra gravadora e a ideia era falar do mercado fonográfico (o “mercado rude” da letra) como um todo.

“A música não foi escrita para a Rough Trade Records. Ela foi escrita para a Island Records, que nos prometeu um contrato. Com base nessa promessa, todos nós deixamos nossos empregos e depois nos mudamos para a Inglaterra. Apenas para eles mudarem de ideia no último minuto”, vociferou Jake nesse bate-papo.

“Então, basicamente, nós apenas usamos ‘Rough Trade’ para descrever todo o negócio da música. Uma indústria difícil de fazer parte. A gente se divertia com o fato de estarmos gravando para a ‘Rough Trade’ e acho que eles também achavam engraçada a música. Eu precisaria perguntar o que acharam porque não me lembro de nenhuma reação da parte deles. Então, usamos o nome próprio como um eufemismo para a indústria da música. Isso é tudo”, completou.

Veja também no POP FANTASMA:
– Quando o Wire (ou melhor, Overload) era mais punk ainda
– London Weekend Show: o punk em 1976
Keith Levene: aquele cara do punk que foi roadie do Yes
– Um jornal de TV da Califórnia explica o punk rock para a turma mais velha